Perfil da Unidade

Forças de Operações Especiais - Rússia


Spetsnaz é um termo geral para "forças especiais" em russo, literalmente "unidades para fins especiais". Em russo, o termo é usado normalmente para designar forças especiais de qualquer país, mas em outros idiomas é usado exclusivamente para as forças especiais da Rússia.

Operadores do KSSO

Em 2009, como parte da reforma abrangente das Forças Armadas da Federação Russa, Direcção de Operações Especiais, diretamente subordinada ao Chefe do Estado-Maior das Forças Armadas da Rússia, foi criada com base na unidade militar 92154 na região de Moscou. No início de 2012, por iniciativa do Chefe do Estado-Maior Geral, Nikolai Makarov, a Direção de Operações Especiais foi reorganizada como o Comando de Operações Especiais, seguido por planos de aprimoramento da força das Forças até 9 brigadas de propósito especial.

Em 6 de março de 2013, o chefe de Estado-Maior das Forças Armadas da Rússia, Valery Gerasimov, anunciou o início da criação das Forças de Operações Especiais. Enquanto falava com militares estrangeiros em Moscou, ele disse: "Depois de analisar a prática da formação, treinamento e uso de forças de operações especiais nos principais países do mundo, o Ministério da Defesa da Rússia também começou a criá-los ... A O comando correspondente foi criado, que está empenhado em planejar o trabalho e implementa o plano de treinamento das Forças Armadas ... Um processo de documentos já foi desenvolvido para determinar a direção do desenvolvimento, métodos de treinamento e aplicação dessas forças ".

Em 15 de março de 2013, de acordo com relatórios da imprensa russa, a criação do Centro de Operações Especiais do Ministério da Defesa da Rússia para cerca de 500 soldados profissionais começou na aldeia suburbana de Kubinka-2. A formação do Centro estava programada para ser concluída até o final de 2013. O centro está diretamente subordinado ao Comando das Forças de Operações Especiais do Ministério da Defesa da Rússia.

Em 23 de março de 2013, durante a reunião do Ministro da Defesa Sergei Shoigu com o Presidente da República Popular da China Xi Jinping, Valery Gerasimov disse que as Forças de Operações Especiais foram criadas como parte das Forças Armadas e que estão sendo treinadas para missões Não só dentro do país, mas também no exterior.

No final de abril de 2013, as unidades das Forças de Operações Especiais realizaram um exercício de táticas especiais nas montanhas de Elbrus, no auge de 4,5 quilômetros. O exercício foi dedicado a praticar o transporte de uma das unidades SSO por aviação de transporte militar e aviação do exército, bem como a inserção aérea de pessoal e carga na área-alvo. 

O Coronel Oleg Martianov, membro do conselho da Comissão Militar-Industrial da Federação Russa, foi um dos fundadores e o primeiro comandante do SSO. O pessoal do SSO é composto exclusivamente por oficiais e soldados profissionais.

A melhor maneira de analisar uma série de unidades de designação especial russa é dividi-las em três categorias: infantaria de elite, principalmente para missões de reconhecimento em ambiente terrestres, aéreos e navais (Spetsnaz, GRU), unidades de propósito especial pertencentes a agências de inteligência (Alpha e Vympel), e o Comando de Operações Especiais (SSO ou KSSO). Este último é particularmente notável como um desenvolvimento recente e, indiscutivelmente, o mais interessante de todos, uma vez que representa uma capacidade de forças especiais russas que apareceu de forma proeminente na Criméia e na Síria.

Os Spetsnaz, GRU às vezes são designados como forças de operações especiais russas, mas este é um nome comum. As Spetsnaz muitas vezes são unidades de infantaria de elite destinadas a apoiar as formações de unidades convencionais. Essas unidades consistem em oito brigadas Spetsnaz, um regimento Spetsnaz (25º), quatro unidades Spetz de infantaria naval e a 45ª Brigada VDV (Airborne) com um complemento total de 9.000-10.500. Atualmente, as forças armadas russas estão integrando unidades Spetsnaz em brigadas e divisões, adicionando uma companhia a cada batalhão de reconhecimento. Essas unidades estão quase sempre sob o domínio da principal diretoria de inteligência para o Estado-Maior da Rússia, o GRU.

Enquanto isso, o FSB, o serviço de inteligência nacional da Rússia, coloca duas unidades especializadas para o antiterrorismo e defesa da infraestrutura estratégica em casa, denominadas Alpha e Vympel, respectivamente. Menos mencionado é a Direção S do FSB, uma peça de reconhecimento especialmente fundada com base na unidade de contra-inteligência econômica do FSB e provavelmente maior que Alpha ou Vympel.

A criação de um Comando de Operações Especiais (Komandovaniye Sil Spetsial'nykh Operatsiy—KSSO) foi anunciada em março de 2013, mas o precursor desta força foi estabelecido em 1999. Esta é uma unidade de forças especiais de nível 1 destinada a operações extraterritoriais e ação independente. Apesar do nome, não é uma duplicação do SOCOM dos EUA e não integra outras unidades de "designação especial" na Rússia sob um comando único. 

Na verdade é um análogo mais próximo em termos de design, provavelmente a Delta Force ou o DEVGRU. KSSO é supostamente baseado em dois centros, o primeiro e maior é Senezh perto da cidade de Solnechnogorsk. O segundo foi aberto mais tarde, e é chamado de Kubinka-2. Devido o local de origem do seu centro de treinamento e escolha de seu capacete durante a primeira turnê de combate no Norte do Cáucaso durante a Segunda Guerra Chechena, os operadores da KSSO se tornaram conhecidos desde o início como "girassóis".

Esta unidade funciona talvez com um total de 2.000 homens hoje, embora o mix de combate ao suporte seja desconhecido. Originalmente, ele respondeu ao GRU, mas foi colocado diretamente sob o comando do Estado Maior. Em conjunto, as unidades de reconhecimento dos serviços armados da Rússia, das equipes de serviços de inteligência e do KSSO, a comunidade russa de forças com designações de combate distintas provavelmente aumentará entre 12.500 a 15.000.

Podemos destacar algumas das principais capacidades que eles possuem e os tipos de missões para quais eles treinam. As unidades típicas de Spetsnaz concentram-se em reconhecimento e sabotagem tradicionais por trás de linhas inimigas em apoio as forças russas em um conflito convencional. Na década de 1990 e no início dos anos 2000, as Spetsnaz foram usadas extensivamente durante as duas guerras da Chechénia por falta de outros operadores treinados e equipados. Enquanto isso, o KSSO é uma adição relativamente nova ao kit de ferramentas russo. A filosofia central do comando é treinar uma equipe coesa ao invés de operadores individuais. Existem cinco habilidades nas quais os destacamentos individuais se especializam, mas todos treinam para estabelecer competência básica, tais como o pára-quedismo, montanhismo, mergulho, guerra urbana e a proteção de altos funcionários militares em zonas de combate. Outro foco para as forças especiais da Rússia é o treinamento de franco-atiradores (snipers), aqui eles investiram fortemente tanto no pessoal quanto no equipamento. Esta força também tem seu próprio comando de aviação atribuído a ele, funções orgânicas de apoio ao combate, e espera-se que ele aja independentemente do resto das forças armadas. Hoje, estes incluem aviação de asa rotativa baseada em Torzhok e um elemento de transporte aéreo em espera em Tver.

Operadores do KSSO saltam de pára-quedas de um helicóptero russo Mi-8

É interessante destacar que a Rússia olhava as façanhas do Comando de Operações Especial Conjunto dos EUA, e, sempre que possível procurava imitar alguns dos sucessos demonstrados pelos Estados Unidos e outras forças militares ocidentais, adaptando essas lições às suas necessidades. O chefe de Estado-Maior da Rússia, Valeriy Gerasimov, deixou claro que, ao criar o KSSO, estudaram o "treinamento e aplicação de operações especiais oferecido pelas principais potências estrangeiras". Na verdade, os militares russos estavam bem atrás da curva de desenvolvimentos das forças especiais quando esta unidade foi anunciada em 2013, mas provou ser um aprendiz rápido. As reformas militares lançadas no final de 2008 ofereceram uma oportunidade única para introduzir novas capacidades das forças especiais e expandir o papel das unidades de designação especiais existentes dentro das forças armadas regulares.

Somente o desenvolvimento da força não é suficiente, pois vários avanços habilitadores também tiveram que ocorrer dentro das forças armadas russas para empregar uma unidade especializada desse tipo. O Comando e o Controle são bastante importantes para as operações extraterritoriais. Delegar tarefas com impacto potencialmente estratégico para um pequeno grupo de combate não é feito sem uma boa confiança de que outros elementos estão no lugar para efetivamente comandar, mover ou extrair a força. A Rússia continua trabalhando em táticas e doutrinas de refinamento para operações de forças especiais, melhorando a capacidade da unidade para interagir com o resto dos militares convencionais e tirar proveito de algumas de suas capacidades mais proeminentes, como armas guiadas de longo alcance.

Mergulhador do KSSO salta de um helicóptero russo durante uma missão de treinamento

Algumas missões

A primeira missão de combate do KSSO foi a anexação bastante memorável da Crimeia, particularmente a captura inicial do parlamento da Criméia. Esta operação gerou o apelido de "pessoas educadas" pelo qual as forças especiais russas passaram a ser referenciadas na cultura popular. A ocupação do parlamento que ocorreu em 27 de fevereiro de 2014, aconteceu quando cerca de 50 homens ocuparam o prédio do parlamento da Criméia. Foi divulgado que uma milícia local realizou a operação, mas essa era uma força bem armada e altamente profissional, e essa acabou se revelando a primeira implantação de operadores do KSO. 

No entanto, no leste da Ucrânia, há pouca indicação do KSSO no trabalho. Aqui, as operações provavelmente foram realizadas por unidades russas de Spetsnaz GRU, com relatos ocasionais de soldados das brigadas de Spetsnaz e do 45º Regimento Aerotransportado das VDV que opera no Donbass. Estes foram esporadicamente envolvidos em ações diretas, mas a luta parece ter sido acessória às suas funções de reconciliação e assistência militar. Unidades Navais do Spetsnaz também foram usadas na Criméia.

Militar da 431 Spetsnaz Naval (431 omrpSpN) - Criméia, fevereiro-Março de 2014
Os chamados "homenzinhos verdes", que tão rapidamente capturaram locais estratégicos na Criméia antes de sua anexação formal pela Rússia, eram em grande parte soldados da Infantaria Naval da Frota do Mar Negro mas incluíam também homens da 431 Spetsnaz Naval. Este membro que pertence as tropas que tomaram o aeródromo militar Belbek não exibe nenhuma insignia a fim de semear a incerteza quanto a sua oriem, se eles faziam parte das milicias locais pró-Moscou ou eram tropas russas, mas há poucas dúvidas quanto à a sua identidade. Ele está vestido com o mais recente uniforme de combate da Infantaria Naval russa, parte do novo conjunto de equipamentos ratnik das forças armadas russas, que está sendo colocado em serviço. Isso inclui o colete balístico 6B43, a veste tática para transporte de carga 6Sh117, o novo capacete ShBM, assim como um dos novos  rádios táticos 168-0,5UME. Enquanto sua metralhadora de uso geral PKM de 7,62 milímetros  é um projeto um pouco mais antigo, a mesma ainda é uma arma bem eficaz. No lado direito do seu peito ele também carrega uma faca baioneta 6Kh5 AK-74.

Em setembro de 2015, o KSSO passou a operar na Síria, onde assumiu um papel cada vez mais visível em apoio às operações de combate russas. Lá, o KSSO esteve envolvido em missões que vão desde a recuperação da caixa preta do Su-24M da Rússia derrubado em novembro de 2015, até metas de reconhecimento de ataques de mísseis de cruzeiro, interrupção por trás das linhas inimigas através de emboscadas, matanças direcionadas de alto valor e ataques de retaliação contra grupos selecionados de rebeldes. Quatro operadores da KSSO são conhecidos por serem mortos, incluindo dois especialistas em coordenação de ataques com a força aérea, o que dá uma indicação de suas tarefas. No todo, parece que o KSSO desempenhou um papel crucial na batalha por Palmyra na primavera de 2016 e foi bastante ativo no apoio ao empenho da Síria para reconquistar Aleppo.

Operadores da KSSO em Palmyra na Síria em 2016

Treinamento conjunto

É improvável que o KSSO treine com qualquer um, mas as unidades de infantaria de elite da Rússia costumam treinar com militares das ex-repúblicas soviéticas em exercícios conjuntos. A Rússia possui numerosos exercícios e jogos multinacionais em todo o ano para encorajar contatos entre militares, incluindo países como a Índia, Mongólia, Paquistão e China, mas há pouco propósito para o desenvolvimento da interoperabilidade. As forças mais proeminentes que estão sendo treinadas hoje são o exército sírio e os separatistas no leste da Ucrânia. Enquanto isso, o KSSO da Rússia continua a integrar lições de contrapartes ocidentais e cada vez mais próprias, já que rapidamente estabelece um legado de operações de combate. Há uma palavra agora que as forças russas se implantaram em uma base aérea no oeste do Egito, perto da fronteira da Líbia.

Estrutura

Centro de propósito especial "Senezh";

Centro de propósito especial "Kubinka-2".

344º Centro de Treinamento de Combate de Aviação do Exército, base aérea de Torzhok  

Função

Operações especiais

Reconhecimento especial

Ação direta

Assassinato

sabotar

Guerra não convencional

Contra-terrorismo

Contra-inteligência

Contra-insurgência

Operações aéreas

Guerra anfíbia 

Armas

Pistolas

 

Um operador do KSSO com um fuzil subaquático APS

Submetralhadoras

Rifles de Assalto

Rifles Sniper

Metralhadoras

Um operador do KSSO com uma metralhadora russa

Escopetas

Armas Diversas

GP-34

Equipamentos

Uniformes

  • SURPAT BDU

  • Arcteryx LEAF kit

  • Special Operations Forces kit for extremely hot climate

  • Propper Multicam BDU

  • Tactical Performance ATACS FG Tactical Field Jacket / Tactical Combat Pants

  • Tactical Performance ATACS FG Battle Strike Uniform Coat / Trousers

  • Tactical Performance Multicam Tactical Field Jacket / Tactical Combat Pants

  • Tactical Performance Multicam Battle Strike Uniform Coat / Trousers

  • Tactical Performance Multicam Tactical Combat Shirt

  • GORKA-3 BDU

  • Phantom special thermal underwear

  • Klyaksa snow camouflage oversuit[27]

  • Ratnik VKBO EMR camouflage combat uniforms 

Capacetes

  • 6B7-1M[28]

  • «Voin-Kiver RSP»

  • LSHZ 1+[29]

  • 6B47

  • SRVV Ballistic Helmet ARMET

Vestes

  • 6Sh112 LBV[30]

  • 6Sh117 LBV

  • Smersh AK/VOG tactical vest[31]

  • 6B43 armor vest

  • 6B45

  • 6B46

  • «Redut-M» armour vest

  • Plate carrier M1

  • Plate carrier M2

  • MBC modular plate carrier

  • SC-B

  • SRVV Armor Carrier ASPIS 

  • SRVV Tactical Armor Carrier ASPIS Simplex

  • SRVV Alpha Plate Carrier

  • STICH PROFI® Loading system plate carrier

  • STICH PROFI® Lightweight plate carrier

  • Wartech Plate Carrier TV-110-CB

Outros

  • FORT «Fortres K14» protective suit

  • FORT «Reid-L» protective suit

  • PMK gas mask

  • GKN-7 diving suit

  • «Aqualung Amphora» rebreather

  • «Veer-6» ballistic shield

  • PT-2 thermal monocular

  • Peltor Com Tac XP headset

  • 168-0,UME tactical radio

  • 6Kh5 bayonet-knife

  • NRS-2 special scout knife

  • MPL-50 saperka shovel

  • «Tyman-R» camouflage and healing ointment

  • «PPV» underwater tablet for divers

  • IDA Rebreathers: see IDA71 for an example

  • Ironiya opto-electronic reconnaissance system

  • ZALA UAVs[47]

  • Strelets reconnaissance, control and communications system

  • «Arbalet» parachute system

  • Intrigan multi-function optoelectronic surveillance complex

  • Obzor and Osmotr undersea surveillance tools

Veículos de Transportes

Terrestres

Operadores do KSSO usando um quatriciclo

Operadores do KSSO contam com o apoio de um GAZ-2330 Tigr em missão na Síria

Aeronaves

Embarcações

  • BRP SEA-DOO GTX LTD PWC

  • BRP SEA-DOO RTX-215 PWC

  • BK-16 and BK-10

  • Protei-5

  • Piranha midget submarine

  • Triton-1 and Triton-2 midget submarines

Vídeo

 

 

Fonte:

https://www.thecipherbrief.com/article/russian-spetsnaz-learning-experience-1090 

https://en.wikipedia.org/wiki/Special_Operations_Forces_(Russia)

 

 

Free web templates by Nuvio – Our tip: Webdesign, Webhosting