Perfil da Unidade

Commando Hubert


O Commando Hubert (Commando d'Action Sous-Marine Hubert) é uma unidade de MERGULHADORES DE COMBATE (nageurs de combat) da Marinha francesa, subordinado ao COFUSCO e parte do Commandos Marine. A unidade é encarregada de realizar operações especiais de apoio marítimo a Marinha francesa e serviços de inteligência, principalmente para o DGSE (Direction Générale de la Sécurité Extérieure - o serviço secreto francês para operações no estrangeiro).

A unidade foi criada durante a Segunda Guerra Mundial, por Philippe Kieffer como parte dos COMMANDOS Navais franceses. Era especializado no início em operações anfíbias, raids e outras missões de ações diretas. Em 1953 foi convertida para o seu atual papel de unidade de mergulhadores de combate. Nessa altura, a unidade estava estacionado na Argélia e realizou várias operações de combate contra os rebeldes que lutavam pela independência da França. A unidade foi movida depois da sua base de operações na Argélia para a sua atual casa em Toulon no final dos anos 1950.

A unidade foi intensamente envolvida na prestação de apoio às unidades francesas, nas suas diversas intervenções na África. Eles também têm prestado apoio as operações de manutenção da paz das Nações Unidas. Durante a evacuação da OLP de Beirute, no Líbano, o Commando Hubert foi usado para retirar explosivos a partir do casco do navio que iria  transportar Yasser Arafat e realizou também uma varredura de explosivos no porto. O Commnado Hubert também foi envolvido no apoio aos ensaios nucleares franceses no Pacífico Sul. Juntamente com outros comandos, eles têm realizado inúmeras abordagens e interdições de navios. Como parte de seu apoio contínuo para estes testes nucleares, acreditasse que seus mergulhadores foram usados pelo DGSE para plantar explosivos a bordo do navio Rainbow Warrior, que resultam na morte de um dos seus ocupantes.

O Commando Hubert também foi extremamente ativo em ações para testar a segurança das instalações navais francesas, realizando simulações de ataques a navios, plataformas de petróleo, submarinos e instalações de armazenamento de armas nucleares.

Um mergulhador de combate do Commando Hubert se prepara para pousar em pleno oceano. Ela está plenamente equipado.

Seleção

A seleção é feita a partir dos homens que nas unidade do Commando Marinho francês. Os aprovados a seleção vão para a Escola de Mergulho da Marinha francesa localizada em Saint-Mandrier, perto de Toulon. A escola oferece em separado 17 cursos para o pessoal das forças armadas. Os candidatos do Commando Hubert freqüentam o curso de mergulhador de combate.

A primeira fase do curso consiste em atingir a qualificação básica de mergulhador. Esta fase do treinamento é aberto a todos o pessoal naval francês.  A segunda fase da formação é um curso avançado de mergulho e é restrito para mergulhadores de combate. Como pré-requisito para fazer este curso o candidato deve ter a qualificação básica de mergulho e a qualificação de commando. O candidato deve também ter servido a Marinha por pelo menos quatro anos, com pelo menos 6 meses em uma unidade dos commandos navais marinha comando, ele também deve ter uma recomendação de seu comandante.

Todo mês de novembro uma lista com 24 candidatos é apresentada a um júri. Após analisar o serviço de registro dos candidatos, 9/12 homens são selecionados para participar do curso. O curso de 27 semanas é dividido em 3 fases:

  • A primeira fase do programa de formação dura 11 semanas. As primeiras quatro semanas são dedicadas à aprendizagem das competências básicas do mergulho e mergulho com mergulhador. Durante a quinta semana os estudantes aprendem habilidades básicas demolição. Ao longo dos próximos três semanas os alunos são instruídos quanto à utilização de respiradores, navegação debaixo dágua, inserções de cargas debaixa dágua e uso de pequenas embarcações. As últimas três semanas desta fase um consistirá de exercícios de navegação subaquática.

  • A fase dois também dura 11 semanas, e está subdividida em quatro fases. A primeira parte da fase dois dura seis semanas e inclui instruções sobre sabotagem contra transporte marítimo, movimentação de pequenas embarcações, e a utilização de caiaque KLEPPER de dois lugares, e navegação aquática. As últimas duas semanas desta fase consistem em realizar vários exercícios. Durante os exercícios os alunos devem penetrar com êxito nas defesas do porto de Toulon e simular a colocação de cargas nos navios sem serem detectados e escapar com êxito. Para aumentar a dificuldade da tarefa, a tripulação do navio e as forças de segurança do porto são avisadas de um iminente ataque. O segundo exercício consiste em simular um assalto contra a ilha de Porquerolles. Este exercício tem a duração de uma semana. Para completar esta fase os alunos têm de passar um exercício final que combina todas as competências que lhes têm sido ensinadas, o exercício é realizado no Oceano Atlântico, ao longo da costa de Brest.

Mergulhadores de Combate do Hubert se preparam para uma missão de ataque

  • A fase final da instrução dura 5 semanas e se centram na demolição subaquática, limpeza de obstáculo, operações com pára-quedas (principalmente saltos no mar com e sem equipamentos), e de engenharia submarina.  Após a conclusão desta fase os novos mergulhadores são premiados com o Distintivo de Qualificação de Mergulhador de Combate, que consiste de dois cavalos marinhos sobre uma âncora e asas.

Mergulhadores em treinamento

Concluído o curso o novo mergulhador é atribuído ao Comando Hubert para um período inicial de três anos. Durante este período, os mergulhadores farão o curso avançado de mergulho de combate (de seis meses), mestre pára-quedista, e  eventualmente Mestre de Salto curso. Após o período inicial de três anos com a unidade, o mergulhador pode optar por prolongar a sua permanência por mais três anos, tornado-se um instrutor na escola de mergulho, ou freqüentar uma formação complementar.

Atualmente Commando Hubert é composto de 80 homens divididos em duas Companhias. A 1ª Companhia é constituída por 50 homens e está subdividida em quatro seções designadas A, B, C e D:

  • A Seção A é composta de comando e o apoio da secção. Contém o QG da unidade HQ, e as unidades  Hurricane RIBs.

  • A Seção B é responsável pelo contraterrorismo marítimo. É a unidade especializada na realização de abordagens subaquática contra alvos terroristas. Eles realizam operações conjuntas com a unidades do GCMC da Marinha e a seção de mergulhadores do GIGN. No caso de um assalto fcontra um alvo no mar, os mergulhadores da Seção B atuam como guias para a equipe GIGN.

  • A Seção C é responsável pelas embarcações SDV. Os mergulhadores da presente seção recebe treinamento adicional na utilização de SDV's e sua manutenção.

    Homens da Seção C em uma ETRACO (Embarcation de transport rapide pour commandos) Hurricane

     

  • A Seção D contém as unidades de atiradores de elite e experts em armas pesadas.A seção é responsável pela execução reconhecimento das praias, ataques marítimos, demolição subaquática, fornecimento de fogo de apoio pesado e o teste de novos equipamentos para uso pela unidade. Todos os membros da Seção D são ambos pára-quedistas qualificados em saltos HAHO e HALO.

A 2 ª Companhia é uma unidade de apoio composta por 30 homens. Eles estão lotados em uma das equipes da companhia que especializam-se em comunicações, manutenção de SDV, logística, operação e reparação de pequenas embarcações.

O BSNC Poseidon da Marinha francesa

A unidade dispõe também de um navio francês, o Poseidon, reservada para seu uso exclusivo. O navio funciona como uma base de operações flutuantes e como um veículo para inserção de mergulhadores e SDVs.

Armamento e equipamento

Mergulhadores de combate do Commando Hubert saem da água armados com fuzis Sig Sauer 552

Os mergulhadores de combate do Commando Hubert usam uma vasta grama de armamentos franceses e estrangeiros. Eles tem a sua disposição pistolas como a Glock 17, fuzis automáticos, especialmente o Sig-Sauer 552, lançadores de granadas, morteiros leves, minas de casco, etc.

Uma breve lista de algumas armas usadas pelo Commando Hubert:

- Revólver Smith & Wesson 686 Inoxidável
- Pistola Automática Sig P-226
- Pistola Automática Glock 17
- Pistola Automática Pamas G1 da Giat (Beretta licenciadas)
- Pistola Automática HK USP
- Sub-metralhadora HK MP-5, A-5, DS-3 e SD-6
- Fuzil de Assalto HK G-3
- Fuzil de Assalto Sig SG-552
- Fuzil de Assalto FAMAS GIAT
- Fuzil de Assalto Colt M4
- Escopeta Remington 870
- Metralhadora ligeira FN Minimi
- Fuzil de precisão FR-F2 GIAT
- Fuzil de precisão MacMillan M-87
- Fuzil de precisão PGM Hecate II
- Fuzil de precisão Ultima Ratio
- Pistola submarina P-11 HK

Aos membros da unidade é permitida uma grande margem de manobra na sua seleção de equipamento pessoal. Eles tem a sua disposição coletes e capacetes para missões antiterroristas ou também o capacete leve Protec para missões diversas.

Missões do Commando Hubert de 1956-2000 (Em francês):

1956 : Canal de Suez Crise de Suez.  

 

1960 : Paris Protection rapprochée du général de Gaulle par le commando Hubert (jusqu'en 1961).  

 

1968 : Paris Nouvelle intervention à l'Elysée pour protéger le président de la République durant les événements de mai 1968.  

 

1972 : Brest Protection de l'Ile Longue (début de la Force Océanique Stratégique) de 1972 à 1975.  

 

1974 : Canal de Suez Opération Décan 1 au lac Amer ; déminage des sites du 15 novembre 1974 au 25 décembre 1975 

 

1975 : Canal de Suez Opération Décan 2 au lac Amer ; déminage des sites du 8 mars au 11 avril puis du 11 avril au 15 mai.  

 

1980 : Seychelles Mission ...  

 

1982 : Liban Missions Olifant jusqu'en 1986.  

 

1983 : Liban Opération Acanthe. La 2ème cie de combat du 17ème RGP accueille à Beyrouth, de juin à septembre, 2 équipes de nageurs de combat.  

 

1984 : Liban Mission ... du 20 février au 31 mars.  

 

1985 : Mururoa ...  

 

1987 : Seychelles ...  

 

1988 : Nouvelle-Calédonie Opération Victor : Assaut de la grotte d'Ouvéa tenue par des rebelles indépendantistes ayant pris des gendarmes en otage. Opération combinée avec la 2ème cie du 17ème RGP.  

 

1989 :

Comores Opération Oside.
Liban Opérations Basilic, Capselle puis Médor.
Golfe Arabo-Persique Opération Artimon de contrôle de l'embargo envers l'Irak ; implication épisodique jusqu'en 1995.
 

1990 : Liban Opérations Glycine puis Hortensia.  

 

1991 :

Koweït Participation aux opérations menées dans le cadre de la Guerre du Golfe (embargo, déminage, ...).
Liban Opération Badge.
Liban Exfiltration du général Aoun de l'ambassade de France (août).
Somalie Evacuation de ressortissants étrangers.

1992 :

Haïti Reconnaissance de plages et de ports durant la mission Hortensia.
Djibouti Mission Isboukir.
Bosnie Participation du commando de Penfentenyo aux opérations.

Le commando Trépel au Rwanda en 1994, lors de l'opération Turquoise. (photo © Marine nationale)

1993 :

Mer Adriatique Opération de contrôle de l'embargo Balbuzard et Sharp Guard, et de soutien aux forces terrestres engagées en ex-Yougoslavie ; implication épisodique jusqu'en 1996.
Somalie Mission Oryx en effectuée par le commando Jaubert dans le cadre du COS
 

1994 :

Yémen Evacuation des ressortissants occidentaux par le commando de Montfort.
Rwanda Durant l'opération Turquoise, protection des populations civiles assurée par le commando Trépel au sein d'une mission du COS.


1995 :

Mururoa Protection des installations de tir contre Greenpace durant l'opération Nautile.
Comores Mission Azalée menée par le commando Jaubert avec d'autres unités du COS.
 

1996 :

Afghanistan Mission Malebo par le commando de Penfentenyo.
Bosnie Mission Salamandre et IFOR.
ex-Zaïre Mission Badge par le commando Trépel.

1997 :

Albanie Mission Alba pour récupérer des ressortissants et effectuer des reconnaissances de plages par les
Bosnie commandos Jaubert et Hubert.
Congo Mission SFOR par les commandos de Montfort et Hubert.
Sierra Leone Mission Pélican assurée dans le cadre du COS par les commandos de Montfort et Hubert.
Mer du Nord Mission Espadon par le commando de Montfort.
Caraïbes Mission Neptune par le commando de Penfentenyo.
TAAF  Mission Maracudja par le commando Trépel.; Mission TAAF par les commandos de Montfort et de Penfentenyo.  
1998 :

Guinée-Bissau Mission Iroko.
Congo Mission Malachite.  
 

1999 : Macédoine Mission KFOR en Macédoine et au Kosovo.  

 

2000 : Bosnie Capture à Pale, par Hubert et le GCMC, de Momcilo Krajisnik, bras droit de Radovan Karadzic et inculpé par le Tribunal Pénal International de crimes contre l'humanité (3 avril).

 

Décembre 2001 à février 2002 - Mission en Afghanistan
Dans le nord de l'Afghanistan, un élément de liaison et de contact (ELC), composé de commandos-marine des commandos de Montfort et Hubert, a opéré dans le secteur de l'aéroport de Mazar-e-Charif de décembre 2001 à février 2002.

 

 

.

Operadores do Commando Hubert no Afeganistão

 

Com a Guerra ao Terror iniciada Pós-11 de Setembro o Comamndo Hubert viu uma multiplicação de suas ações. Entre dezembro de 2001 e fevereiro de 2002, uma Força Tarefa composta do Commando Hubert, Commandos Marinhos e Commando Montfort operou a partir do aeroporto de Mazar-i-Sharif, no combate a Al-Qaeda e ao Taliban. Os comandos franceses também estão bem ativos no chamado Chifre da África caçando terroristas e coibindo ações de piratas marítimos, especialmente os somalis.

 


O que você achou desta página? Dê a sua opinião, ela é importante para nós.

Assunto: Commando Hubert