Perfil da Unidade

Troupes de Marine - França


As Troupes de Marine, anteriormente Troupes Coloniales, são um braço do Exército francês com uma forte herança colonial. As Troupes de marine têm uma marcante folha de serviços prestados a França em várias missões no exterior. Apesar de seu título eles são parte do Exército francês desde 1958. Eles são muitas vezes chamados de French Marines pela mídia de língua inglesa, embora eles não estejam conectados à infantaria francesa naval, os Marins Fusiliers e Commandos Marine.

 

Corporal-chefe, Infantaria Colonial

Indochina (1950-54). As insígnias do corporal estão em vermelho e ficam sobre um fundo azul marinho e tem uma ancora complementando as mesmas.

Soldados das Troupes de Marine passam mais tempo do seu serviço em missões no exterior, particularmente na África, mais tempo do que outros soldados franceses. As Troupes de Marine incluem infantaria (incluindo unidades de tanques leves e unidades aerotransportadas) e de artilharia.

As Troupes de Marine foram fundadas em 1622 (oficialmente intituladas compagnies ordinaires de la mer) como as forças de terra sob o controle da Marinha, nomeadamente para operações no Canadá francês. As Troupes de Marine foram transferidas para o exército em 1900 e tornaram-se parte das Coloniales Troupes (tropas coloniais). O apelido la Coloniale ou la Colo refere-se a esta herança.

No seu auge, em 1940, as Coloniales Troupes consistiu em nove divisões e várias semi-brigadas que mantinham posições de metralhadoras na Linha Maginot . Eles foram recrutados tanto em França como no exterior.

Com a França despojando-se de suas colônias, o título histórico de Troupes de Marine foi retomado em 4 de maio de 1961. Isso foi depois de um breve período a partir de 1958, quando todos as Coloniales Troupes tinha sido designada como Trupe d 'Outre-Mer (tropas no exterior). Elas se tornaram um componente importante nas forças de intervenção da França.

História

As Troupes de Marine são originárias das Ordinaires compagnies de la mer criadas em 1622 pelo cardeal Richelieu. Essas foram as tropas dedicadas ao combate naval. As colônias francesas estavam sob o controle do Ministère de la Marine (análogo ao Almirantado britânico), por isso usou seus marines para a defesa colonial também.

A pré-revolucionária "infanterie de la marine", era composta por:

"La Marine", formado a partir das "Compagnies Ordinaires de la mer", criado em 1622, mais tarde tornando-se o 11º Regimento de Infantaria de Linha
"Royal-Vaisseaux", criado em 1638, tornou-se o 43º Regimento de Infantaria
"La Couronne", criado em 1643, tornou-se o 45º Regimento de Infantaria
"Royal-Marine", criado 1669, tornou-se o 60º Regimento de Infantaria
"Amirauté", criado em 1669
"Cap", criado em 1766, tornou-se o 106º Regimento de Infantaria
"Pondichéry", criado 1772, tornou-se o 107º Regimento de Infantaria
"Martinica et Guadeloupe", criado em 1772, tornou-se o 109º Regimento de Infantaria
"Port-au-Prince", criado em 1773, tornou-se 110º Regimento de Infantaria

Antes da Primeira República, o Corpo Real de l'infanterie de la Marine havia sido substituído pelo Royal Corps de Canonniers-Matelots em 1 de janeiro de 1786. O Corpo Real de Canonniers-Matelots foi uma primeira tentativa de se usar marinheiros para funções anteriormente feitas pelos marines - soldados especializados em combate naval e anfíbio.

A 21 de fevereiro de 1816 uma ordem real de Luís XVIII restabelecer a L'infanterie de marine autorizando a criação de dois regimentos. A L'infanterie de marine foi aumentada para três regimentos em 1838 e quatro em 1854. O 1º Regimento estava localizado em Cherbourg, o 2º em Brest, o 3º em Rochefort e o 4º em Toulon. Em 1890, a L'infanterie de marine foi aumentada para oito regimentos. A L'artillerie de marine, criada em 1793, foi formada por um único regimento em 1814. Um segundo foi adicionado em 8 de julho de 1893. As batalhas travadas por esses soldados ocorreram na Guerra da Criméia, incluindo Bomarsund (1847) no Báltico, Hoa Ki na China (1860) e México na Batalha de Puebla (1863). Sua batalha mais famosa foi Bazeilles (1870), na Guerra Franco-Prussiana.

As Troupes de Marine lutaram com distinção durante a Guerra Sino-Francesa (agosto 1884 a abril de 1885) e durante o período de hostilidades não declaradas em Tonkin (norte do Vietnã) que a precedeu. Entre junho de 1883 e abril 1886, o Corpo Expedicionário Tonkin incluía batalhões de infantaria e várias baterias de artilharia dos marines. Essas unidades serviram na Campanha de Tay Son (Dezembro de 1883), na Campanha de Bac Ninh (Março de 1884), na captura de Hung Hoa (Abril de 1884), na emboscada de BAC Le (Junho de 1884), na Campanha de Keelung (outubro de 1884 a junho 1885), na Batalha de Yu Oc (Novembro de 1884), na Batalha de Nui Bop (Janeiro de 1885),n a Campanha Sơn Lang (Fevereiro de 1885) e da Campanha de Pescadores (Março de 1885).

Um cadete (normalmente filho de um oficial veterano) recebe instruções de um sargento de um das Compagnies franches de la Marine

em New France, Canada ente 1750-1755

Em março de 1885 os dois batalhões de infantaria da 1ª Brigada do Tenente-Coronel Ange-Laurent Giovanninelli sofreram pesadas baixas na Batalha de Hoa Moc. A vitória francesa em Hoa Moc aliviou o Cerco de Tuyen Quang, e foi comemorado depois, em uma cerimônia anual em Tuyen Quang em que um soldado da Legião Estrangeira Francesa (representando a guarnição sitiada) e um da infantaria marinha (representando a coluna de alívio) solenemente apresentavam as armas no aniversário da liberação do posto francês sitiado.

 

Soldado das Troupes de Marine com uniforme padrão do Exército francês e armado com um  fuzil-automático FAMAS de 5.56 mm. Observe a sua boina azul-marinho, característica destas tropas.

A Marinha francesa em si, devido aos problemas que estava tendo para obter destacamentos de Troupes de Marine junto ao Ministério da Marinha, formou os  fusiliers-marins em 1856. Esses eram foi inicialmente compostos de marinheiros e oficiais da Marinha que passaram por treinamento especial de infantaria, a fim de formar os destacamentos "marines" que serviriam a bordo do navios de guerra da França.

Em 7 de julho de 1900 as Troupes de Marine foram retiradas da responsabilidade do Ministère de la Marine, e transferido para o Ministério da Guerra e adicionado as Troupes Coloniales do Exército francês. Os títulos regimentais mudaram de "Marine" para "Colonial". Os fusiliers-marins permaneceram com a Marinha francesa. As Troupes Coloniale ainda estavam sendo preferencialmente usadas em desembarques anfíbios.

Na I Guerra Mundial durante a Campanha dos Dardanelos, o Corps Expeditionaire d'Orient era formado em mais do que dois terços de Troupes Coloniales incluindo os 4º, 6º, 7º e 8º Regimentos de Infantaria e Artilharia Colonial.

Na Segunda Guerra Mundial, uma unidade Colonial tinha em seu titulo o nome "Marine" - O Bataillon d'Infanterie de Marine du Pacifique (BIMP). Duas divisões das Troupes Coloniales foram treinadas em táticas anfíbias pelos americanos e executaram desembarques anfíbios na Córsega (6ª Divisão Marroquina de Montanha) e em Elba (9ª Divisão de Infantaria Colonial - 9e DIC). Ambas as divisões também desembarcaram no sul da França nos escalões de continuação da Operação Dragão.

Os franceses queriam que os EUA transportassem essas duas divisões para o Pacífico para lutar contra os japoneses e mais tarde retomar Indochina francesa, mas houve problemas em seu transporte. Os paraquedistas marines também participaram como franceses livres do SAS criado por David Stirling, lutando no Norte da África, França e Holanda. Os Troupes de Marine também lutaram nas duras guerra colônias pós-Segunda.

Com a França despojando-se de suas colônias, em 1º de Dezembro de 1958, o título de Troupes d' Outre-Mer (tropas no exterior) substituiu o de
Troupes Coloniales. Finalmente, em 4 de maio de 1961, a designação histórica de
Troupes de Marine foi retomado, desta vez para todos as Troupes Coloniales. Elas se tornaram um componente importante na Força de Intervenção da França.

Em julho de 1963, a 9e Brigade d'Infanterie de Marine (9e BIMa) das Troupes de Marine foi formada como a primeira Força de Intervenção francesa. Ela recebeu a insígnia da 9ª Divisão de Infantaria Colonial (9e DIC), que havia realizado um assalto anfíbio bem sucedido em Elba na Segunda Guerra Mundial. As demais Troupes de Marine no exterior tornaram-se parte das Forces d'outre me.

Em 1964, a Força de Intervenção foi expandidA pela adição de duas brigadas aerotransportadas e uma brigada motorizada, formado na 11 ª Divisão de Intervenção, que se tornou a 11ª Divisão de Pára-quedistas, em 1971.

As Troupes de Marine foram removidas desta divisão em 1976, para formar uma força de intervenção separada, a 9e Brigade d'Infanterie de Marine que foi ampliada em 1º de Janeiro de 1976 para formar a 9e Division d'Infanterie de Marine (9e DIMa). Esta divisão era o componente anfíbia da Força de Intervenção, que foi rebatizado de  Force d'Action Rapide (FAR), em 1983.

Um paraquedista do 3e Régiment de Parachutistes d'Infanterie de Marine - 3e RPIMa ( a esquerda) se posiciona ao lado de soldados dos EUA, Itália e Grã-Bretanha em Beirute em 1983. Eles observam um rojão de fabricação soviética. O pára-quedista francês porta um fuzil-automático FAMAS de 5.56 mm

Por causa de sua herança no exterior e sua utilização na Força de Intervenção, as Troupes de Marine foram em sua maioria formadas por voluntários, pois na França os recrutas são legalmente isentos de servir no exterior. A conversão do Exército francês em uma força profissional de menor porte levou à decisão de reduzi o tamanho da 9e DIMa para o tamanho de uma brigada, e assim em 1º de Julho de 1999 ela tornou-se a 9e Brigade Légère Blindée de Marine.

As tropas de marinha são um dos "armes" (Corpo) do exército francês, que inclui especialidades associadas com outros corpos (artilharia, cavalaria, sinais), mas com especializações anfíbias ou no ar.

Os homens das Troupes de Marine tem uma longa folha de serviços passando por ações no Afeganistão, Albânia, Angola, Camboja, República Centro Africana, Comores, Congo, Costa do Marfim, Djibuti, Ex-Iugoslávia, Gabão, Guiné, Golfo, Kosovo, Curdistão, Líbano, Mauritânia, Níger, Nova Caledônia, Ruanda, Somália, Chade, Timor Leste, Tunísia e Zaire.

FAMAS calibre 5.56mm rifle de assalto automático

Apelidos

Os soldados da
Troupes de Marine são conhecidos em francês como Marsouins (" marsuíno em portugues que é um mamífero cetáceo, semelhante ao delfim ou boto), alegadamente porque, como os golfinhos, eles acompanham os navios, sem realmente fazer parte da tripulação. Os artilheiros marine também Bigors, um apelido, cuja origem é disputada. Poderia vir de bigue dehors que era a ordem dada para carregar as armas de um navio. Ele também pode vir de bigorneau (em referencia ao caramujo), devido a sua resistência e relutância em abandonar suas posições em combate ou porque suas funções normalmente faziam com que eles estivessem presos as rochas costeiras.

Composição
As Troupes de Marine são formadas por tropas das:

  - Infanterie de Marine
       Infantaria
      Cavalaria Ligeira
      Pára-quedistas

  - Artillerie de Marine
     
Artilharia

Uniforme

Os modernos uniformes das Troupes de Marine é o mesmo das outras unidades do Exército francês. As características distintivas são uma âncora de ouro de metal como um emblema sobre a boina azul marinho (os paraquedistas usam boinas vermelhas e seu emblema é um composto de âncora de ouro e de asas de prata da unidades de paraquedistas). É usado tanto na boina ou bordado na parte da frente do kepi.

O uniforme moderno completo inclui um kepi azul escuro, dragonas amarelas com franjas e uma gravata azul-marinho (lenço ao redor do pescoço). Uma faixa vermelha na cintura também é por vezes usada por algumas unidades com parte da história de serviços coloniais na África e Indochina.

Kepi e dragonas tradicionais

O quepe moderno é presenteado aos novos recrutas em uma cerimônia solene. Ele é usado quando outra cobertura não é indicada. É o típico quepe francês a cor azul marinho com a âncora, que é o símbolo das das
Troupes de Marine. Quando não estiver sendo usado o kepi deverá ser posicionado de modo que a âncora esteja sempre visível.

As dragonas "de tradição" são de ouro para os oficiais e sargentos e lã de "narciso" amarelo para outras patentes. Esta cor padrão é derivada das dragonas históricos da infantaria leve Metropolitana.

Os oficiais das
Troupes de Marine "montadas" (aquelas que anteriormente usavam cavalos, e que atualmente usam veículos blindados) tem o privilégio de usar esporas de ouro para determinadas ocasiões. Isso difere da prática habitual da cavalaria francesa de usar esporas de prata. A tradição diz que a rainha Vitória da Inglaterra solicitou esta distinção para as tropas navais do Imperador Napoleão III para homenagear o ramo após a batalha de Balaclava, na Criméia (1854), onde a infantaria marinha salvou as tropas britânicas da destruição.

A boina vermelha

Herdado do SAS britânico a boina vermelha foi dada aos paraquedistas franceses pelo rei George VI. Foi usada oficialmente pela primeira vez no exército francês e pelo 2º e 3º RCP (Regimento de Infantaria Naval) em um desfile em 11 de novembro de 1944. Depois de passar por algumas modificações, a boina vermelha tornou-se a cobertura padrão para todos os soldados paraquedistas franceses em 1957, exceto para os paraquedistas da legião estrangeira que mantiveram as suas boinas verdes.

Soldados do 8e Régiment de Parachutistes d'Infanterie de Marine (8e RPIMa) no Afeganistão.

Eles estavam baseadas na Forward Operating Base (FOB) de Nijrab.

Marsouins, Bigors e Biffins

O apelido usado pelos Marsouins e Bigors para os outros ramos do Exército francês é o Biffins (gíria para ragmen). O nome teve origem no século XIX, quando marinheiros da Frota e de Infantaria Marinha e artilheiros, orgulhosos de sua própria aparência inteligente, acusaram os soldados do Exército de ser desleixados, por comparação. A Legião é dispensada deste apelido, provavelmente refletindo uma relação especial entre Marsouins e legionários.

Tradições

A Festa da Marinha: em nome de Deus, viva os colonos. Esta expressão é acreditado para ter originado com o famoso missionário Charles de Foucauld , que, quando resgatado por tropas coloniais, exclamou: "Em nome de Deus, os grandes colonos!". Cerimônias anuais celebram as tropas navais tem lugar em 31 de agosto e 01 de setembro - aniversário da Divisão Azul. Em 31 de agosto todos os destacamentos desfilam em Fréjus, onde o Museu da Tropas Navais está localizado. Veteranos em 1 de Setembro realizar uma cerimônia em Bazeilles nas Ardenas.

Localização

Esta unidade possuem várias especialidades: infantaria, artilharia, cavalaria (blindados), pára-quedismo e comunicações. Estas especialidades, formam braços separados do resto do exército.

Unidades atuais

França metropolitana:

 

Insígnia da boina do 1er RPIMa

Régiment de Marche du Tchad (RMT) em Meyenheim (infantaria mecanizada)
Régiment d'infanterie-chars de marine em Poitiers (blindados leves)
1er Régiment de Parachutistes d'Infanterie de Marine (1er RPIMA) em Bayonne (commandos pára-quedistas)
3e Régiment de Parachutistes d'Infanterie de Marine (3e RPIMa) em Carcassonne (infantaria pára-quedistas)
8e Régiment de Parachutistes d'Infanterie de Marine (8e RPIMa) em Castres (infantaria pára-quedistas)
1er Régiment d'Infanterie de Marine (1er RIMa) em Angoulême (blindados leves)

2e Régiment d'Infanterie de Marine (2e RIMa) em Le Mans (infantaria)
3e Régiment d'Infanterie de Marine (3e RIMa) em Vannes (infantaria)
21e Régiment d'Infanterie de Marine (21e RIMa) em Fréjus (infantaria)
1er Régiment d'Artillerie de Marine (1er RAMa) em Laon (artilharia)
3e Régiment d'Artillerie de Marine (3e RAMa) em Canjuers (artilharia)
11e Régiment d'Artillerie de Marine (11e RAMa) em Saint-Aubin-du-Cormier (artilharia)

No exterior:
2e Régiment de Parachutistes d'Infanterie de Marine (2e RPIMa) em Pierrefonds (Réunion) (pára-quedistas)
5e Régiment interarmes d'outre-mer (5e RIAOM) em Djibouti
6e Bataillon d'Infanterie de Marine (6e BIMa) em Libreville (Gabão)
9e Régiment d'Infanterie de Marine (9e RIMa) em Caiena (Guiana Francesa) (infantaria)
33e Régiment d'Infanterie de Marine (33e RIMa) em Fort-de-France (Martinica)
Régiment d'Infanterie de Marine du Pacifique - Nouvelle Calédonie (RIMaP-NC) em Nouméa Nova Caledônia (infantaria)
Régiment d'Infanterie de Marine du Pacifique - Polynésie (RIMaP-P) em Papeete
23e Bataillon d'Infanterie de Marine (23e BIMa) em Dakar (Senegal)
41e Bataillon d'Infanterie de Marine (41e BIMa) em Pointe-à-Pitre (Guadeloupe)
43e Bataillon d'Infanterie de Marine (43e BIMa) em Port-Bouet (Costa do Marfim)

Commandement des Opérations Spéciales - COS

O COS é a organização militar francesa que coordena a utilização das forças especiais francesas de todos os ramos militares (Exército, Marinha e Força Aérea). Seria o equivalente francês ao USSOCOM dos EUA. O COS foi criado em 24 de junho de 1992, após a Guerra do Golfo. Seu papel é o de orientar e coordenar as missões das unidades de forças especiais francesas e dessas com outras forças aliadas. As forças especiais da França estão permanentemente sob o comando direto do COS e estão imediatamente disponível para a ação. Entra as unidades do Exército francês que fazem parte do COS está o 1er Régiment de Parachutistes d'Infanterie de Marine.

Os valores das Troupes de Marine

Formada inicialmente para guarnecer o exterior, as Troupes de Marine adquiriram uma cultura aberta. Além disso, as missões estrangeiras têm exigido que a arma venha a abranger áreas de especialidades variadas (infantaria, blindados, apoio de fogo, paraquedistas, comunicações, etc) e isto reforça uma longa história de profissionalização.

Soldados do 3e Regiment de Parachutistes d'Infanterie de Marine (3e RPIMa). Eles estão estacionados em Carcassonne. Aqui vemos um líder de seção, seu operador de rádio e dois atiradores de elite com seus rifes de FR F2. Todos usam uniforme padrão do Exército francês e a boina vermelha das Troupes de Marine

Transcendendo o conceito de dominar as técnicas militares, essas tropas busca a união em torno de um único símbolo, a âncora de ouro, marca de um estilo único, cujas características principais são:
- Uma irmandade de irmãos de armas, mantendo de forma simples as relações humanas entre camaradas de armas;
- A capacidade de se adaptar às situações mais inusitadas, um produto de um verdadeiro estilo de vida, cheio de histórias e experiências operacionais;
- O "humanismo militar", perpetuando a cultura dos outros, incluindo a capacidade de fazer contatos com as populações mais diversas para ganhar sua confiança.

Estes valores elevados firmam a identidade e dão sentido ao compromisso dos Marsouin e Bigord, sempre com sua vocação natural de Troupes de Marine servindo a França em qualquer lugar.

Homens do  1er Régiment de Parachutistes d'Infanterie de Marine pertencentes ao Commandement des Opérations Spéciales (COS). Aqui eles participam de um treinamento aeromóvel com helicópteros Puma. Eles estão usando as famosas balaclavas francesas.

Fontes:

http://en.wikipedia.org/wiki/Troupes_de_marine

http://fr.wikipedia.org/wiki/Troupes_de_marine

http://le.cos.free.fr/cos.htm

http://vk.com/military_and_police

http://vk.com/album-30272167_146083274 - SAS

 

*


Free web templates by Nuvio – Our tip: Webdesign, Webhosting