Batalha de Monte Cassino

     

A Batalha de Monte Cassino (também conhecida como a Batalha de Roma e Batalha de Cassino) foi uma série de quatro batalhas que aconteceram durante a Segunda Guerra Mundial, onde os Aliados tinham a intenção de romper a linha de defesa alemã para o inverno e avançar para Roma.

A Abadia de Cassino destruída

No início de 1944, a metade ocidental da linha de inverno estava amparada pelas posições alemãs nos vales do Rápido, Liri e Garigliano e alguns picos circunvizinhos e sulcos, bem conhecida como a Linha Gustav. Os alemães não tinham ocupado a colina histórica da abadia de Monte Cassino, fundada em 524 DC por São Bento e que dominava a cidade de Cassino e as entradas do vale do Liri e do Rapido, embora tenham aberto posições defensivas em conjunto nas encostas íngremes abaixo das paredes da abadia. Em 15 de fevereiro o mosteiro, no alto de um pico com vista para a cidade de Cassino, foi destruído por 1.400 toneladas de bombas lançadas pelos bombardeiros americanos. O bombardeio foi baseado no temor de que a Abadia estava sendo usada como posto de observação para os defensores alemães. 

Dois dias depois do bombardeio, pára-quedistas alemães ocuparam as ruínas, paradoxalmente, a destruição causada pelos bombardeamentos, gerando montes de irregulares de entulho deu as tropas alemãs melhor proteção contra ataques aéreos e de artilharia tornando-se mais viável sua posição defensiva. No período de 17 janeiro - 18 maio, as defesas da Linha Gustav foram assaltadas quatro vezes pelas tropas aliadas. Para o último desses assaltos, os aliados reuniram 20 divisões para um grande ataque ao longo de uma frente de vinte milhas e expulsou os defensores alemães de suas posições, mas a um custo elevado.

Fundo
O desembarque dos Aliados na Itália em Setembro de 1943 por dois exércitos aliados comandados pelo General Sir Harold Alexander, Comandante-em-Chefe dos exércitos aliados em Itália, foram seguidos por um avanço para o norte em duas frentes, uma em cada lado da cordilheira central, formando a "espinha dorsal" da Itália. Na frente ocidental, o 5º Exército dos EUA, comandado pelo tenente-general Mark W. Clark, mudou-se da base principal de Nápoles até a bota "Italiano" e no leste o general britânico Sir Bernard Montgomery comandava o 8º Exército avançado até a costa do Adriático.

O progresso do 5º Exército era lento em face de um terreno difícil, o clima úmido e a habilidade para defesa dos alemães. Os alemães estavam lutando por uma série de posições preparadas de uma forma concebida para infligir o máximo de dano, em seguida, puxando para trás e para ganhar tempo para a construção da Linha de Inverno em posições defensivas ao sul de Roma. As estimativas originais de Roma devia cair em outubro de 1943 se revelaram demasiado otimistas.

Embora, no leste a Linha de Inverno tenha sido violada em frente ao Adriático pelo 8º Exército britânico e Ortona tenha sido capturada, o avanço pelo terreno sofreu um impasse com o aparecimento das tempestades de inverno no final de dezembro, fazendo com que o apoio aéreo aproximado e movimento no terreno fosse quase impossível. A rota para Roma a partir do leste utilizando a Rota 5 foi, portanto, excluída como uma opção viável deixando as rotas de Nápoles para Roma, a Rota 6 e 7, como as únicas possibilidades. a Rota 7 (a antiga Via Ápia romana) seguia ao longo da costa oeste, ao sul de Roma, correndo para o Pontine Marshes que os alemães haviam inundado. A Auto-estrada 6 percorria o vale do Liri. Dominando a entrada sul até o vale tinha a massa colina atrás da cidade de Cassino. Excelentes pontos de observação dos picos de várias cotas permitiu a defesa alemã detectar o movimento aliado, impedindo qualquer avanço em direção ao norte, através do fogo de artilharia sobre as unidades aliadas. Correndo em toda a linha de avanço dos Aliados foi o Rio Rapido passava pelos Apeninos centrais, fluía através de Cassino e, através da entrada para o vale do Liri (onde o Liri se junta ao Rapido) depois que seu nome muda para o Rio Garigliano ( muitas vezes referido como "Gari" pelos Aliados) e que continua até o mar. Com suas defesas inimigas fortificadas nas montanha, rios de difícil travessia (não só o rio que flui rápido, mas os alemães tinham temporariamente desviado o Rapido na cabeceira do vale, de modo a inundar o fundo do vale, e tornar as condições do solo mais difíceis para qualquer atacante) Cassino se tornou o pivot da Linha Gustav, se tornado o ponto na linha de defesa mais formidável das posições defensivas alemãs na frente italiana.

Devido à importância histórica do mosteiro beneditino, em dezembro de 1943, o Comandante-em-chefe alemão na Itália, marechal Albert Kesselring, não ordenou as unidades alemãs incluírem o próprio mosteiro nas suas posições defensivas, e informou aos aliados em conformidade. Alguns aviões de reconhecimento aliados disseram ter visto soldados alemães no interior do mosteiro. O mosteiro tinha excelente visão das colinas e vales circundantes e, portanto, era um local natural para os observadores de artilharia alemães. O que está claro é que, quando o mosteiro foi destruído os alemães o ocuparam e fizeram uso do entulho para construir posições defensivas. Finalmente, entretanto, os argumentos militares levando à destruição do mosteiro repousava sobre sua ameaça potencial (real ou imaginária) ao invés de seu estado real da ocupação.

Primeira Batalha

Planos e preparação
O plano do comandante do 5º Exército, general Clark era que X Corpo Britânico, posicionado a uns 30 km da frente, atacasse no dia 17 de janeiro de 1944, através do Garigliano perto da costa. A 46 ª Divisão de Infantaria britânica foi ao ataque na noite de 19 de janeiro através do Garigliano abaixo da sua junção com o Liri, em apoio do ataque principal do II Corpo dos EUA. O principal movimento dos americanos teve início em 20 de janeiro, com a 36ª (Texas) Divisão de Infantaria dos EUA fazendo um ataque através do rio Rapido a 8 km a jusante do Cassino. Simultaneamente, o Corpo Expedicionário francês, sob o general de Alphonse Juin continuaria seu gancho "direito" se movendo em direção ao Monte do Cairo, a dobradiça das linhas defensivas Gustav e Hitler.

Na verdade, Clark não acreditava que haveria muita possibilidade do inimigo descobrir suas intenções, mas sentiu que os alemães estavam se preparando para resistir quando foram chamadas as reservas alemãs fora da área de Roma a tempo para o ataque em Anzio, onde VI Corpo dos EUA deveria fazer um desembarque anfíbio em 22 de janeiro de 1944. Esperava-se que o desembarque em Anzio, com a vantagem da surpresa e uma rápida passagem para interior para os montes Alban, que controlam as Rodovias 6 e 7, de modo que ameaçasse a retaguarda dos defensores da Linha Gustav iria abalar os comandantes alemães e levá-los a retirar-se da Linha Gustav para posições ao norte de Roma. Enquanto isso teria sido coerente com a tática alemã de três meses atrás, a inteligência aliada não tinha entendido que a estratégia de luta contra a retirada tinha um único objetivo de proporcionar tempo para preparar a linha Gustav onde os alemães se manteriam firmes. A avaliação das perspectivas da inteligência dos Aliados, portanto, era demasiada otimistas.

Fallschirmjäger no setor de Anzio , armados com um canhão antitanque PAK 40 75mm

O 5º Exército só havia alcançado a linha Gustav em 15 de janeiro, depois de ter passado por seis semanas de combates pesados para o avanço dos últimos 11 km através das posições da Linha Bernhardt onde sofreu 16.000 baixas. Eles mal tiveram tempo para preparar o novo ataque, e muito menos de ter o descanso e a reorganização de que eles realmente precisavam, após três meses de combates de atrito no norte de Nápoles. No entanto, porque os chefes do Estado-Maior Aliado só teria barcaças de desembarques disponíveis até o início de fevereiro, o desembarque de Anzio deveria ter ocorrido no final de janeiro com o ataque coordenado na Linha Gustav uns três dias antes.

Primeiro assalto: X Corps à esquerda, 17 de Janeiro de 1944

O primeiro assalto foi realizado em 17 de janeiro. Perto da costa, o X Corpo britânico (56ª e 5ª Divisões) forçou uma travessia do Garigliano (seguido cerca de dois dias depois pela 46ª Divisão britânica, a direita), causando ao General von Senger, comandante do XIV Corpo Panzer alemão e responsável pelas defesas da Linha Gustav na metade sudoeste da linha, alguma preocupação quanto à possibilidade da 94ª Divisão de Infantaria alemã não manter a linha. Respondendo às preocupações de Senger, Kesselring ordenou as 29ª e 90ª Divisões Panzer Grenadier da área de Roma ir prestar reforço. Há alguma especulação sobre o que poderia ter acontecido se tivesse o X Corpo tivesse reservas disponíveis para explorar o seu sucesso e dar um salto decisivo. O corpo não tinha os homens extra, mas havia certamente tempo disponível para alterar o plano de batalha global e cancelar ou modificar o ataque central do II Corpo dos EUA para tornar os homens disponíveis para apoiar os britânicos no sul antes que os reforços alemães fossem capazes de entrar na posição, como de fato aconteceu. Sendo assim o QG do 5ª do Exército deixou de apreciar a fragilidade da posição da Alemanha, e o plano não foi alterado. As duas divisões vindas de Roma chegaram a 21 de janeiro de 1944 e estabilizaram a posição da Alemanha no sul. Em um aspecto, contudo, o plano estava trabalhando contra os alemães, pois forçou que as reservas de Kesselring fossem enviadas para o sul. As três divisões do X Corpo sofreram cerca de  4.000 baixas durante o período da primeira batalha.

Tropas britânicas se movem pelas montanhas perto de Cassino

Ataque principal: II Corpo dos EUA no centro, 20 de Janeiro de 1944

O ataque pelo centro foi realizado pela 36ª Divisão dos EUA e começou três horas depois do sol nascer em 20 de janeiro. A falta de tempo para se preparar significava que a abordagem para o rio ainda era perigosa devido as minas e armadilhas, e a operação altamente técnica da travessia de um rio para uma margem inimiga ficou sem o planejamento e ensaio necessários. Apesar de um batalhão do 143º ter sido capaz de atravesar o Rapido, na zona sul de San Angelo e duas companhias do 141º Regimento fazer a mesma coisa no lado norte, elas foram isoladas na maior parte do tempo, e em nenhum momento os blindados aliados conseguiram atravessar o rio, deixando-os altamente vulneráveis ao contra-ataque dos tanques e canhões autopropulsados do General Rodt da 15ª Divisão Panzer Grenadier. O grupo sul foi forçado a voltar para o outro lado do rio pelo meio da manhã de 21 de janeiro. O Gen. Geoffrey Keyes, comandante do II Corpo, pressionou o General Fred Walker, da 36ª Divisão a renovar o ataque imediatamente. Mais uma vez os dois regimentos atacaram, mas sem sucesso contra a bem entrincheirada 15ª Panzer Grenadier: O 143º Regimento tinha o equivalente a dois batalhões do outro lado do rio, mas mais uma vez não houve apoio blindado, e eles foram devastados quando amanheceu o próximo dia. O 141º Regimento também atravessou com força equivalente a dois batalhões, e apesar da falta de apoio blindado conseguiu avançar 1 km. No entanto, com a vinda da luz do dia, eles também foram cortadas, e na noite de 22 de janeiro o regimento tinha praticamente deixado de existir, com 40 homens conseguindo voltar para as linhas aliadas. O assalto tinha sido um fracasso oneroso, com a 36ª Divisão perdendo 2.100 homens entre mortos, feridos e desaparecidos em 48 horas.

II Corpo tentar pelo norte de Cassino: 24 de janeiro
O próximo ataque foi lançado no dia 24 de janeiro. O II Corpo dos EUA, com a 34 ª Divisão de Infantaria sob o major-general Charles W. Ryder liderou o ataque e as tropas coloniais francesas que estavam no seu flanco direito, lançaram um ataque ao norte do vale inundado do Rapido em Cassino e para as montanhas por detrás com a intenção de então dobrar para a esquerda e atacar Monte Cassino em terreno alto. Embora a tarefa de atravessar o rio fosse mais fácil na medida em que a montante do Rapido Cassino fosse vadeável, as inundações fizeram com que o movimento de aproximação de cada lado fosse muito difícil. Em especial, os blindados só podiam se mover em caminhos estabelecidos com esteiras de aço, e se levou oito dias de combates sangrentos em solo alagado para a 34ª Divisão empurrar para trás a 44ª Divisão de Infantaria do General Franck e se estabelecer nas montanhas.

O Corpo Francês detido no flanco direito
À direita, as tropas marroquinas dos franceses fez um bom progresso inicial contra a 5ª Divisão de Montanha alemã, comandada pelo General Julius Ringel, ganhando posições nas encostas do seu objetivo fundamental, o Monte Cifalco. Unidades da 3ª Divisão argelina também haviam contornado Monte Cifalco para capturar o Monte Belvedere e Colle Abate. O General Juin estava convencido de que Cassino poderia ser contornada e as defesas alemãs desequilibradas por estarota no norte, mas o seu pedido de reserva para manter o ritmo do seu avanço foi recusada o um regimento de reserva disponível (da 36ª Divisão) foi enviado para reforçar a 34ª Divisão. Em 31 de janeiro os franceses tinham um motivo para parar no Monte Cifalco, que tinha uma visão clara flanco francês e americanos e suas linhas de abastecimento, ainda em mãos alemãs. As duas divisões sob comando francês tiveram 2.500 baixas em suas lutas em torno do Monte Belvedere.

II Corpo dos EUA nas montanhas ao norte de Cassino
Tornou-se tarefa da 34ª Divisão (reforçada pelo 142º Regimento da 36ª Divisão) lutar no sul ao longo das colinas ligado cumes de interseção na extremidade sul na colina do Monasterio.. Se bem sucedidos poderiam então romper para baixo no vale do Liri por trás das defesas da Linha Gustav. Foi muito difícil avançar: as montanhas eram rochosas, coberta de pedras e cortadas por ravinas e voçorocas. Cavar trincheiras no terreno rochoso estava fora de questão, e cada movimento era exposto ao fogo, em torno dos pontos altos. As ravinas não eram melhores, longe de dar cobertura, estavam semeadas com minas, armadilhas e arame farpado escondida pelos defensores. Os alemães tiveram três meses para preparar as suas posições defensivas usando dinamite e estocando munição. Não havia abrigo natural, e o clima era úmido e o frio congelante.

Fallschirmjäger luta entre as ruínas. Ele está armado com um fuzil semi-automático alemão FG 42 e granadas Stielhandgranate.

No início de fevereiro, a infantaria americana havia capturado um ponto estratégico, perto da aldeia de San Onofrio, a menos de uma milha da abadia, e um batalhão no dia 7 de fevereiro atingiu o Ponto 445, uma colina imediatamente abaixo do Monastério não mais de 370 m de distância. Uma esquadra americana conseguiu realizar um reconhecimento perto dos muros da abadia, com os monges observando as patrulhas alemãs e americanas trocando tiros. No entanto, as tentativas de tomar Monte Cassino foram impedidas por fogo esmagador fogo de metralhadora vindo das encostas abaixo do Monastério. Apesar de sua luta feroz, a 34ª Divisão nunca conseguiu assumir o Ponto 593 (conhecida pelos alemães como o Monte do Calvário), defendido pelo 3º Batalhão do 2º Regimento de Pára-quedistas alemães, a ponto de dominar o cume para o mosteiro.

Conseqüências
Em 11 de fevereiro de 1944, após um assalto de 3 dias sem sucesso a Colina do Monastério e a cidade de Monte Cassino, os americanos foram retirados. O II Corpo dos EUA, travou duas semanas e meia de uma dura batalha. O desempenho da 34ª foi de bravura apesar de não ter alcançado seus objetivos. As perdas foram de cerca de 80% nos batalhões de infantaria, cerca de 2.200 vítimas.No auge da batalha nos primeiros dias de fevereiro o General von Senger und Etterlin mudara a 90ª Divisão da frente do Garigliano para o norte de Cassino e tinha sido tão alarmado com a dureza dos combates e baixas, que tinha dito "... reuniu todo o peso da minha autoridade para pedir que a batalha de Cassino fosse rompida e que deveríamos ocupar uma linha completamente nova. ... uma posição, de fato, a norte da ponte de Anzio ". Kesselring recusou o seu pedido. No momento crucial von Senger foi capaz de jogar a 71ª Divisão de Infantaria, deixando a 15ª Divisão Panzer Grenadier no lugar.

Durante a batalha houve ocasiões quando, uma utilização mais astuta das reservas, poderia ter se tornado na jogada decisiva. Alguns historiadores sugerem que esta falta de capitalizar o sucesso inicial pode ser atribuída à falta de experiência do General Clark. No entanto, é mais provável que ele só tinha muito a fazer, sendo responsável tanto pelas operações em Cassino e Anzio. Embora o General Alexander tenha escolhido (algo perfeitamente lógico nos argumentos de coordenação) para ter Cassino e Anzio um único comandante de exército e dividindo a frente da Linha entre o 5º Exército dos EUA e o 8ª Exército britânico, Kesselring optou por criar o 14º Exército sob o comando do Gen. Eberhard von Mackensen para lutar em Anzio, deixando a linha Gustav nas mãos exclusiva do 10º Exército do General Heinrich von Vietinghoff's.

As unidades americanas foram retiradas e substituídas pelo Corpo da Nova Zelândia (2ª neo-zelandesa e 4ª Divisão indiana 4) vindas do 8 º Exército britânico na frente do Adriático. Esse Corpo era comandado pelo Tenente-General Bernard Freyberg.

Neozelandeses e hindus

Entre as forças aliadas que atuavam na frente da Itália se destacavam duas unidades integradas no 8º Exército britânico. Eram as duas famosas divisões veteranas da guerra do deserto: a 2ª neozelandesa e a 4a hindu.

O corpo neozelandês constituía não apenas uma divisão, mas uma força expedicionária em miniatura de 25.000 homens. Incluía, além dos corpos combatentes, todos os serviços auxiliares (abastecimentos, comunicações, saúde, etc.). Os neozelandeses tinham como característica principal uma firme consciência do eu valor como soldados. Na realidade, constituíam um verdadeiro corpo de elite, e sua alta capacidade combativa havia sido elogiada até pelos próprios inimigos. Cada homem atuava, no campo de batalha, com a consciência de que representava sua pátria distante. Este fato os levava a rivalizar comas demais unidades de outros países na procura de triunfos importantes e espetaculares. A imprensa da Nova Zelândia mantinha um serviço e informação permanente acerca das atividades da força neozelandesa. O governo, por sua vez velava zelosamente pelo bem-estar das tropas. Os soldados neozelandeses de infantaria possuíam grandes virtudes. Entre os seus maiores admiradores estavam os próprios alemães, que consideravam a presença de unidades neozelandesas numa batalha como uma das mais sérias ameaças.

Muitos dos combatentes neozelandeses eram camponeses, habituados a uma vida independente, e dotados de grande iniciativa pessoal. Homens duros e resistentes, eram o produto da vida simples e não da citadina. Não eram extremamente respeitadores dos regulamentos militares, mas possuíam a disciplina superior do homem forjado na luta contra os elementos, e no desprezo ao perigo.

Um escritor britânico assim os definiu: “A divisão neozelandesa era, no melhor, sentido, uma grande equipe de amadores, um brilhante corpo de civis que aprenderam a arte da guerra pelo caminho mais duro e conseguiram ser os melhores”.

Seu chefe era o homem adequado para dirigir semelhante força. Era o legendário Tenente-General Sir Bernard Freyberg, exemplo típico do soldado de primeira linha, com o corpo coberto de ferimentos e condecorações, ganhas já na Primeira Guerra Mundial. Foi o único brigadeiro da Primeira Guerra que na Segunda, exerceu o comando de uma unidade combatente.

Em oposição aos neozelandeses (“amadores da guerra”), se encontravam os hindus da 4ª Divisão. Estes foram considerados como o exemplo mais perfeito de uma tropa profissional, entre as forças aliadas na Itália. Serviam nessa unidade, integrada totalmente por voluntários, homens provenientes das velhas raças guerreiras da Índia: siks, punjabs, maratas, rajputs e gurcas. Todos se haviam incorporado às fileiras por sua inclinação pela vida militar e pelos eu temperamento guerreiro. Ao contrário dos neozelandeses, britânicos e americanos, que aceitavam a vida militar como uma carga imposta pelas circunstâncias, os hindus a admitiam com alegria e orgulho, felizes de vestir uniformes e aceitar a mais rígida disciplina. Esta disposição dos soldados obrigava os oficiais britânicos que os comandavam a extremar suas virtudes militares. Assim, os oficiais ingleses que serviam no exército da Índia eram considerados como a nata do Exército britânico. Recebiam ordenado mais elevado, e apenas os melhores eram aceitos. A divisão hindu era integrada por três brigadas, cada uma das quais contando com dois batalhões de soldados hindus, e um de soldados britânicos. As qualidades dos combatentes hindus faziam com que os britânicos, que lutavam junto a eles, se esforçassem para igualį-los em bravura e combatividade.

Durante a batalha de Cassino lutaram homens de várias nações, entre eles gurkhas, indianos, neo-zelandeses e britânicos.

Segunda Batalha (Operação Avenger)

Segunda Batalha: plano de ataque
Antecedentes
Com o VI Corpo dos EUA sob grave ameaça em Anzio, Freyberg estava sob pressão para lançar uma ação de alívio em Cassino. Mais uma vez, portanto, a batalha começou sem que os atacantes estivessem totalmente preparados. A 4ª Divisão Indiana tinha alguma experiência em combate nas montanhas devido aos combate na fronteira indiana no Noroeste, durante a Campanha de Karen em 1941 e da Tunísia. Mas não havia treinado e nem estava equipada para as dificuldades que teria que enfrentar em Cassino. Tinha poucas mulas (cerca de 900) e poucos veículos de tração nas quatro rodas. A divisão indiana apesar de seus veteranos, tinha muitos soldados com pouca experiência que se juntaram a divisão para repor suas pesadas baixas nos combates do Norte da África. Mesmo assim era uma unidade altamente motivada.

Os neo-zelandeses eram comandado pelo mais jovem comandante de divisão da Primeira Guerra Mundial, que provavelmente vira mais combates que todos os generais dos dois lados. Era uma unidade militar quase familiar. A organização divisionária era fora do comum, pois tinha duas brigada de infantaria e uma brigada blindada.

O plano de Freyberg era uma continuação da primeira batalha: um ataque a partir do norte ao longo das encostas das montanhas e um ataque a partir do sudeste ao longo da linha férrea para capturar a estação ferroviária através do Rapido a menos de uma milha a sul da cidade de Cassino. Sucesso iria beliscar fora da cidade Cassino e abrir o vale do Liri. No entanto, Freyberg havia informado a seus superiores que ele acreditava que, dadas as circunstâncias, não havia melhor do que 50% de chance de sucesso para a ofensiva.

A destruição da abadia

O avanço sobre Cassino deu lugar a um episódio que originou, na ocasião, ásperas controvérsias: a destruição da Abadia de Monte Cassino. As opiniões de alguns dos protagonistas foram divergentes e podemos comprovar, assim, que o General Mark Clark se opôs sempre ao bombardeio, enquanto o General neozelandês Freyberg foi um decidido partidário do mesmo. Diz Clark, referindo-se ao fato: "Afirmo que o bombardeio da Abadia, localizada no alto de uma colina, o sudeste de Cassino, foi um erro - e faço esta afirmação com pleno conhecimento da controvérsia furiosa travada em torno deste acontecimento... Eu fui um dos comandantes aliados na campanha, e quem exerceu o comando em Cassino, e afirmo que não havia nenhuma evidência de que os alemães estivessem utilizando a Abadia com fins militares... O bombardeio da Abadia não somente foi um erro psicológico desnecessário sob o ponto de vista da propagando, mas também um equívoco tático militar de primeira ordem... O único resultado consistiu em dificultar ainda mais a nossa faina, torná-lo mais onerosa em homens, máquinas e tempo...". O General Freyberg, por sua vez, sustentou a necessidade de bombardear o edifício do mosteiro, dizendo: "Estou certo de que ele [o mosteiro] está na minha lista de objetivos, e de qualquer modo quero que seja bombardeado. Os demais alvos carecem de importância, porém este é vital. O comandante da divisão Incumbida do ataque o considera alvo essencial e eu estou totalmente de acordo com ele".

Um documento firmado pelo velho abade do mosteiro, Gregorio Diamare, a pedido das autoridades alemães, dizia textualmente: "Certifico que é verdade que entre os muros do sagrado mosteiro de Cassino jamais houve soldados alemães; que, durante certo período, somente estiveram de vigia três soldados da polícia militar, com o propósito exclusivo de fazer respeitar a zona de neutralidade estabelecida em redor do convento, porém já se retiraram há uns vinte dias. Monte Cassino, 15 de fevereiro de 1944. (as.) Gregorio Diamare, Bispo-abade de Monte Cassino - Dieber, tenente".

A missão de bombardeio realizada na manhã do dia 15 de fevereiro de 1944 envolveu 142 bombeiros pesados B-17 (fortalezas voadoras), juntamente com 47 bombardeiros médios B-25 Mitchell e 40 bombardeiros médios B-26 Marauder. Eles largaram 1.150 toneladas de explosivos e bombas incendiárias na abadia, reduzindo todo o topo do Monte Cassino, em uma massa de escombros, poeira e fumaça. A artilharia do II Corpo também bateu na montanha. Muitos soldados aliados e correspondentes de guerra, aplaudiram o espetáculo. Clark recusou-se a estar na cena e ficou no QG. Naquela mesma tarde e no dia seguinte, uma barragem agressiva de artilharia lançou mas toneladas de explosivos sobre as ruínas e 59 caças-bombardeiros se lançaram contra o que era a abadia.

O ataque aéreo no entanto, não havia sido coordenado entre os comandos do ar e do solo, com o calendário da Força Aérea, projetando a ação como uma operação separada, considerando o tempo e para montá-la, e atender os requisitos de outras frentes e teatros, e sem referência às forças em terra (na verdade, as tropas indianas na cabeça da serpente foram tomados de surpresa quando o bombardeio começou realmente. O ataque ocorreu dois dias antes do Corpo neozelandês estar pronto para lançar seu ataque principal. Muitas das tropas só tinha assumido suas posições em 13 de fevereiro, e além das dificuldades nas montanhas, os preparativos no vale também havia sofrido dificuldades de abastecimento das tropas recém-instaladas, sem material suficiente para um completo assalto por causa do mau tempo incessantemente, inundações, e terreno alagado.

O mosteiro é destruído pelos Aliados

Após o bombardeio
Pára-quedistas alemães em Monte Cassino
O Papa Pio XII ficou em silêncio após o bombardeio, mas seu secretário de Estado, cardeal Maglione, afirmou sem rodeios ao diplomata sênior dos EUA no Vaticano, Harold Tittmann, que ataque foi "um erro colossal. . . um pedaço de uma estupidez brutal."

O que é certo de todas as investigações que se seguiram desde o evento, é o fato de que civis italianos foram as únicas pessoas morreram no mosteiro pelo bombardeio aliadoseram italianos, quando procuraram refúgio na abadia. Não há provas de que as bombas lançadas sobre o mosteiro de Monte Cassino, matou tropas alemãs. No entanto, dada a imprecisão dos bombardeamentos naqueles dias (estima-se que apenas 10% das bombas dos bombardeiros pesados, bomba de alta altitude, atingiram o mosteiro) bombas caíram em outro lugar e mataram alemães e tropas aliadas também, embora isso não tenha sido intencional. Na verdade, dezesseis bombas caíram a 27 km de Monte Cassino e explodiram em Presenzano a poucos metros do trailer onde o General Clark estava trabalhando em sua mesa.

No dia após o bombardeiro com os primeiros raios de sol, a maioria dos civis que ainda estavam vivos fugiu das ruínas. Apenas cerca de 40 pessoas permaneceram: seis monges que sobreviveram nos recintos profundos do mosteiro, o abade Gregorio Diamare, com seus 79 anos de idade, três famílias rendeiros, crianças órfãs ou abandonadas, os gravemente feridos e moribundos. Depois de barragens de artilharia, bombardeios renovado e ataques ao cume pela 4ª Divisão indiana, os monges decidiram deixar a casa em ruínas, com os outros que podiam se mover às 07:30 de 17 de fevereiro. O velho abade liderou o grupo no caminho de mulas para o Vale do Liri, recitando o Rosário.

Depois de terem chegado ao primeiro posto de socorro alemão, alguns dos gravemente feridos trazidos pelos monges foram levados em uma ambulância militar. Após o encontro com os oficiais alemães, incluindo o comandante do XIV Corpo Panzer, Tenente-General Fridolin von Senger und Etterlin, os monges foram levados para o mosteiro de Santo Anselmo. Um monge, Carlomanno Pellagalli, retornou para o mosteiro, quando mais tarde foi visto vagando pelas ruínas, os pára-quedistas alemão achava que ele era um fantasma. Depois de 3 de abril, ele não foi mais visto.

Os Fallschirmjäger lutaram bravamente entre as ruínas de Cassino

O que é agora conhecido é que os alemães tinham um acordo com os monges de não usar a Abadia para propósitos militares contanto que eles permanecessem. Seguindo a sua destruição, os pára-quedistas da 1ª Divisão de Pára-quedistas alemães ocuparam as ruínas da abadia e a transformaram numa fortaleza e previlegiado posto de observação que se tornou um problema sério para as forças aliadas que atacavam Cassino e resultou num um grande número de mortes adicionais que teriam sido evitadas caso o bombardeiro tivesse sito evitado.

Batalha

Por volta do meio-dia de 15 de fevereiro, após ser concluído o ataque aéreo, a artilharia do V Exército abriu fogo com todas as suas peças. Paralelamente, as tropas iniciaram um lento avanço sobre a cidade. Abrindo o marcha, os efetivos da 6ª Brigada neozelandesa se encaminharam para Cassino.

Os alemães, entretanto, apesar de dizimados pelo bombardeio aéreo e o ataque da artilharia (que havia efetuado cerca de 200.000 disparos em duas horas), ainda não estavam com o moral combativo destruído. A chegado dos efetivos aliados encontrou as escassas forças alemães entrincheiradas e prontas para repelir o ataque.
As ruas da cidade, semeadas de escombros, estavam intransitáveis para os tanques e facilitavam a defesa para os alemães. Quando as forças neozelandesas chegaram a Cassino, depararam com uma inflamada resistência que os defensores ofereciam, escondidos em diversos lugares como sótãos, ruínas e casamatas. A luta se prolongou até as primeiras horas da noite, violenta e sem quartel. Todos os esforços realizados pelos atacantes foram rechaçados, um por um, pelos alemães. Ao cair o noite, uma intensa chuva obrigou os atacantes a paralisar as suas ações, favorecendo assim a resistência, e permitindo aos alemães a reorganização de suas forças.
Finalmente, ao cabo de três dias de intensa luta, três quartas partes da cidade estavam em mãos dos neozelandeses. Porém, a vitória total não parecia próxima.

Na noite do dia do bombardeiro, uma companhia do 1 º Batalhão do Royal Sussex Regiment (um dos elementos britânicos na 4ªa Divisão indiana) atacou a Cota 593 distante 64 m da Cabeça de Cobra. O assalto falhou, com uma taxa de 50% de baixas.

Soldado Gurkha do 1º/5º da 8ª Divisão Indiana em Monte Cassino. Ele está armado com uma submetralhadora Thompson e sua famosa faca Kukri.

Na noite seguinte o Regimento Sussex foi ordenado a atacar com força de um batalhão. Houve um começo desastroso. Artilharia não pudera ser utilizada no apoio direto contra a Cota 593 por causa da proximidade e do risco de atingir as tropas aliadas. Foi planejado, portanto apoio de fogo vindo da Cota 575. A topografia do terreno obrigava que projéteis disparados da 575 a passarem muito baixo ao longo do cume da Cabeça de Cobra, com o perigo de atingir as tropas que aguardavam o assalto. Após a reorganização, o ataque foi marcado para a meia-noite. O combate foi brutal e, muitas vezes corpo a corpo, mas a defesa foi determinada e o batalhão do Sussex foi obrigada a se retirar, mais uma vez houve um índice de 50% de baixas. Durante duas noites, o Regimento Sussex perdeu 12 dos 15 oficiais e 162 dos 313 homens que participaram do ataque.

Na noite de 17 de fevereiro de 1944 o ataque principal foi realizado. O 4/6 Rajputana Rifles assumiria o assalto da Cotao 593 com o enfraquecido Sussex Regiment mantido na reserva para passar por eles e atacar a Cota 444, uma vez que a 593 tenha sido tomada. Entretanto, o 1/2 Gurkha Rifles e o 1/9 Gurkha Rifles foram destacados para varrer as encostas e ravinas em um ataque direto ao mosteiro. Este último foi através de terreno terrível, mas esperava-se que os peritos Gurkhas, do Himalaia e assim acostumados com terreno montanhoso, seriam bem-sucedidos. Isto provou ser uma tênue esperança. Mais uma vez o combate foi brutal, mas nenhum progresso foi feito e pesadas baixas foram sofridas. O Rajputana perdeu 196 oficiais e homens, o 1/9 Gurkhas 149 e o 1/2 Gurkhas 96. Tornou-se claro que o ataque tinha falhado, e no dia 18 de fevereiro o Brigadeiro Dimoline e o General Freyberg cessaram os ataques a colina do Monastério.

Na outra metade do ataque principal as duas principais companhias do 28º Batalhão (maori) da Divisão da Nova Zelândia forçaram uma travessia do Rapido e tentaram ganhar a estação de trem na cidade de Cassino, o que conseguiram, mas fundamentalmente não foram capazes de lançar uma ponte antes do amanhecer e assim ficaram sem apoio dos blindados. Com a ajuda de uma cortina de fumaça constante fornecida pela artilharia Aliada para esconder suas posições da artilharia alemã na Colina do Mosteiro eles foram capazes de manter sua posição durante grande parte do dia. No entanto o seu isolamento e a falta de apoio dos blindados e de armas antitanque no momento do contra-ataque blindado que ocorreu na tarde de 18 de fevereiro fez com que sua situação fosse desesperadora. Eles foram obrigados a recuar para o rio, quando ficou claro para o QG que tanto as tentativas de romper (nas montanhas e ao longo da linha férrea), não teria sucesso. Eles tinham chegado perto. Os alemães tinham ficado bem preocupados com a captura da estação.

Terceira batalha
 
Plano de ataque

Infelizmente para a terceira batalha, foi decidido que, embora o clima de inverno persistisse, forçar a jusante do Rapido na cidade de Cassino era uma opção pouco atraente (depois das experiências nas duas primeiras batalhas). O gancho de direita nas montanhas também tinha sido um fracasso dispendioso, e decidiu-se por lançar dois ataques pelo norte ao longo do vale do Rapido: uma contra a cidade fortificada de Cassino e outro perto do Mosteiro. A idéia era limpar o caminho através do gargalo entre estas duas posições para permitir o acesso a estação, a sul, e, assim, o vale do Liri. A 78 ª Divisão de Infantaria britânica, que chegou no final de fevereiro foi colocada sob o comando do Corpo da Nova Zelândia, e recebeu a missão de atravessar a jusante do Rapido em Cassino e começar a empurrar o avança para Roma.

Nenhum dos comandantes aliados ficaram muito felizes com o plano, mas esperava-se que um ataque com um bombardeio pesado preliminar sem precedentes iria prover um trunfo.  Foram requeridos três dias claros e de tempo bom, mas infelizmente durante vinte um dias sucessivos o ataque foi adiado como as tropas esperando em suas nas posições molhadas e frias por uma previsão de tempo favorável. Também não ajudou a perda do Major-General Kippenberger, comandante da 2ª divisão neozelandesa, ferido por uma mina anti-pessoal e perdendo ambos os pés. Ele foi substituído pelo brigadeiro Graham Parkinson. A boa notícia foi que o contra-ataque alemão em Anzio falhou e foi cancelado.

A batalha
A terceira batalha começou no dia 15 de março de 1944. Depois de um bombardeio de 750 toneladas com bombas de 1.000 libras com detonadores de ação retardada, começando às 08:30 e durando três horas e meia, os neozelandeses avançaram por trás de uma barragem de artilharia de 746 peças de artilharia. O sucesso dependia do aproveitamento do efeito paralisante do bombardeio. No entanto, as defesas inimigas se recuperaram mais rapidamente do que o esperado, e os blindados dos Aliados tiveram dificuldade de avançar devido as crateras das bombas.

 A cidade de Cassino é duramente castigada pela artilharia Aliada

Algum tempo depois a chuva começou a cair. Torrentes de chuva inundaram as crateras de bombas, transformando o entulho em um pântano, destruindo as comunicações, com o rádio incapaz de sobreviver a imersão constante. As nuvens de chuva escuras também apagaram a luz da lua, dificultando a tarefa de limpar as rotas através das ruínas. O ataque a esqueda havia sido paralisado a noite anterior, mas à direita, os neozelandeses capturaram a Colina do Castelo e a Cota 165, e como previsto, os elementos da 4ª Divisão de Infantaria indiana, agora comandada pelo Major-General Alexander Galloway, passara a atacar a Cota 236 e daí até a Cota 435, o Morro da Forca. Na confusão da altitude, uma companhia do 1/9 Gurkha Rifles tinha tomado uma faixa evitando a Cota 236 e capturou a cota 435, enquanto o assalto a Cota 236 pelo 1/6 Rajputana Rifles havia sido repelido.

Ao final do dia 17 de março de 1944 os Gurkhas asseguram o Morro da Forca (Cota 435), a 230 m do mosteiro, com uma força de um batalhão (apesar de suas linhas de abastecimento estarem comprometidas pelas posições alemãs na Cota 236 e na parte norte da cidade), e, embora a cidade ainda estivesse fortemente defendida, unidades da Nova Zelândia e blindados tinham começado a passar através do gargalo e capturado a estação. No entanto, os alemães ainda eram capazes de reforçar suas tropas na cidade e estavam provando serem adeptos para deixarem para trás snipers em partes da cidade, que supostamente havia sido libertada.

Soldados Aliados lutaram entre as ruínas na cidade de Cassino.

No dia 19 de março foi planejado um golpe decisivo a cidade e ao mosteiro, incluindo um ataque surpresa pelos tanques da 20ª Brigada Blindada. No entanto, um inesperado contra-ataque vindo do Mosteiro da Colina do Castelo realizado pela 1ª Divisão de Pára-quedistas alemães interrompeu completamente qualquer possibilidade de um ataque ao Mosteiro do Castelo e ao o uso dos tanques, pois não havia apoio de infantaria. Na cidade os atacantes pouco avançaram e, em geral a iniciativa foi passando para os alemães, cujas posições perto da Colina do Castelo, era a porta de entrada para a posição na Colina do Mosteiro, aleijado qualquer perspectiva de sucesso mais cedo.

Em 20 de Março Freyberg enviou elementos da 78 ª Divisão de Infantaria para a batalha; em primeiro lugar, para proporcionar uma maior presença das tropas na cidade, para que as áreas desmatadas não fossem reinfiltradas pelos alemães, e em segundo lugar para reforçar a Colina do Castelo para permitir que as tropas fossem liberadas para fechar as duas rotas entre a Colina do Castelo e as Cotas 175 e 165 que eram usadas pelos alemães para reforçar as defesas da cidade. Os comandantes aliados sentiram que estavam à beira do sucesso do combate implacável continuou até 21 de março. No entanto, os defensores estavam resolutos e o ataque a Cota 445 para bloquear a via de reforço alemão falhou, enquanto os ganhos aliados na cidade foram medidos apenas casa por casa.

Em 23 de Março Alexander reuniu-se com seus comandantes. Uma gama de opiniões foram expressas quanto à possibilidade de vitória, mas ficou evidente que a Divisão da Nova Zelândia e a Divisão indiana estavam esgotadas, chegando ao fim de suas forças. Freyberg estava convencido de que a batalha não poderia ser mantida com suas tropas nestas condições.

Conseqüências

Os próximos três dias foram para estabilizar a frente, extraindo os Gurkhas isolados no Morro da Forca e do destacamento do 24º Batalhão da Nova Zelândia que detinha a Cota 202, em isolamento semelhante. Os aliado reorganizaram a linha com a esgotada 4ª Divisão indiana e a 2ª Divisão da Nova Zelândia Divisão sendo retiradas e substituídos, respectivamente, nas montanhas pela 78ª Divisão britânica e na cidade pela 1ª Brigada de Guardas (britânica). Em seu tempo na linha de frente de Cassino a 4ª Divisão indiana tinha perdido 3.000 homens e os neozelandeses tiveram 1.600 homens mortos, desaparecidos e feridos. Os defensores alemão também pagaram um preço muito alto. O XIV Corpo em seu Diário de Guerra de 23 de março nota que os batalhões na linha da frente tinha forças variando entre 40 e 120 homens.

Quarta e última Batalha

A Estratégia de Alexander
Estratégia geral de Alexander na Itália foi a de "... forçar o inimigo a comprometer o número máximo de divisões na Itália no momento em que for lançada a invasão pelo Canal."

A Circunstância permitiu-lhe ter tempo para preparar uma grande ofensiva para conseguir isto. Seu plano era transferir a maior parte do 8 º Exército britânico, comandado pelo Tenente-general Oliver Leese, a partir da frente do Adriático em toda a coluna vertebral da Itália para se juntar ao 5º Exército dos EUA e atacar ao longo de km 30 de frente entre Cassino e o mar. O 5º Exército dos EUA (II Corpo dos EUA e Corpo Expedicionário francês) seria lançado no lado esquerdo e 8º Exército (XIII Corpo e II Corpo polonês) à direita. Com a chegada do tempo da primavera, as condições do solo foram melhoradas e seria possível usar grandes formações de blindados de forma eficaz.

Planejamento e preparação
O plano para a Operação Diadem era que o II Corpo dos EUA à esquerda iria atacar a costa ao longo da linha da Rota 7 em direção a Roma. O Corpo francês iria a sua direito e atacaria cruzando a cabeça de ponte no ponte Garigliano criada originalmente pelo X Corpo na primeira batalha em janeiro nas montanhas de Aurunci que formavam uma barreira entre a planície costeira e o Vale do Liri. O XIII Corpo britânico, do lado direito da frente atacaria ao longo do vale do Liri, enquanto do lado direito o II Corpo polonês (3 ª e 5 ª Divisão) comandados pelo Tenente-general Władysław Anders, que tinha substituído a 78ª Divisão nas montanhas atrás de Cassino em 24 de abril, teria de realizar a tarefa que tinha derrotado a 4ª Divisão indiana em 4 de fevereiro, ou seja isolar o Mosteiro por trás e empurrar o avanço no vale do Liri para a ligação com o avanço do XIII Corpo e beliscar a posição de Cassino. Esperava-se que por ser uma força muito maior do que seus antecessores da 4ª Divisão indiana eles seriam capazes de saturar as defesas alemãs, que seriam incapazes de dar apoio de fogo a cada um dos outros flancos. O tempo melhorou, as condições de solo também e havia suprimentos suficientes. Mais uma vez, a manobra de beliscar a posição inimiga realizada pelos poloneses e britânicos era fundamental para o sucesso global. O I Corpo canadense seria mantido na reserva pronto para explorar o avanço esperado. Uma vez que o Décimo Exército alemão tivesse sido derrotado, o VI Corpo dos EUA iria sair da cabeça de ponte de Anzio para cortar os alemães nos montes Alban.

Os grandes movimentos de tropas necessários para esta operação levou dois meses para se executado. Eles tinham que ser realizadas em pequenas unidades de para manter sigilo e surpresa. A 36ª Divisão dos EUA foi enviada para treinar assalto anfíbio, e a sinalização de tráfego rodoviário e as mensagens de rádio foram criados para dar a impressão de que um desembarque marítimo estava sendo planejado para o norte de Roma. Isso foi planejado para manter as reservas alemãs retidas a partir da Linha Gustav. Movimentos de tropas em áreas para a frente se limitaram à noite e as unidades blindadas em movimento da frente do Adriático deixaram para trás tanques e veículos falsos nas áreas desocupadas para que o movimento se parecesse inalterado ao reconhecimento aéreo inimigo. O ardil foi bem sucedido. Ainda no segundo dia da batalha final Cassino, Kesselring estimava que os aliados tinham seis divisões enfrentando suas quatro na frente de Cassino. Na verdade, haviam treze.

Batalha
O primeiro assalto (11 maio - 12 maio) em Cassino teve início às 23:00 com um bombardeio maciço de 1.000 canhões em frente ao 8º Exército e 600 canhões na parte da frente do 5º Exército, operador por britânicos, americanos, poloneses, neozelandeses, sul-africanos, e franceses. Dentro de uma hora e meia, o ataque foi em movimento em todos os quatro setores. A luz do dia o II Corpo dos EUA tinha feito poucos progressos, mas os franceses, tinham atingido os seus objetivos e estavam se movimentando para fora das montanhas Aurunci com o 8º Exército à sua direita, rolando até as posições alemãs entre os dois exércitos.

Fallschirmjäger alemão em Monte Cassino em Maio de 1944. Ele está armado com fuzil semi-automático FG 42, Calibre: 7.92 x 57mm (8 mm). Essa arma tinha um carregador descartável (tipo pente), horizontal com 20 cartuchos escalonados.

Na frente do 8º Exército 8, o XIII Corpo fez dois cruzamentos (realizados pela 4ª Divisão de Infantaria britânica e pela 8ª Divisão indiana) do Rapido com forte oposição. Fundamentalmente, os engenheiros do Dudley Russell da 8ª Divisão indiana pela manhã conseguiram instalar uma ponte no rio que permitiu que os blindados da 1ª Brigada Blindada canadense passasse para o outro lado e fornecesse o elemento vital (perdido pelos norte-americanos na primeira batalha e pelos neozelandeses na segunda batalha) para vencer o inevitável contra-ataque dos tanques alemães que viria. Nas montanhas acima de Cassino, durante três dias de ataques de infantaria polonês se fez pouco progresso e trouxe grandes perdas para ambos os lados; O Col. Heilmann do 4º Regimento de Pára-quedistas alemães chamou a cidade destruida de uma "miniatura de Verdun". Este dia do esforço polonês é uma fonte de orgulho para a nação polonesa.

Na tarde de 12 de maio, as pontes sobre o Rapido foram aumentando, apesar dos furiosos contra-ataques, enquanto o atrito na costa e nas montanhas continuou. Em 13 de Maio a pressão estava começando a dá resultado. A ala direita alemão começou a ceder para o 5º Exército. O Corpo de francês havia capturado Monte Maio e estava agora em condições de dar assistência material ao flanco do 8º Exército contra as reservas que Kesselring havia jogado, a fim de ganhar tempo para mudar a sua posição e preparar uma segunda linha defensiva, a Linha Hitler, cerca de 13 km para trás.

Em 14 de maio os Goumiers marroquinos, viajaram através das montanhas paralela ao vale do Liri, terra que ficou sem defesas, porque não se imaginava ser possível atravessar o terreno, superada a defesa alemão apara ajudar materialmente o XIII Corpo, no vale. Em 1943, as tropas coloniais Goumiers foram formados em quatro grupos de marroquinos Tabors (GTM), cada uma composta de três organizações Tabors (aproximadamente equivalente a um batalhão) especializados em guerra de montanha. O Corpo Expedicionário de Juin consistia de um Comando de marroquinos Goumiers (CGM) (com 1, 3 e 4 GTM) do General Augustin Guillaume, totalizando cerca de 7.800 combatentes, amplamente força de infantaria equivalente a uma divisão, e 4 divisões mais convencionais: a 2ª Divisão de Infantaria maroquina (2 DIM), a 3ª Divisão de Infantaria argelina (3 DIA), a 4 ª Divisão de Montanha marroquina (4 DMM) e a 1ª Divisão da França Livre (1 MS). Em 15 de maio a 78ª Divisão britânica entrou pela linha do XIII Corpo passar a ponte e executar o movimento de viragem para isolar Cassino do vale do Liri. Em 17 de maio a Divisão polonesa renovou seu ataque nas montanhas. Pela madrugada de 18 de maio, a 78ª Divisão britânica e o Corpo polonês tinham feito contato no vale do Liri a 3 km a oeste da cidade de Cassino.

Na madrugada de 18 de maio um grupo de reconhecimento do 12º Regimento Podolian Uhlans polonês encontrou abandonado o mosteiro e criou um improvisado monumento regimental sobre suas ruínas. Os últimos pára-quedistas (diz-se que cerca de 200 no número), com suas linhas de abastecimento ameaçadas pelo avanço até o vale do Liri, retirou-se a noite antes de assumir novas posições defensivas na Linha Hitler. Os remanescentes dos defensores eram um grupo de feridos que estavam demasiadamente doentes para se moverem.

A Linha Hitler
As unidades do 8º Exército avançaram até o vale do Liri e o 5º Exército até a costa para a linha defensiva Hitler (rebatizada de Linha Senger, por insistência de Hitler, a fim de minimizar a importância se fosse penetrada). Um seguimento imediato de assalto fracassou e o 8º Exército, em seguida, decidiu tirar algum tempo para se reorganizar. Passar Getting 20.000 veículos e 2.000 tanques através da Linha Gustav rompida era um trabalho importante e tomou vários dias.

No manhã de 23, a 1ª Divisão de Infantaria canadense (reserva descasada do 8º Exército) realizou a investida principal, enquanto o Corpo polonês, de Anders, se lançava ao ataque mais para o norte. Os canadenses conseguiram abrir passagem através da Linha Adolf Hitler, no mesmo dia. Os alemães, porém, continuaram oferecendo encarniçada resistência ao norte da rota N° 6, que conduzia a Roma. Apesar das grandes baixas sofridas nos combates anteriores, e o esgotamento das unidades, as forças polonesas convergiram para a localidade de Piedimonte, fortemente defendida pelos alemães. Uma violentíssima barreira de artilharia converteu Piedimonte numa massa Informe de escombros. Com tenacidade e obstinação, os alemães não aceitaram a derrota e contra-atacaram furiosamente. Os poloneses, firmes em suas posições, repeliram, uma após outra, as investidas inimigas.

Sargento polonês  da 3ª Divisão polonesa, em maio de 1944, mostra uma bandeira nazista capturada. Ele está armado com um fuzil Lee-Enfield .303 Nº4 Mk 1. Os poloneses usavam uniformes britânicos, e eram diferenciados pelos postos e insígnias próprias dos poloneses e no capacete usavam a águia polonesa.

Em 24 de maio, os canadenses tinham rompido a linha, e a 5ª Divisão blindada canadense passou por essa abertura e se internou profundamente nas linhas inimigas, e se deslocou para o norte de Piedimonte (defendida pela temível 1ª Divisão de Pára-quedistas), ameaçando os alemães com um iminente cerco. Era o dia 25 de maio. A última linha de resistência alemã estava já a ponto de desmoronar.

Os batalhões 13º e 15º, da 5ª Brigada polonesa, atacaram violentamente. O 13º, depois de uma breve e sangrenta luta, apoderou-se da colina 593, que trancava o caminho para Piedimonte. Um grande número de soldados alemães caíram prisioneiros dos poloneses nessa ação. Às sete da manhã, o 15º batalhão, apoiado por tanques, apoderou-se da localidade, aniquilando os seus últimos defensores. O chefe das unidades polonesas de assalto, Tenente-Coronel Bobinski, organizou imediatamente um destacamento de perseguição, para que o avanço prosseguisse e pressionasse sem descanso aos alemães em retirada. Contudo, novos e profundos campos de minas impediam o progresso da unidade. Nessas circunstâncias, quando já todas as forças aliadas completavam a sua penetração na Linha Adolf Hitler, iniciando a marcha para Roma, os forças polonesas foram, finalmente, retiradas da frente e conduzidas à retaguarda, para permitir sua ulterior reorganização.

As unidades de Anders, na sua marcha para a retaguarda, cruzaram a zona onde centenas de seus companheiros haviam tombado: Monte Cassino. As ruínas do mosteiro, no alto da colina, eram um mudo testemunho do seu sacrifício. As duas divisões haviam perdido cerca de mil homens, mortos, e sofrido a baixa de 3.000 feridos. Esse foi o sangrento preço pago pelos poloneses. A expressão do seu sacrifício é dado na inscrição esculpida no monumento funerário que se ergue nas proximidades de Monte Cassino: "Nós, soldados poloneses, pela nossa liberdade e pela vossa, oferecemos nossas almas a Deus, nossos corpos à terra da Itália, e nossos corações à Polônia”.

Assim foi concluída a terrível batalha de Monte Cassino, na qual os soldados aliados e alemães, lutaram com um encarniçamento poucas vezes superado no transcurso da guerra. Um escritor britânico, que combateu em Monte Cassino, como oficial de um regimento de infantaria, assim considerou as causas do fracasso aliado na obtenção de um rompimento rápido das posições alemãs: "Em Cassino, o bombardeio era o único meio possível de infringir um dano real às fortificações, excepcionalmente poderosas, erigidas pelos alemães no povoado. Porém, somente um batalhão de infantaria foi lançado ao ataque, ao se encerrar o bombardeio, nessa primeira e vital jornada. Além disso, quando os tanques de apoio não puderam avançar, ao se verem detidos pelos escombros, enviou-se como reforço uma só companhia de infantaria. Este foi o erro fundamental na condução da batalha durante a primeira jornada. O terreno que poderia ter sido conquistado imediatamente, depois do bombardeio, teve que ser disputado penosamente, mais tarde, metro o metro, depois que os alemães se recuperaram... A outra lição foi que tropas de primeira classe não podem ser vencidas unicamente mediante uma mera chuva de bombas. Os aviões não podem ganhar sozinhos uma batalha terrestre... São os soldados que, em última instância, decidem a luta".

Conseqüências

Anzio
Como os canadenses e poloneses lançaram o ataque em 23 de maio, o general Lucian Truscott, que substituiu o tenente-general John P. Lucas como o comandante do  VI Corpo dos EUA, lançou um ataque em duas vertentes, com cinco divisões (três americanas e duas britânicas), das sete divisões posicionadas em Anzio. O XIV Exército alemão enfrentou esse impulso, sem divisões blindadas porque Kesselring tinha enviado sua reserva blindada para o Sul para ajudar o Décimo Exército na ação em Cassino. A única divisão de blindados, a 26ª Panzer, estava no trânsito a partir do norte de Roma onde havia sido posicionada para enfrentar o falso desembarque Aliados tão bem planejado para enganar os alemães.

Ao 25 de maio, com o Décimo Exército em plena retirada, o VI Corpo foi planejou se dirigir para o leste para cortá-lo por fora. No dia seguinte eles poderiam montar uma linha de recuo e o Décimo Exército Décimo com todas as reservas de Kesselring comprometidos com eles, poderiam ter sido capturadas. Neste ponto, surpreendentemente, o General Mark Clark ordenou a Truscott para mudar sua linha de ataque do nordeste de Valmontone na Rota 6 para noroeste, diretamente para Roma.

As razões para a decisão de Clark não são claras e existe muita controvérsia acerca do assunto. A maioria dos comentaristas apontam para a ambição de Clark para ser o primeiro a chegar em Roma, embora alguns sugerem que ele estava preocupado em dar uma pausa necessária para as suas tropas cansadas (a despeito de que devido a nova direção adotada ter que se travar um ataque frontal contra os alemães instalados em defesas preparadas na linha C de César. Truscott escreveu mais tarde em suas memórias de que Clark "tinha medo de que os britânicos fossem os primeiros em Roma". No entanto, Alexander tinha claramente estabelecidos os limites do 8º Exército antes da batalha, e Roma foi designada ao 5º Exército dos EUA.

O 8º Exército era constantemente lembrado de que seu trabalho foi o de envolver o Décimo, destruir o máximo possível de forças alemãs e desviar de Roma e continuar a perseguição para o norte, o que fizera de fato.

Com a mudança de direção uma oportunidade foi perdida de encurralar sete divisões do Décimo Exército, que assim foram capazes de fazer o seu caminho para a próxima linha de defesa, a Linha Trasimene onde eles foram capazes de articular-se com o XIV Exército e em seguida, fazer uma retirada de combate à formidável para a Linha Gótica ao Norte de Florença. Roma caiu em 4 de junho de 1944, apenas dois dias antes da invasão da Normandia.

 

Fontes:

http://adluna.sites.uol.com.br/400/465.htm

http://www.clubedosgenerais.org/portal/modules.php?name=Conteudo&pid=281

http://br.geocities.com/segundaguemundial/batalhas/montecassino.htm

http://en.wikipedia.org/wiki/Battle_of_Monte_Cassino


O que você achou desta página? Dê a sua opinião, ela é importante para nós.

Assunto: Batalha da Inglaterra