OVERLORD - DIA D - NORMANDIA (FRANÇA) - 1944

3 - O INIMIGO




 

Fonte: http://www.t2w.com.br/img.asp?img=images/DeutscheOberKommando.jpg

O número de forças militares à disposição da Alemanha nazista alcançou seu ápice durante 1944. Tanques na frente oriental chegaram a 5.202 em novembro de 1944, enquanto o total de aeronaves no inventário da Luftwaffe chegou a 5.041 em dezembro de 1944. Antes do Dia-D foram estacionadas 157 divisões alemãs na União Soviética, 6 na Finlândia, 12 na Noruega, 6 na Dinamarca, 9 na Alemanha, 21 nos Bálcãs, 26 na Itália e 59 na França, Bélgica e os Países Baixos. Porém, estes números não representam a total realidade, pois nem todas as divisões estavam completas. Registros alemães indicam que o complemento de pessoal estava na faixa de 50% na primavera de 1944.

Posições do Exército alemão na França em 1944

Soldado alemão da 352ª Divisão de infantaria na Normandia em junho de 1944.

Na véspera do DIA "D", o Feldmarechal von Rundstedt era o Comandante-Chefe do Oeste, com dois Grupo de Exército o "B" e o "G", que  totalizavam 60 divisões, uma delas, a 19ª Divisão Panzer (Blindada), reequipando-se depois do sério castigo sofrido na Frente Oriental, e outra nas ilhas do Canal, reduziam o efetivo total a 58 divisões.

O Feldmarechal Rommel que depois do colapso de Afrika Korps foi encarregado em 1943 de fortalecer a "Muralha do Atlântico" que ia da Dinamarca até a fronteira da Espanha. Pouco depois Rommel assume o comando do Grupo de Exército "B".

De todas as as divisões de Rundstedt , 31 estavam presas a "papéis estáticos" e 27, incluindo 10 divisões blindadas, eram tão móveis quanto o permitiam as suspeitas de Führer e os recursos disponíveis. Elas estavam situadas desde a Holanda até as costas do Atlântico e do Mediterrâneo: 5 divisões na Holanda, no 88.° Corpo, incluindo a 19ª Panzer, que estava incapacitada; 19 no Passo de Calais, entre o Escalda e o Sena; 18 entre o Sena e o Loire. O restante estava ao sul do Loire.

No seu Grupo de Exércitos "B", Rommel tinha 43 Divisões, do total geral das 60; o 88.° Corpo estava na Holanda, o poderoso 15.° Exército estava no Passo de Calais e o 7.° Exército estava na Normandia. O 15.° Exército, comandado por Von Saimuth, estava virtualmente retido nas suas posições, sobretudo pela incapacidade do espírito militar alemão de se livrar de uma idéia preconcebida. Os aliados fizeram o máximo para alimentar a ilusão.

Na véspera do DIA "D", Rommel conseguira melhorar e fortalecer as disposições do 7.° Exército, comandado por Dollman e que, segundo acreditava, teria de travar a batalha decisiva nas praias e que englobava o LXXXIV Corpo.

O QG do LXXXIV Corpo alemão estava sediado próximo de Saint Ló. Era comandado pelo General Erich Marcks, um homem alto e de aparência sábia que perdera uma perna na Rússia.

Pode-se levantar a dúvida se as forças alemãs na área escolhida para o desembarque aliado eram suficientes para repelir os invasores para o mar. As 352ª e 716ª Divisões de Infantaria estavam nas suas trincheiras e "ninhos" de resistência ao longo da costa de Calvados, desde o rio Vire até o Orne.

No flanco alemão esquerdo, a 91ª Divisão, com o 6.° Regimento de Pára-quedistas sob seu comando, protegia o flanco esquerdo da 352ª Divisão na área do Carentan. A 709ª Divisão protegia a linha costeira oriental da Península de Cherburgo. Atrás das suas posições do flanco direito, que os aliados conheciam pelo nome-código de praia "Utah".

Os extensos pântanos e áreas alagadiças que acompanhavam os cursos dos rios Dives e Merderet desde Carentan até lê Port-Brehay, eram considerados como protetores da retaguarda e obstáculos às saídas da praia. A 243ª Divisão, na península, estava de frente para oeste. Do flanco direito alemão, a 711ª Divisão, comandando um regimento da 346ª Divisão, protegia a costa desde o rio Orne até o Estuário do Sena, do lado oposto a Lê Havre.

Rommel inspeciona posições da Muralha Atlântica.

Obstáculos

Alguns dos elementos distribuídos no litoral, com o intuito de impedir a aproximação das barcaças inimigas eram os seguintes:

1. Estacas enterradas no fundo, equipadas com minas antitanque na extremidade superior.

2. Tetraedros de cimento, equipados com minas ou lâminas de aço.

3. Obstáculos antitanque convencionais.

4. Minas idealizadas por Rommel, chamadas "quebra-nozes", consistentes em uma estaca com base de cimento, em cujo interior se ocultava um projétil pesado. A embarcação que tocasse com seu casco a estaca, provocava a explosão do projétil, pela percussão da estaca com a espoleta.

5. Refletores que iluminariam as zonas atacadas.

A reserva do Grupo de Exército B

A reserva do Grupo de Exército B era a 21ª Divisão Panzer (Major General Edgar Feuchtinger) foi desdobrada perto de Caen como uma notável força móvel. Porém, Rommel a colocou perto das defesas do litoral que, debaixo das ordens pré-estabelecidas, em caso de invasão, vários de suas unidades de infantaria e defesa aérea ficariam debaixo das ordens das divisões da fortaleza costeira, reduzindo assim a força efetiva da 21 ª Divisão. As outras duas divisões blindadas que Rommel tinha controle operacional, a 2ª Divisão Panzer e a 116ª Divisão Panzer, foram desdobradas para perto dos Passo de Calais conforme a visão alemã de o local de desembarque seria ali. Nenhuma foi movida de suas posições pelo menos quatorze dias depois da invasão.

Posição da artilharia alemã na Normandia

Áreas Divisionais

716ª Divisão de Infantaria (Estática): Defendeu a extremidade oriental das zonas de aterrissagem, incluindo a maioria das praias britânicas e canadenses. Esta divisão, como também a 709º Divisão de Infantaria (Estática), incluindo alemães que não eram considerados aptos para frente oriental, normalmente por razões médicas, e várias outras nacionalidades como poloneses alistados e antigos prisioneiros de guerra soviéticos que tinham concordado em lutar ao lados dos alemães em lugar de suportar as condições severas de um campo nazista de prisioneiros de guerra.

352ª Divisão de Infantaria: Defendeu a área aproximadamente entre Bayeux e Carentan, inclusive a praia de Omaha. Ao contrário das outras divisões, suas tropas eram bem treinadas e contiveram muitos veteranos de combate. A divisão tinha sido formada em novembro de 1943 com componentes da 321ª Divisão que tinha sido destruída na União Soviética no mesmo ano. A 352º tinha muitas tropas que tinham visto ação na frente oriental e tinha levado a cabo várias exercícios anti-invasão.

91ª Divisão Aerotransportada (Luftlande. aeretransportada) (Major General Wilhelm Falley): Incluía o 1057º Regimento de Infantaria e o 1058º Regimento de Infantaria. Esta era uma divisão de infantaria regular, treinada e equipada para ser transportada via aérea (i.e. artilharia transportável, poucas armas de apoio pesadas) situada no interior da Península de Cotentin, inclusive as zonas de salto dos pára-quedas americanas. A ela foi anexado o 6º Regimento de Pára-quedas (Oberstleutnant Friedrich August Freiherr von der Heydte) que tinha sido reconstruído como uma parte da 2ª Divisão de Pára-quedas estacionada na Bretanha. A 91ª tinham treinamento especial para agir como força anti-assalto-aeroterrestre.

709ª Divisão de Infantaria (Estática) (Generalleutnant Karl-Wilhelm von Schlieben): Incluía o 729º Regimento de Infantaria, 739º Regimento de Infantaria (ambos com quatro batalhões, mas os 729º 4º e o 739º 1º e 4º Ost (unidade formada por estrangeiros do leste - Ost em alemão significa Leste), estes dois regimentos não tinham nenhuma companhia de apoio regimental) e o 919º Regimento de Infantaria. Esta divisão de defesa do litoral protegia a costa oriental e norte (incluindo Cherbourg) da Península de Cotentin, inclusive a prais de Utah. Como a 716º, esta divisão incluía várias unidades "Ost".

Os alemães reforçaram suas tropas na Normandia com muitos "voluntários" de regiões do leste europeu, unidades Ost,
 como esses homens da Legião Georgiana. Essas tropas não eram confiáveis e sempre que podiam se rendiam imediatamente. A Legião Georgiana era uma legião militar étnica da Wehrmacht formada por emigrantes georgianos que foram forçados a deixar sua terra natal depois da ocupação soviética da República Democrática da Geórgia em 1921. A Legião Georgiana recebeu voluntários do Exército Vermelho capturados pelos alemães. Pelo menos 30.000 georgianos serviram a Alemanha nazista. Servindo em 13 batalhões de campo, cada um com 5 companhias de até 800 homens. Georgianos também foram encontrados na Legião Caucasiana e em outras legiões étnicas caucasianas. A Legião Georgiana foi comandada pelo Major General Shalva Maglakelidze. Por toda a Europa, especialmente na Itália e França, muitos soldados georgianos fugiram e se uniram aos movimentos de resistência.

Portanto, as 709ª, 352ª e 716ª Divisões (estáticas) de Infantaria enfrentariam os assaltos aliados nas praias de nome-código "Utah", "Omaha", "Gold", "Juno" e "Sword". Contra a vontade de Von Rundstedt, Rommel conseguira trazer a 21ª Divisão Panzer para a área de Caen, pronta para atacar o flanco esquerdo aliado.

Áreas divisionais adjacentes
Outras divisões ocuparam as áreas ao redor das zonas de aterrissagem, incluindo:

  • 243ª Divisão de Infantaria (Estática) (Generalleutnant Heinz Hellmich): Incluía o 920º Regimento de Infantaria (dois batalhões), 921º Regimento de Infantaria e 922º Regimento de Infantaria. Esta divisão de defesa do litoral protegeu a costa ocidental da Península de Cotentin.
  • 711ª Divisão de Infantaria (Estática): Incluía o 731º Regimento de Infantaria, e o 744º Regimento de Infantaria. Esta divisão defendeu a parte ocidental dos Pays de Caux.
  • 30ª Brigada Móvel (Oberstleutnant Freiherr von und zu Aufsess): Incluindo três batalhões de bicicleta.

Reserva Blindada
As medidas defensivas de Rommel também foram frustradas por uma disputa em cima da doutrina do uso dos blindados. Além dos dois grupos de exército, von Rundstedt também comandava o QG do Panzer Grupo Oeste sob o comando do General Leo Geyr von Schweppenburg (normalmente chamado von Geyr). Esta formação era nominalmente um QG administrativo para as formações móveis e blindadas de von Rundstedt, mas foi renomeado para Quinto Exército Panzer. Von Geyr e Rommel discordaram sobre o desenvolvimento e uso das divisões de Panzer em caso de invasão.

Rommel defendia a idéia de que os Aliados possuíam superioridade aérea e poderiam impedir as manobras alemãs. Ele propôs então que as formações blindadas fossem desdobradas perto das praias de invasão. Nas palavras dele, era melhor ter uma divisão Panzer que perto da praia no primeiro dia, do que três divisões Panzer três dias depois quando os Aliados já teriam estabelecido uma cabeça de praia firme. Von Geyr defendia a doutrina padrão das formações Panzer, que dizia que as formações blindadas deveriam ser concentradas em uma posição central ao redor de Paris e Rouen e desdobradas massivamente em um contra-ataque à principal cabeça de praia Aliada quando este tivesse sido identificada.

 

Jovem granadeiro da 12a Divisão Panzer SSHitlerjugend” na Normandia em Junho de 1944. ele está usando um uniforme camuflado italiano.

O argumento foi levado eventualmente depois para Hitler decidir. Ele impôs uma solução de acordo caracteristicamente inexecutável. Foram dadas só três divisões Panzer a Rommel, muito pouco para cobrir todos os setores ameaçados. O resto, nominalmente debaixo do controle de Von Geyr, foi designado de fato como estando na  "Reserva do OKW." Foram desdobradas só três destas divisões o próximo o bastante para intervir imediatamente contra qualquer invasão no norte da França, outras quatro estavam espalhadas no sul da França e nos Países Baixos. Hitler reservou a ele a autoridade de mover as divisões da Reserva da OKW e as lançar em combate. No dia 6 de junho, muitos comandantes  de unidades Panzer ficaram incapazes de movimento porque Hitler não tinha dado a autorização necessária, ele estava dormindo e o seu pessoal se recusou a despertá-lo com as notícias da invasão.

Reserva do OKW (Oberkommando der Wehrmacht - Alto Comando da Wehrmacht ou Alto comando das Forças Armadas)
As outras divisões blindadas e mecanizadas capazes de intervir na Normandia estavam sob o controle direto do OKW e foram negadas inicialmente a Rommel. Foram desdobradas quatro divisões para Normandia dentro de sete dias da invasão:

  • 12º SS Panzer Divisão Hitlerjugend (Brigadeführer Fritz Witt): Estacionada ao sudeste da área de invasão. Seus oficiais e suboficiais (esta divisão tinha um núcleo muito fraco de suboficiais na Normandia com ligeiramente mais que 50% de sua força autorizada) eram veteranos de muitas combates, mas todos os soldados eram extremamente jovens sido recrutados diretamente do movimento da juventude hitlerista e tinham a idade média de 17 anos em 1943. Ela adquirir uma reputação de ferocidade e crimes de guerra nas batalhas que se envolveu.
  • Panzerlehrdivision (Major General Fritz Bayerlein): Mais adiante para o sudoeste estava esta divisão, que era uma unidade de elite originalmente formada pelo junção de pessoal altamente qualificado das unidades de treinamento panzer. Não só seu pessoal era de excelente qualidade, mas a divisão também tinha um número acima da média de bons veículos blindados.
  • 1º SS Panzer Divisão Leibstandarte SS Adolf Hitler-1LSSAH: Estava posicionada na Bélgica na fronteira com os Países Baixos depois que foi dizimada na Frente Oriental.
  • 17º SS Panzergrenadier Divisão Götz von Berlichingen (Major General Werner Ostendorff): Estava baseada em Thouars, sul do Rio Loire, e embora equipada com armas de assalto em vez de tanques e necessitada de transporte (um batalhão dos regimentos 37º e 38º Regimentos Panzergrenadier usavam bicicletas para se locomoverem), proveu o primeiro grande contra-ataque contra o avanço americano em Carentan no dia 13 de junho.
  • Três outras divisões (a 2ª Divisão SS Das Reich que estava se restabelecendo em Montauban, no sul da França; a  9º divisão SS Panzer Hohenstaufen e 10º Divisão SS Panzer Frundsberg que estavam em trânsito vindas da Frente Oriental no dia 6 de junho), foram enviadas para lutar ao redor da Normandia vinte e um dias depois dos primeiros desembarques. Mais uma divisão blindada (a 9ª Divisão Panzer) só viu ação depois da saída americana da cabeça-de-praia. Duas outras divisões blindadas que tinham estado no oeste no dia 6 de junho (a 11ª Divisão Panzer e a 19ª Divisão Panzer) não viram ação na Normandia.

As três divisões blindadas, 12ª, 116ª e Panzer Lehr, a reserva do Grupo de Exércitos "C", capaz de desfechar pesado golpe, estavam no retângulo Mantes-Gassi Court, Chartres, Bernay, Gacé, com a 116ª avançada. Mas os temores de von Rundstedt, Guderian e von Geyr haviam colocado a força sob o comando do OKW, sujeito à vontade de Hitler. Assim, o resultado do dia da decisão estava nas mãos das baterias costeiras e das três divisões entrincheiradas ao  longo da costa normanda, com a 91ª Divisão e seu regimento de pára-quedistas à esquerda e a 21ª Panzer à direita. 

Enquanto Rommel, no desejo natural de controlar inteiramente a batalha que seus exércitos deviam travar, estava numa posição comparável à de Montgomery, a posição de von Rundstedt não era, de modo algum, comparável à de Eisenhower. Von Rundstedt não só estava privado do controle total das suas forças de terra, como também era obrigado a "solicitar" apoio aéreo e naval quando viesse a precisar dele. Não existia dispositivo para o planejamento vasos em condições de operar. Quanto ao resto, ele pôde reunir 2 torpedeiros, 31 vedetas-torpedeiras e um punhado de barcos de patrulha e caça-minas. Além disso, 15 dos menores submarinos em portos atlânticos seriam postos à sua disposição, mas não estavam sob seu comando. Em conclusão, mesmo essa pequena "frota" era virtualmente incapaz de fazer-se ao mar.

Pz.Kpfw V Panther Ausf. A da 12a Divisão Panzer SSHitlerjugend” na Normandia em Junho de 1944

A 3ª Força Aérea alemã, comandada pelo General Hugo Sperrie, estava igualmente destroçada. Obrigado a usar pilotos pouco treinados, sua eficiência, mesmo considerando seus pequenos efetivos, era medíocre e ela estava constantemente assediada em terra e no ar. No começo de junho de 1944, a 3ª Força Aérea reunia cerca de 400 aviões "teoricamente" em condições de operar. Também teoricamente, esses aviões foram divididos entre as 4ª e 5.ª Divisões de Caça, sob o comando do 2.° Corpo de Caça. Os que estavam sob o comando da 4ª Divisão tinham a tarefa prioritária de interceptar os bombardeiros aliados que rumavam para o Reich, mas poderiam ser desviados em caso de desembarques de tropa de assalto aliados.

Concluindo, nem o 2.° Corpo Aéreo nem suas Divisões dispunham de aviões para se fazerem presentes no DIA "D". A maior parte das prometidas "Brigadas Aéreas" de Caças que viriam da Alemanha não foi recebida. Poucos pilotos conheciam a França e poucos sabiam ler mapas. O Chefe do Estado-Maior do 2.° Corpo calculou que não tinha mais de 50 aviões sob seu comando. Na verdade a Luftwaffe dispunha de um total de 172 caças, 88 bombardeiros, 159 caça-bombardeiros e aparelhos de reconhecimento. Eram, ao todo, 419 aviões.

Além das unidades Fallschirmjäger, a Luftwaffe também possuía na Normandia tropas de infantaria formadas por pessoal de campo e ex-tripulações sem aeronaves. Sua qualidade era questionável e elas não estavam posicionadas diretamente na frente dos desembarques, mas seriam engajadas em combates posteriores na Normandia.

As forças navais alemães na zona da invasão estavam integradas pelas seguintes unidades: 3 destróieres, 4 torpedeiros, 36 lanchas rápidas, 37 submarinos e perto de 50 embarcações auxiliares.

 

Homens da 16ª Divisão de Campo da Luftwaffe em combate na Normandia, nos dias posteriores ao Dia-D. Em junho de 1944 esta divisão foi enviada para Normandia como parte do Grupo de Exército B e foi enviada para a linha de frente no dia 2 de julho. Lutou contra os britânicos e foi destruída em Caen. Estas divisões eram muito mais fracas que as suas irmãs do Exército, pois tinham apenas 4 batalhões de "caçadores" ("jäger"), 1 batalhão anti-tanque e 1 batalhão de artilharia. Contudo, essas "divisões" eram formadas por pessoal excedente das tripulações de terra da Luftwaffe e não tinham qualquer treinamento de campanha. Seu armamento era de todas as procedências possíveis (inclusive francês, tcheco e russo) e seu comando era totalmente inexperiente. Ao todo, foram formadas 21 dessas unidades, que tinham por missão manter linhas defensivas em frentes calmas.  Mas acabaram sendo enviadas para a frente russas onde foram aniquiladas. Por fim, em novembro de 1943, elas foram oficialmente transferidas para o Exército e totalmente reorganizadas. Passaram a ser chamadas "Divisões de Campanha da Luftwaffe", tinham 3 regimentos a 2 batalhões, 1 regimento de artilharia a 3 batalhões, 1 batalhão anti-tanque, 1 batalhão de canhões de assalto, 1 batalhão de reconhecimento ("fusilier") e 1 batalhão de pioneiros. Ao todo, 18 divisões foram assim reorganizadas, melhorando seu desempenho em combate. Contudo, a maré da guerra virara contra os alemães e, uma a uma, foram todas dizimadas (exceto a 14ª, que ficou na Noruega).  A maioria foi aniquilada ou dissolvida, com seu pessoal transferido para outras unidades.

Assim, os aliados ocidentais não podiam ser desafiados no mar ou no ar, e Rommel tinha poucas ilusões quanto à sua tarefa. Num sentido, ela era simples: os exércitos alemães no Oeste, incessantemente atacados pelo ar, carecendo de treinamento e transportes essenciais, sendo de má qualidade e privados dos seus "olhos" e "ouvidos" pela destruição das suas instalações de radar, estavam sozinhos, à espera.

Durante quase dois meses, o Feldmarechal Rommel dedicou suas enormes energias à tarefa de reforçar as defesas costeiras desde Cherburgo até o Somme, dando tanta atenção quanto possível aos problemas da Normandia.

Influenciado por um profundo pessimismo, livre das limitações do pensamento militar ortodoxo que moldara a mente de von Rundstedt e da escola mais antiga, talvez mesmo sabendo subconscientemente que não poderia haver nenhuma transigência para com a Alemanha enquanto esta fosse de Hitler, ele sabia que o inimigo devia ser derrotado nas praias. 

Talvez Rommel tivesse preferido uma batalha de manobra. Mas sabia que era tarde demais e que tudo estava perdido. Portanto, não havia lugar para a crença de von Rundstedt de que os aliados pretendiam primeiro fortalecer sua posição depois é que a batalha da Normandia seria travada. 

Em maio, o reconhecimento aéreo alemão atingiu diversas vezes a costa sul da Inglaterra. Não obstante, a 4 de junho o Almirante Krancke duvidava "que o inimigo já tivesse reunido a frota necessária para a invasão".

No dia seguinte, o Grupo B do Exército, sem nenhuma informação nova, mas notando a concentração de bombardeiros aliados entre Dieppe e Dunquerque, considerava que tudo apontava para "o ponto focal previamente presumido do desembarque principal" (Passo de Calais). "Por hora", escreveu von Rundstedt no mesmo dia, "não existe perspectiva imediata de invasão". Rommel deixou seu quartel-general para passar uma noite com a família, a caminho de uma visita a Hitler. Assim, na véspera do Dia D, os alemães tinham a guarda abaixada, o tempo sobre o Canal da Mancha era péssimo e as oito divisões aliadas ansiavam por entrar em ação. 

Se as unidades alemãs destacadas para guardar a Normandia não conseguissem deter e destruir os aliados nos baixios e nas praias, o destino da Alemanha nazista estaria selado e os dias subseqüen

tes moldariam o futuro da Europa.

Cena do filme O Resgate do Soldado Ryan - Soldados alemães operando a mortífera metralhadora MG42

As divisões alemãs

Divisões Panzer: Uma Divisão Panzer em 1939 era composta basicamente por uma brigada panzer e uma brigada de infantaria blindada, além de 1 batalhão de reconhecimento blindado (carros blindados e motocicletas), 1 regimento de artilharia (com pelo menos 2 grupos de artilharia), 1 batalhão de engenharia de combate ("pioneiros") e 1 batalhão anti-tanque. A brigada, na organização alemã, normalmente englobava 2 regimentos a 3 batalhões cada. Contudo, nas primeiras divisões Panzer, a brigada Panzer contava com 2 regimentos a 2 batalhões, totalizando 4 batalhões blindados (cerca de 400 tanques). A brigada de infantaria blindada contava apenas com 1 regimento (exceto na 5ª Divisão, que tinha 2) a 2 batalhões, sempre que possível transportados em veículos blindados de meia-lagarta. Após o sucesso na campanha polonesa, deu-se um impulso na expansão da arma Panzer, com a criação de outras 4 divisões (6ª à 9ª). Com essas 10 divisões, a Alemanha conquistou a França. A composição das divisões para essa campanha variava de uma para a outra (algumas tinham apenas 1 regimento Panzer, ao invés da brigada), mas grandes modificações ocorreriam durante os preparativos para a invasão da Rússia. O número de divisões foi dobrado, com a criação das divisões 11ª a 20ª, com a ressalva de que agora todas contavam apenas com 1 Regimento Panzer (totalizando, em teoria, de 150 a 200 tanques) e 2 regimentos de infantaria blindada (foi extinta a brigada), embora muitas vezes só houvesse veículos blindados suficientes para 1 batalhão. O regimento de artilharia passou também a contar com canhões autopropulsados. Essa organização praticamente não sofreu mais alterações até o fim da guerra. O Exército alemão criaria ainda as divisões Panzer 21ª a 27ª, 116ª, 233ª, Lehr (de “Demonstração”), Clausewitz e Gross Deutschland (Grande Alemanha). Com o sucesso das divisões Panzer, outros braços armados do Reich decidiram criar suas próprias: as SS criariam 7 (1ª, 2ª, 3ª, 5ª, 9ª, 10ª e 12ª) e a Luftwaffe criaria a Divisão Panzer Hermann Goering. Consideradas "de elite", essas divisões foram organizadas mais ou menos como descrito acima, embora costumassem ser mais fortes (alguns regimentos de infantaria blindada tinham 3 batalhões) e com mais batalhões a elas anexados. Além disso, tinham prioridade e preferência no recebimento de equipamentos, suprimentos e recompletamentos.

Divisões Ligeiras: A fim de competir com a expansão da arma blindada dentro do Exército alemão, a tradicional cavalaria alemã decidiu modernizar-se, mecanizando parcialmente seus elementos, daí surgindo as "Divisões Ligeiras". Foram organizadas 5 (1ª à 5ª), compostas por 1ou 2 regimentos de "cavalaria motorizada" (na verdade, lutando como infantes), 1 batalhão Panzer, 1 batalhão de reconhecimento (motociclistas), 1 regimento de artilharia e 1 batalhão antitanque. Após a campanha da Polônia, as 4 primeiras foram convertidas a Panzer, sendo rebatizadas, respectivamente, 6ª à 9ª Panzer. A 5ª Divisão Ligeira foi criada em 18/02/41 para compor o Afrika Korps (o Corpo África alemão) e sua composição era improvisada: 1 regimento Panzer, 1 regimento de infantaria, 2 batalhões de metralhadoras, 1 batalhão de reconhecimento, 2 batalhões anti-tanque e 1 batalhão de artilharia. Em 01/08/41, ela foi reorganizada e rebatizada 21ª Divisão Panzer.

Divisão de Cavalaria: O Exército alemão teve uma única divisão de cavalaria convencional, a 1ª, criada a 25/10/39, composta por uma brigada de cavalaria, 1 batalhão de motociclistas e 1 regimento de artilharia. Após a invasão da Rússia, ela foi retirada e reorganizada como 24ª Divisão Panzer. Porém, as Waffen-SS criaram 4 dessas divisões (8ª, 22ª, 33ª e 37ª).

Divisões de Infantaria (Granadeiros): Na nomenclatura militar alemã, o título "Granadeiro" era uma honraria dada às tropas de infantaria que se destacassem. Contudo, Hitler estendeu esse título honorífico a todas as unidades de infantaria do Exército alemão. Portanto, doravante usaremos ambos os termos indistintamente. Essa é a unidade básica de qualquer Exército. A composição e a finalidade dessas divisões variou enormemente durante a guerra e no Exército alemão elas são uma complicação à parte. Inicialmente, temos as Divisões de Campanha, as de Reserva, as de Guarnição, as de Segurança, as de Fortificação e as de Caçadores (Jäger). As divisões de campanha compunham-se de 3 regimentos a 3 batalhões, 1 regimento de artilharia a 4 batalhões (grupos), 1 batalhão de reconhecimento, 1 batalhão anti-tanque e 1 batalhão de pioneiros. Em 1943, em face das terríveis perdas sofridas na frente russa, os alemães alteraram essa estrutura, surgindo as divisões "Tipo 44". Agora, cada regimento tinha apenas 2 batalhões de granadeiros. Em 1945, foi estabelecida a divisão "Tipo 45", que diferia da "44" pelo equipamento: os canhões anti-tanque de 75 mm foram substituídos por "Panzerschrecke" e um batalhão de artilharia de 105 mm foi substituído por um de 75 mm. Em 1944, após o desastre na Normandia, os alemães criaram as divisões "Volksgrenadier" (Granadeiros do Povo), que eram parecidas com as "Tipo 44", mas diferiam delas em equipamento, tendo uma dotação de "Panzerschrecke" maior e um batalhão de artilharia de 75 mm substituindo um de 105 mm. Além disso, a maioria de seu pessoal era de jovens abaixo de 18 anos e homens mais velhos. Contudo, até o fim da guerra existiram divisões do tipo pré-guerra: a 26ª Divisão (que recebeu o título "Volksgrenadier" como uma honraria, pois não era organizada como tal), durante a Batalha das Ardenas, tinha o excessivo efetivo de 17.000 homens (quando uma "Volksgrenadier" normal tinha uns 10.000). O Exército alemão tinha uma peculiar estrutura de recrutamento e treinamento de seus infantes. O "candidato" inicialmente ia para uma unidade "Ersatz" (Recrutas), onde recebia seu treinamento inicial; em seguida, ia para uma unidade "Feldausbildung" (Treinamento de Campanha), onde ele tinha seu treinamento em condições de combate muitas vezes próximo às linhas de frente; freqüentemente, essas unidades eram desmembradas ou mesmo enviadas inteiras para a frente numa emergência. Destinavam-se a prover as unidades de campanha com recompletamentos já ambientados e preparados para ação imediata e sua estrutura não era fixa, variando conforme as necessidades. Havia ainda as Divisões de Reserva, unidades criadas como divisões comuns, mas completamente formadas por recrutas, fazendo todo o seu treinamento como uma divisão completa. Uma vez completado o seu treinamento, ela era "promovida" a divisão de campanha (não apenas de granadeiros). Contudo, muitas vezes, em emergências, elas foram empregadas em linha. Outras vezes, elas eram mescladas com divisões destroçadas para criar novas unidades.

Divisões Motorizadas: Para penetrar profundamente em território inimigo, as divisões Panzer não podiam diluir seu poderio guarnecendo os seus flancos expostos. Essa tarefa cabia à infantaria motorizada, que seguia a marcha veloz dos Panzer. Elas nada mais eram que divisões de infantaria comuns, equipadas com caminhões, motocicletas ou veículos de meia-lagarta.O Exército alemão chegaria a contar com 11 divisões de infantaria motorizada. Em 1943, elas foram rebatizadas "Panzergrenadier" (Granadeiros Blindados) e reorganizadas.

Divisões Panzergrenadier: As divisões de Panzergrenadier surgiram de uma situação estratégica nova na guerra. Ora, a Alemanha em 1943 passara à defensiva na maioria dos teatros e, embora os princípios da "Blitzkrieg" continuassem válidos, não havia divisões Panzer suficientes, nem recompletamentos para manter todas em condições ideais (especialmente após Kursk), para atender a todas as frentes. Por outro lado, alguns tanques apoiando a infantaria seriam suficientes para escorar uma linha defensiva. Portanto, as divisões de infantaria motorizada foram convertidas em fracas divisões Panzer, pelo acréscimo de um batalhão de tanques. As novas divisões passaram a ter apenas 2 regimentos (a 3 batalhões), 1 regimento de artilharia, 1 batalhão Panzer e/ou 1 batalhão de canhões de assalto. As Waffen-SS chegaram a criar 8 delas (4ª, 11ª, 16ª, 17ª, 18ª, 23ª, 32ª e 38ª). 

Divisões de "Caçadores": Inicialmente chamadas "Ligeiras" (não confundir com as divisões da cavalaria mecanizada), essas divisões destinavam-se a combater em região montanhosa, mas sem necessidade de serem plenamente equipadas como uma divisão de montanha. Ao começar a guerra, havia 4 delas (28ª, 97ª, 100ª e 101ª), formadas por 3 regimentos a 3 batalhões, 1 regimento de artilharia a 4 batalhões, 1 batalhão de ciclistas, 1 batalhão anti-tanque e 1 batalhão de pioneiros. O título "Jäger" (Caçador) foi introduzido em junho de 1942. Com o correr da guerra, também elas sofreram redução de efetivo, contando agora apenas 2 regimentos a 3 batalhões e a extinção de um dos batalhões de artilharia.

Divisões Pára-Quedistas: As unidades aeroterrestres na Alemanha pertenciam à Luftwaffe (Força Aérea alemã) e não ao Heer (Exército). Contudo, sua organização não era em nada diferente de uma divisão de infantaria comum: consistia normalmente de 3 regimentos a 3 batalhões, 1 batalhão de artilharia, 1 batalhão anti-tanque e 1 batalhão de pioneiros. A Alemanha chegou a criar, "no papel", 11 divisões PQD, embora as divisões 10ª e 11ª fossem amontoados de remanescentes e apenas a 1ª (ex-7ª Aérea) tenha chegado a saltar em combate (na Bélgica, Holanda, Grécia e Creta). A partir de 1944, nem sequer tinham treinamento de salto.

Divisão Aerotransportada: Com o intuito de apoiar as unidades pára-quedistas da Luftwaffe, o Exército alemão efetivou a 22ª Divisão Aerotransportada, organizada com 3 regimentos a 3 batalhões, 1 regimento de artilharia a 3 batalhões, 1 batalhão anti-tanque, 1 batalhão de pioneiros e 1 batalhão de reconhecimento. Sua tarefa era sertransportada por aviões para a área já controlada pelos pára-quedistas e apoiá-los. Participou, nessa tarefa, da invasão da Holanda.

Divisões da Luftwaffe: Disposto a preservar uma posição importante na hierarquia nazista, Hermann Goering decidiu formar um exército particular, criando as divisões de infantaria da Luftwaffe. Contudo, eram muito mais fracas que as suas irmãs do Exército, pois tinham apenas 4 batalhões de "caçadores" ("jäger"), 1 batalhão anti-tanque e 1 batalhão de artilharia. Contudo, essas "divisões" eram formadas por pessoal excedente das tripulações de terra da Luftwaffe e não tinham qualquer treinamento de campanha. Seu armamento era de todas as procedências possíveis (inclusive francês, tcheco e russo) e seu comando era totalmente inexperiente. Ao todo, foram formadas 21 dessas unidades, que tinham por missão manter linhas defensivas em frentes calmas. Mas acabaram mandadas para a frente russa durante as grandes ofensivas soviéticas do inverno 1942/43 e duas delas (7ª e 8ª) chegaram mesmo a participar do ataque para libertar Stalingrado! Onde quer que fossem empregadas, demonstravam incompetência e sofriam pesadas baixas. Por fim, em novembro de 1943, elas foram oficialmente transferidas para o Exército e totalmente reorganizadas. Passaram a ser chamadas "Divisões de Campanha da Luftwaffe", tinham 3 regimentos a 2 batalhões, 1 regimento de artilharia a 3 batalhões, 1 batalhão anti-tanque, 1 batalhão de canhões de assalto, 1 batalhão de reconhecimento ("fusilier") e 1 batalhão de pioneiros. Ao todo, 18 divisões foram assim reorganizadas, melhorando seu desempenho em combate. Contudo, a maré da guerra virara contra os alemães e, uma a uma, foram todas dizimadas (exceto a 14ª, que ficou na Noruega). A maioria foi aniquilada ou dissolvida, com seu pessoal transferido para outras unidades.

Divisões de Guarnição: Após a campanha da França, os alemães decidiram criar as "Divisões de Guarnição" para ocupar suas conquistas. Essas unidades contavam com 3 regimentos a 3 batalhões e 1 regimento de artilharia a 3 batalhões. O destaque nessas unidades é que elas eram quase completamente equipadas com material francês capturado. A maioria acabou "promovida" a divisão de campanha e enviada para a frente russa. A única exceção foi a 319ª Divisão, uma unidade afortunada, que guarneceu as ilhas do canal da Mancha até o fim da guerra. As Divisões de Segurança eram unidades destinadas a proteger a retaguarda dos exércitos alemães contra as ações dos guerrilheiros. Elas começaram a se fazer necessárias a partir de 1941 e foram criadas tanto na frente russa quanto na França, além de muitos regimentos de segurança independentes. Normalmente eram compostas exclusivamente por infantes (em geral, 2 regimentos a 3 batalhões, mas isso variava muito), não tendo dotação regular de artilharia ou engenharia de combate. Apesar disso, costumava se servir de material capturado (carros blindados, canhões, etc.) e foram as primeiras unidades do exército alemão a aceitar voluntários russos. O destino dessas unidades costumava ser inglório: ou eram desesperadamente postas em linha diante de uma penetração inimiga (como foi o caso da 201ª Divisão de Segurança, aniquilada durante a "Operação Bagration") ou eram dissolvidas para fornecer recompletamentos para unidades de campanha. 

Divisões de Fortificação: Essas eram formações destinadas a defender um determinado ponto "até o último homem" e, portanto, não tinham necessidade nenhuma de mobilidade. Da mesma forma, seu efetivo e composição variavam muito, em função do objetivo a defender. Normalmente recebiam batalhões de metralhadoras como unidades anexadas e seu pessoal costumava ser de homens de idade mais avançada ou de estrangeiros. Basicamente, compunham-se de 2 ou 3 regimentos de fortificação e 1 regimento de artilharia (nas unidades destinadas ao litoral, essa artilharia era de costa). Embora não recebessem a designação "Fortaleza", as divisões da série "700" foram criadas com essa função, embora algumas fossem depois convertidas a divisões de campanha. As divisões 709ª, 711ª e 716ª lutaram na Normandia, sendo a primeira e a última aniquiladas nessa campanha.

Divisões de Montanha: Essas unidades eram organizadas, equipadas e treinadas para atuar em região de montanha. Ao começar a guerra, a Alemanha contava com 3 dessas divisões, organizadas com 3 regimentos de 3 batalhões (exceto a 3ª, que só tinha 2 regimentos), 1 regimento de artilharia de montanha a 4 grupos (batalhões), 1 batalhão anti-tanque, 1 batalhão de pioneiros e 1 batalhão de reconhecimento. Ao longo da guerra, mais 7 dessas unidades foram criadas (4ª, 5ª, 6ª, 7ª, 8ª (ex-157ª), 9ª e 188ª), agora todas reorganizadas com apenas 2 regimentos a 3 batalhões (demais unidades, como acima), exceto a 188ª, que tinha 4 regimentos e não tinha o batalhão anti-tanque nem o de reconhecimento. As Waffen-SS chegaram a criar 6 delas (6ª, 7ª, 13ª, 21ª, 23ª (essas duas acabaram dissolvidas) e 24ª). 

Divisão de Esquiadores: Face às peculiaridades da guerra de inverno na frente russa, os alemães criaram a 1ª Divisão de Esquiadores. Foi criada a 02/06/44 e continha: 2 regimentos de esquiadores a 3 batalhões, 1 batalhão de reconhecimento, 1 regimento de artilharia com 3 grupos, 1 batalhão anti-tanque, 1 batalhão de artilharia de apoio e 1 batalhão de pioneiros. 

Divisões Navais: Em fevereiro de 1945, com a guerra chegando ao fim, foram criadas as divisões navais, unidades que empregavam o pessoal naval agora ocioso. Contavam com 3 regimentos a 2 batalhões, 1 regimento de artilharia, 1 batalhão de reconhecimento, 1 batalhão antitanque e 1 batalhão de pioneiros. A composição podia variar ligeiramente, mas o mais certo é que não passavam de unidades improvisadas, formadas no caos e desespero dos últimos meses da guerra.

Divisões de Artilharia: Embora não fosse prática no Exército alemão ativar divisões de artilharia, algumas foram localmente organizadas por comandos de Grupos-de-Exércitos. Normalmente não passavam de comandos unificados para vários batalhões de artilharia independentes. A única exceção foi a 18ª Divisão de Artilharia, criada a 01/10/43, que compunha-se de 3 regimentos a 3 batalhões de artilharia, 1 batalhão de artilharia anti-aérea e 1 batalhão de infantaria. Contudo, a experiência não parece ter dado certo, pois a divisão foi dissolvida em menos de um ano, a 27/08/44.

O Exército alemão criaria ainda uma miríade de unidades dos mais variados tipos e tamanhos, mas, a nível de divisão, o que está dito acima basta para se ter uma boa idéia da composição dessas unidades. Contudo, é importante observar que o fato de um determinado regimento ou batalhão ser identificado como pertencente a uma divisão não significa que isso seja verdade em qualquer momento da guerra, nem que uma determinada divisão tenha lutado por toda a guerra com a mesma denominação. Era prática na Alemanha que, sempre que uma nova divisão era criada, um regimento de uma divisão já existente era retirado dela para dar à nova divisão um núcleo de veteranos. Da mesma forma, uma divisão podia ser modificada em sua composição e em sua finalidade ao longo da guerra (por exemplo, a 4ª Divisão de Infantaria foi transformada em 18ª Divisão Panzer em 08/40, com partes da 14ª DI; ela então tinha 2 regimentos Panzer (18º e 28º), que foram minguando até só restar 1 batalhão; em 09/43, ela foi reestruturada como 18ª Divisão de Artilharia, sendo afinal dissolvida). O regimento de infantaria Gross Deutschland foi transformado em Divisão de Infantaria Gross Deutschland em maio de 1942; em maio de 1943 foi "promovida" a Panzergrenadier, mas, como ela recebeu um regimento Panzer inteiro a 2 batalhões (e o 1º era equipado com Panteras), ela era, de fato, uma divisão Panzer. A 1ª Divisão SS em Kursk tinha um regimento panzer completo, reforçado com uma companhia de Tigres; e mesmo assim, era chamada então "Panzergrenadier". A 91ª Divisão de Infantaria tinha uma organização normal do Exército, mas recebeu o título "Luftwaffelande". Ela seria uma divisão especialmente treinada para combater pára-quedistas inimigos (?), mas foi destruída na Normandia pelas tropas aeroterrestres americanas. A 21ª Divisão Panzer, enquanto atuou na África do Norte, compunha-se dos regimentos 5º Panzer e 47º e 104º Panzergrenadier; quando foi reconstituída após a sua destruição em maio de 1943, ela passou a ser composta pelos regimentos 100º Panzer e 125º e 192º Panzergrenadier. Sendo assim, é necessário cuidado na hora de definir a composição de uma divisão, pois ela podia variar muito. 

Fonte das divisões: Clube Somnium

FUNÇÕES DO SOLDADO DE INFANTARIA ALEMÃO AO NÍVEL DE GRUPO (GRUPPE=PELOTÃO) DE COMBATE, 1940-1945

Gruppenführer
(chefe de grupo)

Equipamento: Pistola-metralhadora (MP 40), dois porta-carregadores com três carregadores cada, clip para enchimento de carregadores, binóculos, apito de sinais, lanterna, óculos de sol, porta mapas com alicate para arame, compasso, bússola de bolso e lápis.
O chefe de grupo é o primeiro elemento e líder do seu grupo de combate. Ele segue na frente dos seus homens.
É responsável por:

1) Levar a cabo a sua missão de combate;
2)Comandar o fogo da IMG e se possivel o dos Gewehrschützen (soldados).
3)Garantir a boa condição e operacionalidade das armas, munições e equipamentos do seu pelotão.

1. MG Schütze
IMG: Soldado 1

Equipamento: Metralhadora-ligeira (MG34/MG42), carregador de tambor (patronentrommel 34 com 75 munições, 7.92mm), pistola, estojo de ferramentas da MG, cobertura em lona p/ MG, óculos de sol e lanterna. O Schütze 1 ou Richtschütze (atirador de MG) é responsável por:

1) Disparar a metralhadora-ligeira;
2) Fazer a manutenção da IMG.

O Richtschütze é o chefe da IMG Trupp na ausência do Gruppenführer ou do Truppführer.

2 IMG Schütze
IMG soldado 2

Equipamento: Pistola, porta-canos com 1 cano de reserva, 4 carregadores de tambor, (um com munição perfurante-contra-blindagem), correia de transporte da MG, pá de combate, óculos de sol, uma cx de munições (300 balas), ou uma cx porta tambores com 4 carregadores de tambor. Ele é nomeado como "Zwo" ("Zwo" é uma corrupção da palavra "Zwei" ou dois em Alemão). O soldado 2 é o assistente do atirador da MG, ou Richtschütze. Ele garante o fornecimento de munições e auxilia no posicionamento da MG. Em situação de combate permanece deitado a esquerda do atirador da MG ou alguns passos atrás em total cobertura. Permanece sempre a postos para auxiliar o atirador, e a ocupar o seu lugar se for necessário. Se a situação o exigir, torna-se num combatente de proximidade. É responsável por:

1) Fornecer carregadores cheios;
2) Auxiliar a colocar a MG em posição de fogo;
3) Recarregar os tambores vazios e cintas com balas soltas da cx de munições;
4) Ajudar a eliminar avarias do mecanismo, mudar o cano da MG, colocar o bipod/tripod;
5) Ajudar na manutenção da MG.

O soldado 2 recebe caixas de munições cheias do soldado 3, quando a sua fica vazia.

3 MG Schütze-(Munitionschütze)
IMG soldado 3

Equipamento: Porta-canos com um cano de reserva, duas caixas de munições com 300 balas cada, pá de combate, espingarda K-98k, dependendo do manual que se consulta pode utilizar uma pistola. O Schütze 3 é o soldado encarregue das munições da MG. Em combate posiciona-se deitado atrás da MG em total cobertura. É responsável por:

1) Fornecer munições;
2) Recarregar tambores e fitas vazias com as balas soltas das caixas de munições;
3) Verificar se ficam munições ou outro equipamento esquecido no terreno, quando se efectuam mudanças de posição;
4) Examinar as munições que vão ser utilizadas;
5) Se a situação o exigir pode ser utilizado como atirador independente (K 98k).

Gewerschützen
Soldados 4-9 (K-98k)

Equipamento: (por cada soldado) espingarda K-98k, dois portas carregadores com três clips cada, pá de combate. Quando ordenado: granadas de mão, granadas de fumo, cargas explosivas, munições de reserva, tripod AA da MG. Estes soldados de infantaria são por natureza empregues no combate de proximidade, utilizando espingardas (com ou sem baioneta),carabinas, e espingardas de assalto. O soldado de maior patente entre estes, é o Truppführer.

Truppführer

Equipamento: Igual ao dos Gewehrschützen. Pode utilizar outro equipamento (ex. MP 40, StG 44, pistola de sinais...) se ordenado pelo Comandante da Companhia. É responsável por:

1) Manter a solidariedade entre todos no pelotão (garante que ninguém fica para trás;
2) Supervisiona o cunprimento de todas as ordens;
3) Mantém o contacto com o "leader" do pelotão, e com outros grupos de combate em acção na mesma área;
4) Requesitar e distribuir granadas de mão e outros explosivos.

O Truppführer vulgarmente comanda em batalha a Schützentrupp do gruppe, quando esta não e comandada pelo "leader" do pelotão. O Truppführer é o "braço direito" do Gruppenführer; como tal torna-se sem nomeação o "leader" do pelotão se o Gruppenführer ficar fora de acção ou ausentar-se do pelotão.


Fontes:
"The German Squad in Combat". US Military Intelligence Service-Janeiro de 1943.

Fotos da Muralha Atlântica

Fontes: Clube SOMNIUM


Free web templates by Nuvio – Our tip: Webdesign, Webhosting