Perfil da Unidade

SPECIAL BOAT SERVICE- SBS

SERVIÇO ESPECIAL DE EMBARCAÇÕES

PARTE - I

 

 

By Strength And Guile' – Este é o novo slogan do SBS


PARTE - I ; PARTE - II

Origem

A Seção Especial de Barcos, foi fundada em julho de 1940 por um oficial dos COMMANDOS, Roger Courtney. Courtney se tornou um recruta dos Commandos, em meados de 1940, e foi enviado para o Combined Training Centre, na Escócia.

Ele foi bem sucedido em sua tentativa inicial de convencer o almirante da Frota Roger Keyes e mais tarde o Almirante Theodore Hallett, chefe do  Combined Training Centre, que a sua idéia de se usar kayak para ações de commandos seria muito eficaz. Para provar sua teoria ele decidiu se infiltrar no HMS Glengyle, um navio de desembarque de Infantaria ancorado no rio Clyde. Courtney remou até o navio, subiu a bordo sem ser detectado, escreveu as suas iniciais na porta da cabine do capitão, e roubou uma arma instalado no deck do navio. Diante de sua bem sucedida "missão" Courtney foi promovido a capitão, e recebeu o comando de doze homens, o primeiro destacamento do Special Boat Service/Special Boat Section.

Inicialmente conhecida como Folboat Troop, devido ao tipo de canoa dobrável (a Cockell Mk I) que usava par suas missões, a unidade foi renomeada para No1 Special Boat Section no início de 1941, mas a unidade também era conhecida como Seção "Z". Em seguida a unidade foi anexada a Layforce e enviada para o Oriente Médio, e mais tarde trabalhou com a 1st Submarine Flotilla baseada em Alexandria, tendo efetuado o reconhecimento da praia de Rhodes, tendo ajudado na evacuação de tropas de Creta e realizado pequenos raids e outras operações.

2 SBS

Em dezembro de 1941 Courtney voltou ao Reino Unido, onde formou 2 SBS. Esta unidade manteve o nome de Special Boat Section, durante a guerra, apoio as ações do Major-General Mark Clark antes dos desembarques da Operação Tocha em novembro de 1942. Mais tarde um grupo, o Z SBS, que foi baseado em Argel a partir de março 1943, realizou missões de reconhecimento das praias para o desembarque de Salerno e uma incursão na ilha de Creta, antes de ser transferido para o Ceilão para trabalhar com a Force 136 do Special Operations Executives-SOE, e mais com o tarde com o Special Operations Australia. O resto do Nº 2 SBS fez parte do Small Operations Group do Comando do Sudoeste Asiático, que operou nos rios Chindwin e Irrawaddy, e no Arakan, durante a campanha da Birmânia. 

1 SBS e outros nomes

1 SBS (Seção "Z") se juntou ao Serviço Aéreo Especial (SAS), para realizar operações no Mediterrâneo. Em junho de 1942 eles participaram dos ataques ao aeródromo em Creta. Em Setembro de 1942 realizaram a Operação Anglo uma incursão em dois campos de pouso na ilha de Rhodes, dos quais apenas dois dos dez homens enviados nesta missão voltaram. Foram destruídos três aviões, um depósito de combustível e vários edifícios, os homens sobreviventes do SBS tiveram que se esconder no campo por quatro dias antes que pudessem alcançar um submarino que os esperava.

Em agosto de 1942 a Seção "Z" e três grupos de canoeiros sob o comando do Conde Jellicoe (era da seção de reconhecimento da Layforce), foram absorvidos pelo Esquadrão "D" do 1.° Regimento do SAS. O total de homens era de 55 peritos nadadores e canoeiros (15 oficiais e 40 subalternos) e passou a fazer parte do 1 SAS depois de David Stirling (criador e comandante do SAS),  fazer lobby em favor disto. A Seção Especial de Barcos (SBS) permitiu ao SAS lançar operações contra portos. No outono de 1942, Jellicoe como comandante do Esquadrão D dividiu sua força em três seções denominadas "L", "M" e "S", a partir da primeira letra do sobrenome de seus comandantes, Capitães Tommy Langton, Fitzroy Maclean e David Sutherland.

Em abril de 1943, após a captura de David Stirling o 1 SAS foi dissolvido e seus homens divididos em duas novas unidades, um novo Esquadrão reforçado com cerca de 287 homens, que ficou conhecido como SRS - Special Raiding Squadron e com cerca de 180 homens do SAS e do Small Scale Raiding Force formando o Special Boat Squadron, sob o comando do Major Earl Jellico. Esta unidade independente então se mudou para Athlit, ao sul de Haifa, na Palestina e passou a treinar junto com o Regimento Sagrado grego (que fazia parte do antigo SAS) para operações ao longo do Mediterrâneo e do Mar Egeu, usando barcos de pesca gregos (caíques) e outras pequenas embarcações.  O pessoal francês do antigo 1 SAS ou foi devolvido ao seu exército nacional ou foi se juntar ao 2 SAS. Alguns do membros mais experientes do antigo 1 SAS se uniram ao 2 SAS, enquanto foram recrutados outros membros de algumas unidades britânicas e do depósito de pessoal e além de alguns franceses da Argélia que formaram o seu próprio grupo. O SRS e o SBS ficaram subordinados ao QG das Forças de Ataque do Oriente Médio.

A unidade de Jellicoe tinha uma força inicial de cerca de 230 homens, divididos em três destacamentos operacionais e um QG. Cada destacamento, era conhecido pelas letras inicias do seus comandantes "L", "M" e "S" (os mesmos oficiais do antigo Esquadrão D do 1 SAS). Um destacamento era dividido em seis patrulhas de combate (um oficial e doze soldados) e uma pequena patrulha de QG. O SBS manteve a boina com a cor bege original do SAS e as suas asas, não tendo que alterar a boina para o marrom das forças Aerotransportadas como o SAS baseado no Reino Unido em 1944 foi obrigado a mudar.

Cabo do SBS em operação no Mar Egeu em 1943. Ele usa uma submetralhadora alemã MP40.

Os Esquadrões A e B do 1 SAS formaram o SRS (Special Raiding Squadron), sob a liderança de "Paddy" Mayne. Em novembro de 1943, o Special Boat Squadron, de Jeilicoe, passou para o comando do general-de-brigada D. J. T. Turnbull, da Raiding Forces Middie East (Forças de Ataque do Oriente Médio) e teve seu nome trocado para Special Boat Service. O SBS passou então para o controle das forças terrestres que operavam no litoral do Adriático e realizou operações nos mares Mediterrâneo, Adriático e Egeu.

Homens do SBS em treinamento.

Pessoal do SBS em treinamento  

A primeira operação foi realizada pelo Destacamento S, e era uma incursão com diversas equipes de quatro homens, uma delas liderada por Anders Lassen, contra aeroportos alemães, em Creta. Isso ocorreu em apoio aos desembarques na Sicília, em Julho de 1943. O Destacamento L realizou uma série de ataques mal sucedidos na Sardenha, lançado de pára-quedas e submarinos (uma das poucas operações aéreas do SBS). A maioria dos que desembarcaram foram mortos ou capturados e o descolamento teve de ser reconstituído. Langton voltou para casa inválido e foi substituído pelo Major Ian Patterson do 11º Batalhão de Pára-quedistas.

O SBS operou pela primeira vem no Mar Egeu, em setembro de 1943, quando os homens dos Destacamentos M e S receberam a missão de assegurar a ilha de Simi. Esta era uma das ilhas tomadas pelos italianos, que os britânicos estavam tentando controlar, com o objetivo de abrir uma nova frente na região dos Balcãs. Apesar de pequenas unidades terem sido enviadas para algumas das ilhas, o próprio Jellicoe saltou de pára-quedas em Rhodes para tentar convencer o comandante italiano não ceder a pressão dos alemães estacionados ali. Ele falhou, e a fraca linha de ilhas mantida pelos britânicos caiu, a primeira foi Cos.

Homens do SBS em treinamento.

Homens do SBS posam para uma foto em uma esquina de uma ilha grega em 192-43

A primeira tentativa de desembarque em Simi aconteceu em outubro de 1943 e foi realizada pelo Major Jock Lapraik e os seus homens, juntamente com a guarnição italiana, com Lassen incentivando os seus novos aliados que não estavam muito interessados em combate. Simi foi alvo de pesados ataques aéreos e teve que ser abandonada. A única grande formação britânica era uma brigada de infantaria em Leros, e com a perda de Cos se perdeu também o único aerodromo aliado. Jellicoe e várias patrulhas estavam presentes quando os alemães assaltaram Leros em novembro de 1943, sendo o seu trabalho atacar os pára-quedistas que saltaram na ilha. No entanto a queda da ilha era inevitável, mas ao contrário da maioria da guarnição quase todos os homens do SBS conseguiram fugiu para a Turquia e de lá foram mandados de volta para a Palestina.

Em outubro de 1943 foram criadas as Raiding Forces Middle East e o SBS foi o elemento principal desta formação. Em novembro de 1943, o Special Boat Squadron, de Jeilicoe, passou para o comando do general-de-brigada D. J. T. Turnbull, da Raiding Forces Middie East e teve seu nome trocado para Special Boat Service. O SBS passou então para o controle das forças terrestres que operavam no litoral do Adriático.

 

Insígnia do SBS durante a Segunda Guerra

Outras unidades faziam parte das Raiding Forces Middle East incluindo Esquadrão Sagrado Grego, o LRDG, operando agora na função de patrulha de reconhecimento de longo alcance, e o Raiding Support Regiment-RSR, que fornecia o apoio de fogo pesado necessário para ataques maiores. Os homens do SBS foram logo para o Mar Egeu, saindo de noite para atacar as guarnições alemãs, demolir as instalações e, geralmente, aumentar a confusão na retaguarda inimiga. Na verdade as Raiding Forces Middle East realizaram 381 operações em 70 ilhas diferentes. Os destacamentos dos SBS operavam em sistema de rodízio a partir de uma base secreta, uma grande escuna ancorada na costa turca.

A escuna Tewfik servia de base para as operações do SBS

O transporte de e para os objetivos, as vezes era provida por lanchas da Royal Navy, porém mais freqüentemente era realizado através de caiques (barcos de pesca local) pertencentes a Levant Schooner Flotillado Levante Schooner, tripulados por homens da Royal Navy e voluntários locais. Lassen tinha sido ferido em Simi, mas ele e seus patrulha da "Irlanda" estavam de volta em ação, atuando tanto com o Destacamento M quanto com o S, embora fosse oficialmente parte deste último. Ele era freqüentemente estava armado apenas com uma Luger e uma faca de combate Commando. A maioria dos homens do SBS preferiam armamento mais pesado, como as submetralhadoras Thompson, as capturadas MP40 ("Schmeissers"), carabinas M1, metralhadoras Bren e pistolas automáticas Colt .45, bem como as mini-granadas italianas conhecidas como como "Red Devils".

Os desembarque eram de canoa,botes Goatley ou botes infláveis para sete pessoas os "Jellicoe Intruders", ou às vezes diretamente dos caiques. Até esse momento não havia um curso padrão para novos recrutas, muitos deles eram soldados entediados com o serviço de guarnição ou Marines cansado de servirem em navios, onde nunca deram um tiro. Treinamento com armas, canoagem, marchas de alta velocidade e combate desarmado eram praticados na base de Athlit, seguido por um curso de pára-quedismo em Ramat David e treinamento de esqui no Líbano. Todos os destacamentos gregos tinham sido anexado em seus dois meses de tours operacionais, tanto oficiais quanto intérpretes/guias.

Jellicoe (centro esquerda), com Lapraik

As ações no Mar Egeu mantiveram seis divisões alemãs nas ilhas, o que foi de grande valia, pois essas divisões poderiam ter lutado em outros lugares. O maior ataque, e o último do SBS nas Raiding Forces, foi contra Simi em julho de 1944. A guarnição de 180 homens, foi morta ou capturada pelos 200 invasores, que deixaram uma tropa do Regimento Sagrado Grego em seu lugar. O Esquadrão SBS foi então transferido para a Itália para incursões na costa do Adriático na Iugoslávia e na Albânia, sendo seu lugar tomado pela força de incursão grega. O LRDG e a maioria do RSR haviam indo mais cedo para a Itália. Os ataques no Adriático geralmente não foram tão bem sucedidos, enfrentando defesas mais difíceis e muitas vezes não tendo cooperação da guerrilha local.

Membros do SBS desembarcam armamentos da escuna Tewfik durante suas operações no Mar Egeu.  

Em outubro de 1944, os alemães estavam em vias de evacuação do sul da Grécia e o Destacamento L foi de pára-quedas para o aeródromo de Araxos como parte principal de uma força-tarefa comandada pelo tenente-coronel Jellicoe. Esta força tinha 450 homens, com um esquadrão do LRDG, duas companhias de infantaria e alguns RM Commandos, conhecido como Bucketforce e tinha a missão de limpar o Peloponeso.

Porém essa força não foi capaz de cortar a retirada alemã de Atenas. Depois de libertar Atenas, Jellicoe formou uma força-tarefa chamada Pompforce, com o Destacamento L, o 4 º Batalhão de Pára-quedistas, o Regimento da RAF, além de carros blindados e artilharia e engenheiros. Com estes 950 homens, ele logo foi para o norte até a fronteira albanesa, obrigando os alemães a recuarem ainda mais do que queriam, e tinha feito contato com Sutherland, que estava operando na área. Entretanto Lassen e Destacamento M foi de ilha em ilha no Sporadhes, pois tinha decidido liberar Salônica. Eles roubaram quatro carros de bombeiros como transporte e perseguiram os últimos alemães fora da cidade.

Pelo restante do seu tempo na Grécia, o SBS foi apanhado nos combates entre as facções monarquistas e comunistas gregas. Perto do final do ano Jellicoe foi enviado para o Staff College e o tenente-coronel David Sutherland assumiu o comando, ele foi um dos poucos que tinham servido com Courtney no início do SBS. O Esquadrão SBS agora tornou-se o Special Boat Service e os destacamentos foram renomeados para esquadrões. O Esquadrão L se uniu com o Esquadrão S na Land Forces Adriatic, onde o SBS operou a partir de uma base semi-permanente em Zara, na costa da Iugoslávia, onde partilhou patrulhas com o LRDG. O Esquadrão M partiu para Creta para ajudar os guerrilheiros agora no cerco aos alemães em alguns enclaves. As incursões aéreas e navais fizeram com que o inimigo em Creta e em outras ilhas, não pudessem sair.

No início de abril de 1945, a Brigada Commando 2 estava lutando na área ao redor do lago Commachio no norte da Itália. Andy Lassen e sessenta homens do Esquadrão M foram sob o comando, inicialmente patrulhar o lago. O ataque principal dos Commandos foi lançado a partir do canto sudeste do lago, na noite de 8/9 de Abril, com os homens do SBS guiando os barcos de assalto, através dos canais poucos profundos na água rasa. Lassen liderou uma patrulha de 17 homens  em um ataque diversionista a 2 milhas (3 km) ao norte do desembarque principal. Eles ficaram sob o fogo pesado de metralhadoras, que imediatamente matou um homem e ferindo vários outros. Lassen avançou silenciou uma das MGs com granadas, e em seguida, ele destruiu uma segunda, e outros homens se juntaram a ele no ataque a uma terceira metralhadora MG. Porém Lassen foi mortalmente ferido por uma rajada de uma quarta metralhadora após a sua tripulação fingir ter se rendido, mas esses alemães não sobreviveram por muito tempo. Os treze sobreviventes da patrulha conseguiram escapar e volta para seus barcos. O Major Anders Lassen, 24 anos e já detentor da Cruz Militar e com duas barras, recebeu postumamente a Victoria Cross.

Esta foi a última operação do Special Boat Service na guerra. O fim da guerra com o Japão descobriu os seus membros se preparando para ir para o Extremo Oriente. O SBS foi dissolvido logo depois.

Pós-guerra

 

Logo depois da Segunda Guerra Mundial, as forças especiais de ataque naval formadas durante as hostilidades passaram por um período de grande reorganização. A maior parte foi dissolvida, mas elementos de três delas, o Royal Marine Boom Patrol Detachment (RMBPD, destacamento de patrulhamento extensivo dos Fuzileiros Navais) criado especificamente para ataques relâmpagos a partir de embarcações e a limpeza de obstáculos das páreas de desembarques anfíbios, eles eram o equivalente mais próximo das Underwater Demolition Teams (UDT, Equipes de Demolição Subaquática) dos EUA , os Royal Navy's Combined Operation Assault Pilotage Parties (COPP, grupos de operações combinadas de assalto e pilotagem da Marinha britânica) que se especializaram em reconhecimento de praia ,e a Marines School of Combined Operations Beach and Boat Section (SCOBBS, Seção de Operações Combinadas de Praia e Embarcações da Escola de Fuzileiros Navais), continuaram em serviço. O atual Special Boat Service (SBS, Serviço Especial de Embarcações) é descendente direto dessas unidades.
  

O uso de canoas em operações especiais anfíbias é uma das marcas registradas SBS.

Os nadadores-canoeiros do SBS estão aptos a realizar as mais variadas missões,

como sabotagem por exemplo.

 

Mesmo com a dissolução de muitas unidades especiais da Marinha e dos Fuzileiros Navais a Inglaterra decidiu manter o RMBPD porque pequenas operações especiais com barcos seriam realizadas no futuro pelos RM. Em 1947 estas duas unidades foram transferidas para a Escola de Operações Anfíbias dos RM em Portsmouth para repor o SCO. Essas forças foram reunidas num único comando, conhecido como Small Raids Wing (SRW, Grupos de Incursões em Escala Limitada) e começaram a ressuscitar as velhas habilidades adquiridas na última guerra, pois agora restava poucos veteranos do último grande conflito. Depois a unidade transformou-se na Special Boat Unit (SBU, Unidade Especial de Embarcações), e era composto por três  Seções Especiais de Barco, assim ressuscitando as iniciais SBS, e  uma unidade operacional e de treinamento. Os nadadores-canoeiros, desta unidade estavam entre os voluntários que se apresentaram para servir no Commando 41 Independente, unidade dos RM, que lutou na Guerra da Coréia em 1950-51. Esta unidade foi empregada principalmente em ataques de comandos nos litorais  da Coréia do Norte e também estiveram presentes nos combates ocorridos no Reservatório de Chosin, ao lado da 1ª Div. dos Fuzileiros Navais dos EUA. 

 

Além do 1 Seção Especial de Embarcações (SBS), foram formadas em 1950-51 as Seções 2 e 3 para operar com o Esquadrão da Royal Navy no rio Reno na Alemanha. A sua missão prioritária em caso de guerra seria destruir pontes e outros alvos ao longo do rio se as forças Aliadas fossem forçadas a se retirar, com o objetivo de retardar o avanço Soviético. Em 1952, os SBS foi enviado ao Egito para realizar um reconhecimento do porto de Alexandria a pedido do palácio do rei Farouk, para a preparação de uma possível uma evacuação de residentes britânicos naquele país. As equipes de canoas  foram infiltradas por submarino e o reconhecimento foi feito, mas um nadador perdeu o ponto de reunião na volta da equipe e foi recolhido pelos egípcios, e cedido a Inteligência Naval da RN em Fayid. Se Nasser tivesse optado por um golpe violento, um destacamento poderia  ter sido enviado a Farouk numa missão de resgate, mas isto não era necessário.

 

O 4 e 5 SBS foram criados com membros da voluntários da Reserva Real das Forças de Fuzileiros Navais. Em meados dos anos 50, o 6 SBS foi apressadamente formado para apoiar as forças navais da OTAN no Mediterrâneo contra qualquer ataque dos submarinos Russos vindos do Mar Negro. Quando a 3 Brigada de Commando foi transferida da Malásia para Malta em meados dos anos 50, o 6 SBS foi enviado para servir com ela. De Malta e depois do Barhein, o 6 SBS conduziu numerosos reconhecimentos de várias praias do Oriente Médio. 

 

 

 

'Not By Strength By Guile' – Este era o antigo slogan do SBS que o

acompanhou por muitos anos

 

Em 1956 em Poole, 1 SBS tinha sido colocado em alerta e dentro de poucos dias foi requisitado ao Mediterrâneo para a operação Musketeer. O 1 SBS tinha a tarefa de cortar os cabos que foram colocados no Canal de Suez para impedir a passagem por navios. A Seção 1 SB voou para Malta, mas antes que pudesse dar prosseguimento aos preparativos da missão ela foi cancelada. O 6 SBS também foi mobilizado durante a crise do Canal de Suez. Ele foi mobilizado para preparar um reconhecimento detalhado dos locais de desembarque anfíbio, mas a tarefa foi cancelada outra vez antes que se pudesse iniciar o trabalho, devido este tipo de invasão ser considerado muito arriscado no momento. Em vez disso o 6 SBS foi embarcado no HMS Ocean e enviado a Port Said junto com a 3 Brigada de Commandos

 

Em 1957 o SRW foi reorganizado, tornando-se a Special Boat Unit (Unidade Especial de Embarcações). Um ano depois, a unidade foi rebatizada de Special Boat Company (Companhia Especial de Embarcações) e separado da Escola de Operações Anfíbias dos RM, mas permaneceu dentro de sua área de aquartelamento, agora localizada em Poole. Foi neste momento que o lema "Não Por Força, Por astúcia" foi criado. Este lema apareceu na insígnia não oficial das pás cruzadas com uma rã no topo deles e das asas de pára-quedas acima. Isto se originou de um cartão de Natal em 1946.    

 

Em 1959, o 6 SBS foi colocado em alerta para ser preparar para evacuar o rei Idris da Líbia, mas a diplomacia das canhoneiras  conseguiu o efeito desejado e o SBS teve sua missão cancelada. Porém os homens do 6 SBS não desperdiçaram a viagem, e conduziram um reconhecimento ao longo da costa de Tobruk a Tripoli.

 

Em 1961, uma seção do SBS foi enviado junto com o 3 Brigada de Commando para encontrar e capturar especificamente um líder guerrilheiro, e participou da libertação de reféns  feitos pelas guerrilhas apoiadas pelos indonésios. O 6 SBS, baseado em Malta, enviou um destacamento para Barhein, de onde poderia se desdobrar para várias áreas da península arábica durante possíveis conflitos regionais.  Com a ameaça de invasão do Kuwait pelo Iraque em 1961, o SBS ficou com um destacamento baseado permanentemente Barhein.  

 

A "confrontação" da Grã-Bretanha com Indonésia se agravou com as revoltas em Brunei em Dezembro de 1962. Esta revolta foi rapidamente controlada, mas grupos de guerrilheiros locais e tropas regulares indonésias começaram a se infiltrar através da fronteira pela parte malaia de Bornéo. Tropas britânicas, ajudadas por forças locais e da Comunidade britânica, foram acionadas para cessar as infiltrações. O 2 SBS já estava na área, tendo ido para Singapura com 3 Brigada de Commando em 1961. Eles e 1 SBS, enviado diretamente da Inglaterra, operaram principalmente nas áreas litorâneas e também através da fronteira em missões de reconhecimento. Outro trabalho realizado pelo SBS era o de abastecer pelo mar, patrulhas maiores na selva, freqüentemente compostas pelos Gurkhas. A confrontação acabou com um tratado de paz assinado em agosto de 1966.    

 

Ao mesmo tempo a Grã-Bretanha estava envolvida com os conflitos no Protetorado de Aden (hoje porte do Iêmen). Os nadadores-canoeiros que tinham retornado as missões de comandos eram proeminentes em dirigir muitas patrulhas de reconhecimento. Um destacamento permanente foi estabelecido em Barhein, como parte do 2 SBS, e continuou seu trabalho de pesquisa da hidrografia das áreas em que a Grã-Bretanha pudesse se envolver em combates. Em 1967 a Inglaterra completou a sua retirada de Aden, mas isto não foi o fim dos serviços do SBS no Oriente Médio. 

 

De 1970 a 1976, o SAS foi envolvido em uma feroz luta anti-insurreição, contra insurgentes comunista em Oman, quem ameaçavam a depor o Sultão, e seu governo pro-britânico. Os homens de SBS localizados em Barhein, estiveram presentes nas etapas prévias desta campanha, inicialmente transportando os homens do SAS em barcos pequenos, mas mais tarde participando de patrulhas e emboscadas no interior do país. Por volta de 1971 quando a retirada da Grã-Bretanha da Malásia e Singapura estava completa a Companhia Especial de Barco foi concentrada em Poole.  

 

Também em 1971 quando Índia e Paquistão entraram em guerra por causa dos conflitos no  Paquistão Oriental, o SBS foi desdobrado para a região e ficou a bordo do HMS Albion, para realizar se necessário à evacuação de cidadãos britânicos do Paquistão Oriental. Os paquistaneses capitulam depois de duas semanas de guerra, um cessar fogo entrou em vigor  é foi fundado o Estado de Bangladesh no antigo Paquistão Oriental, não sendo necessária a evacuação britânica.

 

Praticamente esta foi à última participação do SBS nas distantes regiões do antigo império britânico, mas novas tarefas estavam surgindo na Europa.

 

Como Gibraltar era o último bastião ocidental restante do império britânico no Mediterrâneo, e que estava bloqueado pela Espanha de Franco, o  6 SBS foi desdobrado para lá em 1961 onde conduziu o reconhecimento em torno da rocha para assegurar que a Espanha não planejava um assalto à colônia. Nos anos 70, o SBS começou a se envolver no apoio a  forças policiais civis das polícias no combate ao trafico de  drogas nas Caraíbas.

 

Foi no início da década de 70 que o SBS foi utilizado pela primeira vez em operações antiterror. Em 1972 uma equipe de quatro homens foi lançada de pára-quedas em pleno Atlântico Norte para procurar por bombas a bordo do Queen Elizabeth 2-QE2, devido a uma ameaça terrorista. Nenhum explosivo foi achado. Ainda em 1972 o QE2 transporta cidadãos judeus em um cruzeiro para Israel sob a proteção do SBS, devido as tensões de ameaças de ataques terroristas. O cruzeiro termina sem nenhum incidente. Em 1976 o QE2 necessita mais uma vez de proteção do SBS em um cruzeiro com israelenses. Os operadores do SBS se misturaram com os turistas, tendo pistolas de 9 mm debaixo de suas camisas. Esse cruzeiro terminou também sem nenhum incidente.

 

O SBS enviou a Irlanda do Norte patrulhas de barco para monitorar o litoral e lagos, a procurar de terroristas do IRA. O SBS forneceu voluntários para compor a 14 Intelligence & Security Company, que recebeu homens do SAS também. 

 

Em 1975 o 1 SBS foi destacado para o papel de Contra-terrorismo marítimo, com a missão de proteger as plataformas de petróleo do Mar do Norte, em vista do crescimento da produção de óleo e da sua importância estratégica para a Inglaterra em virtude da crise do petróleo da década de 1970. Eles deveriam proteger também portos, navios cruzeiros e ferry boats. O SAS se responsabilizaria pelo restante dos incidentes, como contra embaixadas como aconteceu na década de 1980. As instalações nucleares seriam defendidas por uma resposta combinada do SAS/SBS.

 

Em 1977 o SBS mudou seu nome de Seção Especial de Barco para Esquadrão Especial de Barco - Special Boat Squadron. Com o crescimento das instalações petrolíferas em 1979 os Reais Fuzileiros Navais aumentaram a sua capacidade antiterrorista em 1980 com a criação da Companhia Commachio na Escócia (300 homens). Ela incluir uma Seção Especial de Barco e o nome 5 SBS foi dado a esta sub-unidade. O SBS forneceu uma seção, o 1 SBS para Commachio, enquanto outra seção permaneceu na base em Poole para cobrir todas responsabilidades restantes do Maritime Counter Terrorism (MCT).     

 

O SBS envolve-se também em missões de treinamento a nações amigas nos anos 70. Treinou as Companhias australianas de Commando e Regimento do Serviço Especial Malaio, e treinou também a unidade iraniana de mergulhadores de combate, conhecidos como SHA, uma tarefa que durou até 1979, quando o Irã foi tomado por uma rebelião xiita, que levou a derrubada do Xá.

 

Naturalmente nesta época também haviam exercícios com unidades similares dos paises da OTAN, especialmente as da Noruega, agora a área principal de responsabilidade dos RM. O treinamento de montanha e regiões árticas se tornou uma prioridade, tanto que os RM têm uma unidade especial dedicada a este tipo de ambiente e todos os anos os Reais Fuzileiros participam de treinamentos no norte da Noruega. 

 

Durante todo o período da Guerra Fria o SBS foi envolvido me muitas operações secretas de suporte as operações da OTAN. Entre elas:

  • Infiltrando e Exfiltrando agentes secretos das costas dos paises do bloco comunista;

  • Recolhendo inteligência sobre a capacidade naval soviética. Um exemplo disto foi quando uma dupla de mergulhadores do SBS secretamente fotografou e examinou um novo navio russo quando este aportou em Gibraltar;

  • O SAS e o SBS freqüentemente faziam o papel das Spetznaz (forças especiais soviéticas) em ataques contra as instalações da OTAN. Alguns acreditam que estes exercícios causaram um supervalorização das potencialidades do Spetznaz;

  • Reconhecimento clandestino da linha costeira, praias e portos, de potencias locais de ações da OTAN contra forças do Pacto de Varsóvia, principalmente desembarques anfíbios.

 

Homens do SBS em operação durante a Guerra Fria: "...em algum lugar atrás da Cortina de Ferro".

 

Em abril de 1982 a Argentina tomou de assalto às ilhas Falklands/Malvinas. Imediatamente as Seções 2, 3 e 6 SBS foram enviadas para o Atlântico Sul com um pequeno quartel-general tático, 84 homens, sob o comando do Major Jonathan Thomson. O 2 SBS foi a primeira unidade da pequena força-tarefa a retomar as Geórgia do Sul, um pequeno grupo de ilhas, próximo as Falklands/Malvinas que também foi ocupado pelos argentinos. Todas as unidades dos SBS foram usadas no reconhecimento e observação sobre as Falklands/Malvinas, durante três semanas, antes dos desembarques principais. As equipes de SBS executaram reconhecimentos dos pontos mais propícios para desembarques das tropas.

 

 

Operador do SBS nas Falklands/Malvinas 

Madrugada de 21 de maio de 1982. Tropas britânicas preparam-se para lançar a etapa decisiva de sua operação com o objetivo de retomar as Ilhas Falklands, ou Malvinas, território em litígio invadido pela Argentina cerca de dois meses antes. Mas para que unidades anfíbias comecem a desembarcar na Baía de San Carlos, é preciso garantir que a área esteja livre de inimigos. Nos últimos dias, escutas haviam detectado transmissões de rádio argentinas indicando a presença de uma unidade no topo da alta colina conhecida como Fanning Head, que se ergue de frente para a baía. Equipados com artilharia pesada, seus integrantes têm uma visão privilegiada das águas abaixo e sua missão é proteger as rotas de aproximação às áreas de desembarque – uma ameaça importante. Para neutralizar esse perigo, foi acionado o esquadrão 3 do SBS.

Reunidos a bordo do destróier HMS Antrim, cerca de 25 integrantes do grupo de assalto, na maioria equipados com metralhadoras leves L7A1 GPGM (calibre 7,62 mm, com capacidade de 750 tiros por minuto), esperam para embarcar no helicóptero Westland Wessex HAS.3 (velocidade de 220 km/h). O helicóptero possui um dispositivo para visão termal, capaz de identificar soldados pelo calor emitido por seus corpos naquela madrugada gelada. O aparelho logo localiza a posição argentina, e os homens do SBS desembarcam nas proximidades em pequenos grupos. Com a equipe estão o capitão Rod Bell, especialista em operações psicológicas e fluente em espanhol, incumbido de tentar convencer os adversários a renderem-se, e o capitão Hugh MacManners, oficial avançado de fogo naval, encarregado de orientar por rádio os tiros do canhão principal do destróier Antrim em apoio ao ataque. Ele ordena uma breve barragem à medida que os homens do SBS se aproximam dos soldados inimigos, disparando suas metralhadoras. O capitão Bell grita então em espanhol, pedindo que os argentinos se entreguem. A resposta é uma longa rajada de metralhadora.

Os soldados britânicos então atiram de volta com suas GPGMs, além de acionar lançadores de granadas m203 e de foguetes M72 LAW. Em meio ao fogo intenso, os homens do SBS avançam jogando granadas de mão, e não demora para que seis argentinos sobreviventes se rendam, enquanto os outros fogem.

Nessa madrugada, foram mortos 11 dos 60 integrantes da unidade argentina desbaratada no topo da Fanning Head, enquanto os homens do SBS sofreram apenas ferimentos leves nessa arriscada ação.

Aqui, como em outras operações os homens do 148 Commando Avançado de Observação de Bateria estiveram sempre próximos, trazendo um apoio inestimável das armas dos contratorpedeiros e fragatas.    

Depois dos desembarques o SBS continua com suas patrulhas por trás das linhas inimigas, inseridos por helicóptero ou submarino, ou às vezes por pequenas lanchas vindas diretamente da força-tarefa.  Em um destas operações, durante um ataque repentino contra um OP do inimigo, a equipe foi desviada inadvertidamente para uma área patrulhada pelo SAS. O sargento "Kiwi" Hunt foi morto pelo “fogo amigo” no breve tiroteio que se seguiu. Ele foi único membro do SBS a morrer durante o conflito.   

 

Seis membros de 3 SBS estavam com o Esquadrão D do 22 SAS na última operação da guerra, uma noite antes do cessa-fogo. Eles realizariam um ataque de diversionario próximo a Port Stanley. O ataque principal seria realizado pelos RM em barcos. Mas diante do fogo pesado inimigo, o ataque foi cancelado. Os barcos foram seriamente danificados, mas afortunadamente ninguém foi morto. 

 

Após a Guerra das Falklands/Malvinas houve outra expansão na missão MCT dos RM. Duas tropas de fuzileiros Commachio foram postas sob comando do SBS e o 1 e 5 SBS se combinaram como a força principal do contra-terrorismo. Em 1987 o Grupo de Forças Especiais do Reino Unido (UKSF) foi estabelecido, com o Comandante do SAS, um Brigadeiro do Exército, tornando-se o Chefe de todas as Forças Especiais também. Seu sub-comandante seria um Coronel dos Reais Fuzileiros Navais. O SBS sai do controle dos Reais Fuzileiros Navais e passa a subordinação do UKSF.

 

O SBS trocou mais uma vez de nome deixando de ser o Esquadrão Especial de Barco - Special Boat Squadron, para ser oficialmente o Serviço Especial de Embarcações - Special Boat Service, e suas sub-unidades era classificadas como esquadrões e não mais seções. A capacidade de MCT foi consolidada com o Esquadrão de M, em Poole, que foi plenamente equipado com nadadores-canoeiros. Equipes especializadas com veículos especiais de transporte de mergulhadores também foram estabelecidas.  

Operador do SBS no Golfo em 1990-91

 

Um esquadrão do SBS foi enviado ao Golfo em 1990-91, como parte da Operação Escudo - Tempestade no Deserto. Eram partes de contingente de forças especiais britânicas, que era composta principalmente pelo 22 SAS, sob o comando do Brigadeiro Andrew Massey. O Serviço Especial de Embarcações conduziu só uma operação atrás de linhas iraquianas que é sabido até o momento. Na noite de 22 janeiro de 1991, 36 operadores do SBS, três homens das Forças Especiais dos EUA e um controlador de combate da USAF foram levados por dois helicópteros Chinook a cerca de 65 km de Bagdá. Sua missão, dirigida por um Tenente do SBS, era destruir uma junção de cabos de fibra-ótica que se acreditava ser parte do sistema de comando e controle das baterias dos mísseis Scuds do Iraque.

 
Os homens estavam fortemente armados e carregavam cerca de 400 libras de explosivos. A junção foi encontrada e uma parte da malha foi retirada para análise na retaguarda. O alvo foi destruído e depois de 90 minutos toda equipe foi retirada. O tenente do SBS comandou a operação agarrou um dos marcadores da rota de cabos e apresentou-o ao Gen. Schwarzkopf em seu retorno.

 

O SBS usando helicópteros Sea Kings retomou a embaixada britânica na Cidade do Kuwait no fim da guerra, embora, como a retomada da embaixada dos EUA, por tropas especiais, também transportadas por helicópteros, não era algo necessário. Depois da Guerra do Golfo o SBS foi usado também para apoio ações da Alfândega britânica, principalmente em interceptar contrabandistas de drogas.  

 

 

As equipes do SBS fizeram parte nos exercícios de segurança que envolveu ataques contra instalações nucleares da Grã-Bretanha. Certa controvérsia foi levantada quando se tornaram público as sucessivas infiltrações bem sucedidas do SBS a locais sensíveis do poder nuclear britânico.

 

Algumas patrulhas do SBS foram para a Bósnia em 1993, e um esquadrão inteiro foi instalado em 1995-96, como parte da força de OTAN que assumiu o controle da área. Durante os bombardeios de Kosovo e da Sérvia em 1999, uma pequena equipe foi unida a 42 Commando do RM, a bordo porta-helicópteros HMS Ocean no Mar Adriático. Ainda em 1999 o SBS operou no Timor Leste. Trinta homens do SBS estavam entre as primeiras tropas a desembarcarem no aeroporto de Dili, junto com elementos do SAS australiano e da Nova Zelândia. Os operadores do SBS capturam documentos que comprovaram que o Exército indonésio participou de ataques no Timor Leste. Trinta homens do SBS estavam entre as primeiras tropas a desembarcarem no aeroporto de Dili, junto com elementos do SAS australiano  e da  Nova Zelândia. 

 

Em 1988, as equipes do SBS realizaram testes na segurança das instalações do poder nuclear de Grã-Bretanha, contra ataques de sabotadores. O seu sucesso em infiltrasse nas instalações gerou muitos rumores e discussões sobre a seguranças desses lugares secretos.


Free web templates by Nuvio – Our tip: Webdesign, Webhosting