“One shot, one kill” - 5ª Parte


HISTÓRICO-I ; HISTÓRICO-II ; HISTÓRICO-III ;

MISSÃO, TÉCNICAS e TÁTICAS ; ARMAS e EQUIPAMENTOS ; SELEÇÃO e TREINAMENTO

 

Armas e Equipamentos dos Snipers

Com o advento constante de armas de destruição cada vez mais sofisticadas e letais, o sniper continua a desenvolver seu trabalho armado apenas com um rifle de ferrolho, ou semi-automático, e sua fria coragem.

A tecnologia deixou a vida dos sniper paradoxalmente mais fácil, mas ao mesmo tempo perigosa. Novos equipamentos, como fuzis mais precisos, miras óticas e eletrônicas mais sofisticadas, e o uso de pólvoras sem fumaça e sem chama, permitem hoje ao sniper atingir níveis de eficiência nunca antes imaginados. Com o uso de um telêmetro laser e um computador balístico um fuzil M-24 consegue atingir alvos 1000m sem dificuldade. Novos sistemas como os citados estão sendo testados no Iraque recentemente.

Os snipers estão mais móveis, com os snipers das Forças de Operações Especiais podendo ser inseridos com helicóptero em qualquer tempo ou pára-quedismo (HALO, HALO). O uso do GPS, rádios criptografados, veículos qualquer-terreno os tornaram muito moveis. Passaram a causar danos a materiais e veículos com fuzis mais potentes podendo até ser considerado os alvos mais importantes que as tropas.



SCS

O sistema Sniper Coordination System (SCS) da Elbit usa câmeras de vídeo acopladas ao fuzil dos snipers para controlar vários snipers. Até quatro podem ser coordenados, com mira diurna ou noturna. O sistema permitir dar ordens para os sniper até de forma silenciosa. As imagens podem ser gravadas.


Em 100 anos a distância de engajamento dos snipers passou de 300m para 1km. Deve-se imaginar como será nós próximos 100 anos. Por outro lado, enquanto a artilharia passou a engajar alvos a dezenas de km, os blindados em alguns km e os helicópteros a até 8km com mísseis, os fuzis de infantaria passou de um alcance de 1800m contra alvos de área na Primeira Guerra Mundial, para 300m com o calibre 5,56mm. A maioria das nações passou a usar o calibre 5,56 mm enquanto o calibre 7,62mm é mais usado nas metralhadoras médias. O mesmo aconteceu nos países do Pacto de Varsóvia. Mesmo assim a munição 7,62mm especial pode ser conseguida facilmente para os sniper.

Os snipers usam cartuchos especiais com alcance maior para as suas armas. Os projeteis atuais são quatro vezes mais precisos que os da Primeira Guerra Mundial. Um projétil de 5,56mm já pode atingir alvos a 1km o que nem era sonhado a 25 anos atrás. Estudos aerodinâmicos atuais levaram ao projeto de projeteis supersônicos compatíveis com silenciadores. O calibre 7,62mm de velocidade subsônica para silenciador (não é supressor) pode ser usada para bater alvos a até 300m.

A luneta não ajuda o sniper a atirar melhor, mas sim a ver melhor. A princípio os snipers nem precisam de lunetas e os óticos são usados mais para observar a distância. A distância de engajamento típico é de 400 metros mais devido a necessidade de identificação do alvo. A 400m um homem em pé é menor que a massa de uma mira comum. As miras comuns ainda são efetivas a até 500m.

As miras telescópicas atuais são muito mais precisas, baratas e variam o zoom. Os requerimentos de uma luneta para os snipers considera a potência, definição, campo, ajuste rápido, simplicidade, resistência, rigidez e conveniência para uso. A simbologia agora são colocados no segundo plano de imagem ao invés do primeiro, mantendo o tamanho com variação.

Na Segunda Guerra Mundial o zoom da maioria das lunetas era de 3-4 vezes. Em 1941, a Alemanha iniciou o uso da mira Zf41. Era bem simples e era mais usada pelos DM. Cerca de 100 mil foram fabricadas até o fim da guerra. Atualmente os americanos usam miras ACOG com zoom de quatro vezes em grande número na infantaria comum.

Em 1945, a mira com zoom de 10x passou a ser o padrão dos sniper. Funciona com maior campo de visão (FOV). Quanto maior for o FOV, maior o tamanho da luneta e melhor a visão com pouca luz. O limite passa a ser o tamanho físico da lente para posição de tiro com cabeça alta com 56mm sendo limite.

As lunetas atuais agora estão ficando baratas. Alguns modelos chineses com lentes de plástico custam de menos 100 dólares e é mais capaz que uma luneta da Segunda Guerra Mundial. Com tecnologia de fabricação CAD/CAM agora tudo é automático para projetar e fabricar.

O USMC introduziu o padrão Mil Dot com espaçamento constante no reticulo facilitando o calculo da distância. O sniper compara o espaço que o alvo ocupa no dot e usa um gráfico de referência para determinar a distância. Os americanos usam calculadoras para transformar metros do Mil Dot na medida imperial.

O disparo contra alvos distantes é possível com fuzil comum e luneta com aumento de seis vezes. Os snipers geralmente usam armas dedicadas, mas tentar atirar a mais de 1km é considerado perda de tempo. Os snipers são capazes de disparar a longa distância, mas esperam o alvo aproximar para garantir o acerto. Por outro lado o disparo a longa distância não é visto nem ouvido.
No deserto o sniper precisa identificar alvos a 1.500m o que só é possível com luneta com zoom mínimo de 10 vezes e o calor distorce as imagens além da presença de ventos fortes. Em campo aberto como o deserto o fuzil tem que ser bem potente como a Barret M-82 e deve ser capaz de atingir até veículos onde é bem comum. As tropas evitam andar a pé no deserto.

A luneta do observador é usada para detectar alvos e avaliar o tiro. Os telescópios têm um grande zoom, de cerca de 20 vezes como o M-49, contra sete vezes dos binóculos.

Telêmetros laser determinam a distância com grande precisão sendo que já estão miniaturizados em binóculos e futuramente podem estar integrados na luneta. Com um computador balístico será possível uma grande precisão com ventos fortes a longa distância.

O fuzil M-21 americano está equipado com a luneta ART II (Automatic Ranging Ttelescope) com ajuste automático de distância. O sistema ocular foca no alvo com um mecanismo de elevação. Se focou no alvo está zerada na distância.

O tiro a noite foi facilitado com os meios de visão noturna. O Starlight americano foi usado no Vietnã e pesada 2,2kg sendo limitado e frágil. Mesmo assim mostrou se bastante útil para observação e tiro noturno. As câmeras térmicas têm alcance mais longo e detectam alvos escondidos atrás de folhagem e tecido.

Em 1943 foi iniciado o uso de miras noturnas no US Army com o Star Tron PVS-1 Starlight. O PVS-2 era mais potente e foi mais usado. Custava 3 mil dólares em 1970. Era muito pesado, mas a noite o combate geralmente só vai até 400m. Os Vietcongs usava Sniperscope americanos de estoques russo da segunda guerra. Os snipers americanos detectavam fácil suas emissões de infravermelho. A mira noturna russa 1PN83 x 3 já vem com apontador laser. É um intensificador de imagem de segunda geraçao com alcance de 300m.

Os sensores térmicos agora estão disponíveis para a infantaria o que é um perigo para os sniper. Na década de 90 a cidade de Seravejo na Bósnia estava cercada de snipers atirando em civis. Os países da ONU enviaram equipes anti-snipers para o local que usaram sensores térmicos para detecção. Os alvos quentes brilhavam na tela do sensor na noite fria da região. Várias empresas passaram a colocar no mercado roupas com proteção térmica para contrapor estes sensores como a Spectro Dynamic System.



PVS-10

A luneta AN/PVS-10 atual é bem menor e mais eficiente comparada com as primeiras versões. Pode ser usada de dia e a noite com um intensificador de imagem integrado.

M-40

O fuzil M-40A3 pode receber um sensor noturno Universal Night Sight Kit colocado a frente da luneta com o uso de trilhos Picatiny.

Luneta

Exemplo de mira com telêmetro laser integrado e dados mostrados na imagem. As equipes de operações especiais americanas já tem capacidade de gravar imagens digitalmente. As propostas de lunetas do futuro são óticos integrados, telêmetro integrado, câmera TV integrada, designador laser, mira térmica e integração com datalink digital e voz.

Térmico

Uma foto mostrando uma imagem de um intensificador de imagem (acima) e um sensor térmico (abaixo). Com o sensor térmico os alvos podem ser facilmente identificados. Para os snipers pode ser fatal.

Térmico

Um fuzil M-40 com um sensor térmico acoplado na luneta.



Armas dos Snipers

O peso de um fuzil de sniper deve ser de no mínimo 5kg para diminuir o recuo e dar mais estabilidade. Outra técnica para facilitar o tiro é colocar um gatilho "pesado". A arma do sniper não deve ser pesada pois vai ser carregada por várias horas junto com outras coisas. Deve ser confiável em qualquer tempo e condição climática e facilmente reparada no campo. Deve ter uma mira de ferro de backup. Podem usar munição padrão militar, mas geralmente usam munição especial para maiores alcances.

No inicio os snipers usavam armas da infantaria que tinham desempenho acima da média além de munição especial. Depois passaram a receber armas dedicadas com óticos, equipamento de visão noturna, rádios e roupas de proteção.

As armas podem ser do tipo ferrolho ou semi-automáticas. A diferença está no volume de fogo e na precisão. As armas semi-automáticas são menos precisas mas atiram mais rápido. Também dão mais defeitos e são mais pesadas. Um outro defeito importante é ejetar o cartucho logo após o tiro o que pode comprometer a posição. Os snipers do USMC no Vietnã detectavam os vietcongues pela ejeção dos cartucho das AK-47 que brilhavam com o sol.

A primeira arma automática de snipers entrou em operação em 1940 com o Siminov russo, seguido do SVD em 1965. Era uma arma relativamente leve. Os modelos automáticos da Segunda Guerra Mundial mostraram ser ideais a curta distancia, para parar avanços de muitas tropas. Os fuzis de ferrolho não daria a mesma razão de tiro. É a razão de tiro que torna os fuzis semi-automático preferidos dos DMs.

Nas cidades o fuzil pode ter curto alcance e deve ser preferencialmente semi-automático. Com munição subsônica é possível usar silenciadores que também escondem a fumaça e o brilho do disparo. Um exemplo é a VVS russa. Os americanos tiveram boas experiências com as SR-21 equipado com silenciador nas cidades do Iraque.

No Vietnã, 85% dos snipers do USMC preferiram o fuzil M-14 ao invés do M-40 com ferrolho. As distâncias na selva eram pequenas e a M-14 tinha opção de tiro automático para o caso de contatos próximos ou emboscadas. Também era útil em terreno urbano.

O alcance das armas foi aumentado progressivamente. Na Primeira Guerra Mundial os alvos eram batidos a cerca de 200m, aumentando para 400-600m na Segunda Guerra Mundial e chegando a até 900m no Vietnã. O alcance das armas atuais dos snipers é de 400m contra alvo exposto parcialmente, 800m contra tropa exporta e 1200m com arma especializada. Veículos e equipamentos podem ser engajados a até 1600m com arma de grosso calibre.

O fuzil Remington modelo 700 foi recomendada em 1942 como um bom fuzil para sniper para os americanos. Foi recomendado novamente na Coréia com nova munição. Foi aceita finalmente no Vietnã com luneta M-84 pelo USMC e chamado de M-40A1. Já o US Army escolheu o M-14 com a mira M-84 e chamado de M-21. O M-14 foi projetado desde inicio para receber luneta incluindo a Starlight.

Em 1977, os M-40 do USMC passaram a ser substituídos por uma versão de fibra e camuflado, equipado com uma luneta Unertl 10x. Também em 1977, o US Army iniciou a substituição dos seus M-21 e pensou em usar um calibre maior. A Remington propôs o SWS - Sniper Weapon System baseada no M-40 chamada de M-24 em 1988. Cada um custava US$3,5 mil cada, ou US$ 10 mil completo e continuava preciso até após disparar 10 mil tiros contra 500 tiros do SMLE da Segunda Guerra Mundial. Em 1996, o M-40A1 foi substituído pelo M-40A3. Junto com o M-24 tinha luneta de 10x e pesava 5,4kg.



DM
A experiência americana no Afeganistão e Iraque levou a volta do 7,62mm como este M-14 com luneta, retirados de estoques e até do mercado civil, mais devido a ênfase em snipers. Mesmo assim o calibre não é bom acima de 600m.


US Army está padronizando o calibre 7,62mm para substituir vários armas como o M-14, M-24 r Mk 11. Apos o ataque de  9 setembro, grande parte dos 40 mil fuzis M-14 estocados foram retirados e reconstruídos para equipar snipers e DM americanos. A nova arma virou um DMR (Designated Marksman Rifle) no USMC e USSOCOM. Até recentemente era o único fuzil especial para os DM.

O M-24 do US Army é muito preciso, mas no conflito na Somália em 1993 mostrou que uma arma semi-automática podia disparar 4-5 vezes mais rápido. Assim o US Army pensou em padronizar armas semi-automáticas para os seus snipers.

A primeira a entrar em operação foi o Mk 11 baseado no SR- 25 (Stoner Rifle-25) com calibre 7.6x51mm a pedido do Seals. Depois foi usada com luneta Leopold 3x10 pelos observadores da dupla scout/sniper do USMC. É considerada mais precisa até 600m que a M-21 e mais leve (5kg). O US Army lançou o requerimento Semi-Automatic Sniper System (SASS) vencido pela SR25 e chamado de XM110. O XM110 só opera no modo semi-automático e os sniper terão que levar um fuzil M-4 ou similar para combate aproximado. A nova arma tem trilhos Picatinny, recebeu supressor e bipé, gatilho de precisão (mais pesado e com dois estágios), carregador 20 tiros e coronha ajustável. A arma pode ser usada pelos snipers e DM. O USMC estuda armas de médio alcance para engajar alvos entre 1.100 -1500m para substituir o calibre 7,62mm.

No Reino Unido o fuzil L42 foi substituído pelo Acuracy L96A1 na década de 80. Os fuzileiros britânicos usam o L115A1 AWM da Accuracy International com calibre 338 Lapua. Os britânicos também usam o L82A1 ( Barrett M-82).Em 2003, no Iraque, um L96A1 realizou um tiro com vento forte contra um alvo a 860 metros. Calcularam que o projétil cairia 56 pés e sairia da rota em 38 pés na lateral. Recentemente os britânicos retiraram de ação seus fuzil pesado S-80, substituídos pela metralhadora Minimi, que passou a ser usado pelos DM.



SASS

O MX110 SASS será o novo fuzil de sniper e SASS das forças armadas americanas.


O fuzil russo Dragunov (SVD = Semipolarnya Vintovka Dragunova ou Fuzil semi-automático Dragunov), é um fuzil semi-automático, com luneta, carregador de 20 tiros, munição 7,62X54R mm. A mira PSO-1 é adequada até mil metros. Quando introduzido o ocidente pensou que os russos dariam um fuzil de sniper para todo infante pois o fuzil tinha uma baioneta. Com o SVD é difícil de acertar um alvo a mais de 500m, pois flutua muito, mas é possível até 800m com munição especial. É usado mais pelos DM. O fuzil SVD mostrou ser ruim para counter-sniper no Afeganistão. Os russos logo passaram a desenvolver o SVDS com cano mais curto e coronha rebatível. O SVD também mostrou que não tinha a mesma rusticidade dos fuzis AK e precisava de um operador mais bem treinado.

Em 1990 foi iniciado a substituição do SVD com o SV-98 a ferrolho derivado do fuzil Record 1 de competição. Foi instalado um sistema anti-mirage depois da experiência no deserto e foi adotado no ocidente. Os russos iniciaram o uso de fuzil pesado calibre 12,7mm em 1999 para bater alvos a até 2km. Outra munição foi a de 9mm e .22 silenciosa. Ao invés de desenvolver uma arma para todos os terrenos e alcances, criaram armas para cada terreno e situação. A maioria tem silenciador. Todos fuzis de sniper russos são projetados com o opção de usar a mira de ferro para tiro rápido a curta distância (snap shot) ao contrario do ocidente. Sempre levam armas automáticas para combate aproximado.

Na década de 80 apareceram os fuzil de assalto modificados para sniper como o Galil MSG-90. Era mais barato que um fuzil dedicado, mas usam melhor óticos e munição dedicada em relação aos fuzis de infantaria.



anti-miragem

Fita anti-miragem do SV-98 e que foi adotado no ocidente. O ar quente do cano e fumaça atrapalham a pontaria e a fita diminui o problema.

SVD

Um sniper americano no Iraque treinando com um fuzil SVD russo. Várias fotos como esta, incluindo operações reais, sugerem que os americanos gostaram do fuzil.

 

As armas de maior do calibre dos snipers não são adequadas para esconder a assinatura sonora e visual dos disparos, que podem ser ouvidos a grande distancia e mesmo com supressor o zumbido da bala denuncia a posição ou direção do tiro.

Um supressor é diferente de silenciador. Enquanto o supressor mascara o som, o silenciador elimina completamente. A supressão diminui o alcance e o silenciador tem que usar munição subsônica com alcance de 300-400 metros ou bem menos. O som não pode ser ouvido a 100-200m em uma noite silencioso ou mesmo 30-50m em uma cidade barulhenta.

No Vietnã as tropas usavam um supressor Scionic como o MAW-1 do M16 e M-4SS para o M-14 e M-21. Eram bons a noite, pois eliminava o brilho e a vegetação abafava o resto do som.

Com um amplificador de imagem Starlight e supressor de som em uma M-14, os snipers americanos conseguiam atingir um vietcong em tempo claro e terreno plano a 400 metros sem ser detectados. Com apoio de luz Xenon de blindado como cobertura o Starlight conseguia ver a até 2000 metros.  


Sniper pesado / Sniper de longo alcance / Sniper anti-material

O sniper pesado surgiu para destruição de alvos de alto valor ou material perigoso. Usa armas de grande calibre de pelo menos 12,7mm também chamados de fuzil anti-material. É usado pelos snipers, forças de operações especiais, equipes anti-bomba e equipes de proteção de perímetro.

Os fuzis anti-materiais têm calibre de 12,7mm a 20mm para atacar alvos como blindados leves, armas coletivas, centros de comunicações, mísseis, radares, centros de comando e aeronaves no solo. Assim, com um tiro de 5 dólares, é possível neutralizar uma arma de vários milhões como um caça a mais de mil metros de distância. Também são usados pelas equipes anti-bombas para destruir minas marítimas, minas terrestres e IED a distância segura. A munição perfurante-incendiaria (API) é usada para detonar explosivos.

O fuzil pesado Barret M82A1 (ligth fifty) foi introduzido em serviço em 1983 nos EUA. É uma arma semi-automática, de grande recuo, calibre 12,7mm, capaz de acertar o tronco humano a 1,5km. A arma pesa 12,9kg. Foi usada nas operações em Beirute em 1983 e no Panamá em 1989, mas muito mais na operação Desert Storm em 1991 onde as forças especiais a usaram para neutralizar aeronaves, estações de rádio e blindados.

Na operação Desert Storm, na noite entre 24-25 fevereiro, uma equipe motorizada do Force Recon do USMC usou uma M82A1 com munição API para destruir dois blindados YW531 a1100m. O sargento Kennedh Terry atingiu os dois com dois tiros, com vento e calor atrapalhando o tiro. Outros dois blindados se renderam.

O calibre 12,7mm tem capacidade de penetrar 25mm a 370m ou 13mm a 1600m enquanto 7,62 perfura 14mm a 100m e 10mm a 300m. A munição armor-piercing incendiary (API) é usada para penetrar e incendiar munição ou combustível dentro dos veículos. Contra explosivos a munição API as detona a longa distância pelas equipes anti-explosivos.

Foram os alemães que iniciaram o uso de fuzis pesados com o Mauser T-Gewehr M1918 na Primeira Guerra Mundial. O M1918 tinha calibre 13mm, tinha 1,68 m de comprimento e pesava 17,7kg vazio. O recuo podia quebrar a clavícula se disparado em pé, mas penetrava a blindagem lateral e até o bloco do motor dos blindados da época. A guerra terminou antes de serem convertidos para sniper em quantidade.

Ainda na Primeira Guerra Mundial os americanos começaram a ter interesse em armas de grande calibre com o calibre .50 após contato com o fuzil alemão. O primeiro teste com a munição de 12,7mm contra alvos de longo alcance foi na Coréia. Os americanos usaram um fuzil anti-carro Tokarev e adaptaram para o calibre americano. O calibre foi escolhido por ser o mais usado no ocidente e tem balística adequada para a função. 

  

PTRD

Na Segunda Guerra Mundial os russos já tinham usado o fuzil anti-carro PTRD e PTRS calibre 14,5mm contra sniper bem protegidos e para tiro de longo alcance. Os americanos converteram alguns PTRD para o calibre 12,7mm durante o conflito na Coréia assim como alguns fuzis Boys.
 

A munição 12,7mm foi feita para metralhadoras pesadas e com pouca tolerância a erros para requerimento de tiro a longa distancia. Alguns fabricantes produzem lotes de alta qualidade para os fuzis de sniper.

O problema dos fuzis anti-material são o grande peso, recuo forte e grande assinatura visual e sonora. O problema do peso é relativamente fácil de resolver com os fuzis chegando a pesar 10-13kg com material leve. Para comparação, um AW50F britânico calibre 12,7 mm pesa 13,64 kg, um fuzil AWM britânico calibre 338 pesa 6,8 kg sem munição e um M-24 pesa 5,49 kg. Um SR-25 calibre 7,62mm pesa 4,87 kg.

O recuo ainda é difícil de resolver para os fuzis com ferrolho e por isso costumam ser semi-automáticos. Uma coronha de material sintético é usado para absorver parte recuo e o freio de boca consegue absorver até 70% ou mais, mas com muita assinatura com grande brilho, som e nuvem de poeira denunciando a posição. O engajamento de alvos a longa distância não necessita de arma semi-automática, mas resolve parte do problema de recuo e alguns fabricantes acham que é preciso engajar alvos em grande sucesso em algumas situações.



Assinatura

A assinatura dos fuzis pesados pode ser parcialmente resolvido com pano molhando embaixo do cano.


O uso de um projétil muito grande pode ser desperdício contra humanos, mas para isso foi desenvolvido o calibre Lapua Magnum .338 para tiro a longa distancia. O Lapua Magnun 8,6x70 pode ser usada contra alvos a até 1100m e pode chegar a 1500m, mais ainda é antipessoal dedicado não aceitando munição explosivo ou incendiário. As vezes ainda é insuficiente para contra-sniper como mostrado pela experiência francesa em Serajevo, a russa na Chechênia e americana no Iraque.

Existem vários modelos e fabricantes de fuzis anti-material, mas é um nicho de mercado pequeno. Nos EUA os fabricantes vendem até mais para o mercado civil. São exemplos de modelos de fuzil peado: Guiette .50 (bullpup), Haskins Rai Model 500 (usado pelo USMC em Beirute e Panamá); PGM Precision HECATE II (usado pelas forças especiais francesas), Robar .50 BGM, Mc Millan Gunworks (agora Harris) M-87, Barret M-99 (bullpup), KSVK  (bullpup), Truvelo SR . 50, Zastava M093, FN Nemesis (versão mais leve HECAT II FN) e CheyTac Long Range Sniper RIfle.

A M-107 foi usado no Iraque pelo US Army recentemente e mostrou ser muito boa para combate urbano e foi muito apreciada pelo alcance, precisão e efeito no alvo. O inimigo vê o impacto nos amigos e fica aterrorizado. O projétil da M-107 chega a partir um corpo no meio. Em uma ocasião um tiro de 12,7mm atravessou um muro de tijolo, matou um guerrilheiro e feriu dois com estilhaços de tijolos.



M-107

O M-107 é o novo fuzil de longo alcance americano complementando o M-82. O M-107 opera com ferrolho e tem a vantagem de ser mais leve. É usado para bater alvos a longa distância, como fuzil anti-material, pelas equipes anti-explosivo e para contra-sniper.

M-2 sniper

No Vietnã os americanos chegaram a equipar as metralhadoras M-2 com lunetas para tiro a longa distância a 1500-2000m. O mesmo já tinha sido feito na Coréia. Na guerra do Pacifico os snipers USMC testou a metralhadora M-2 contra alvos japoneses a 1.100m com sucesso relativo e sem usar lunetas.

FRF-2
Um snipers francês na Bósnia anota as posições e rotas inimigas em uma foto panorâmica acima da arma. Os snipers franceses usam o fuzil FRF-2 calibre 7,62X51 mm (foto) e o PGM Hecate II com cartucho 12,7X99 mm. As duplas de sniper/observador levam as duas armas e o sniper escolhe a melhor arma para a situação. O FRF-2 usa uma cobertura de plástico em volta do cano que diminui a assinatura térmica no calor, e diminui o ar quente que cria miragem. Após 1945 a França colocou um sniper em cada pelotão infantaria. Em cada um dos 23 batalhões de infantaria existe uma seção de snipers na companhia de comando. A seção têm quatro grupos de snipers, cada grupo com dois atiradores (e seu auxiliar).

 

 

Alguns modelos de sistemas


 

Heckler & Koch PSG-1

 

 

 

 

psg1gsg9.jpg (35648 bytes)

A PSG (Prazision Schützen Gewehr Eins)-1 é sem dúvidas um dos melhores sistemas em uso atualmente, muito adotado por militares e policiais de todo o mundo.

 

Calibre: 7,62 x 51mm OTAN (.308 Win)

Comprimento: 1 208 mm. 

Comprimento do cano: 650 mm. 

Peso (incluindo o carregador de vinte balas): 8,225 kg.

Modo de operação: funcionamento recuo e trancamento do ferrolho por roletes.

Carga carregador: de cinco a vinte balas;

Perfil do raiamento: poligonal.
Disposição das raias: quatro estrias, com torção para a direita.

Sistema de mira telescópica: Hendsoldt 6x42 montado para disparos desde 100 a 600 metros. 

Mira traseira: n.° 6 com reticulas iluminadas, seis ajustes possíveis, de 100 a 60D m.

Gatilho: com ponto de disparo operando com pressão de aproximadamente 1.5 kg.

 

Outras características: 

sistema especial para ação de trava do ferrolho; 

coronha de comprimento ajustável ao -ombro; 

apoio do rosto ajustável verticalmente e coronha com ajuste angular ao ombro do atirador; 

peça de apoio da mão com trilho em forma de T, para a fixação de um reparo tripé e uma alça; 

gatilho de largura variável, munido de sapata ajustável. 

 

 


G3/SG-1 Sniper Rifle

Também muito usado por militares (unidades CT) e policiais, esta arma alemã vem com um bípede funcional de metal. Sua base é posicionada de uma maneira que emprega um contra-peso no rifle e dá uma impressão de balanço equilibrado, criando uma sensação de segurança no disparo. O rifle inteiro é baseado no H&K 91, uma versão civil do famoso rifle de assalto H&K G3A. 

A taxa de disparo é verdadeiramente muito alta para um rifle desse porte, porém o alcance letal dele é "especulativo". Entretanto, uma vez acoplado a mira telescópica, você pode perceber facilmente o poder que este objeto representa.

Configurado como um rifle de assalto e utilizado como um rifle de precisão com múltiplos propósitos. No G3/SG-1, encontramos um botão atrás do gatilho, que é um seletor de grupo de modos de disparo. Com ele podemos escolher os modos semi-automático e automático

Calibre: 7.62 mm OTAN. 
Operação: semi-automático. 
Carga carregador: 5 a 20 balas - caixa destacável. 
Peso: 8.10 kg 
Sistema de mira telescópica: Hendsoldt 6x42. 
Velocidade: 788 m/s 
Max. alcance efetivo: 600m.

 

 


 

 

Dragunov SVD

 

 

O Rifle de precisão Dragunov SVD, projetado por E. F Dragunov, é uma arma semi-automática que utiliza munição 7.62 x 54R, pesa cerca de 4,80kg municiado e tem 1,22m de comprimento; seu sistema de disparo é semelhante ao da série AK (alma raiada e repetição por gás). Possui mira telescópica PSO-1 como padrão, mas é compatível com todos os tipos de sensores de mira termográfica do Exército Russo; alguns modelos da mira PSO-1 fabricada para o Exército Russo possui um iluminador laser para confirmação de alvo. Consegue uma razão de tiro de 30 disparos por minuto e precisão a até 1.300m com mira óptica, sem mira chega a 800m, contudo a munição 7.62 x 54R dá a arma um alcance efetivo de 1.000m; o visor da mira óptica dá ao Sniper seis graus de visada e resolução 4x; pode ter acoplado a baioneta padrão da série AK. Foi a primeira arma especialmente projetada para os atiradores de elite russos, que são muito exigentes. é resistente e muito confiável. Não é a melhor arma para atiradores se comparada com outros sistemas, mas pode dispara satisfatoriamente em ambientes como o deserto, o ártico, na chuva e assim por diante. É uma arma perfeita para dar apoio de fogo de precisão a uma esquadra. Esta em serviço em diversos países como: Rússia, Hungria, Índia, Egito, Argélia, China, Irã, Polônia e Síria e na maioria dos antigos países do Pacto de Varsóvia ou que no passado receberam ajuda militar dos soviéticos.

 

Calibre: 7.62 x 54R. 

Comprimento: 1,22m.

Carga carregador: 10 balas.

Peso:4,80 kg.

Modo de operação: é semelhante ao da série AK (alma raiada e repetição por gás).

Carga carregador: de cinco a vinte balas;

Perfil do raiamento: poligonal.
Disposição das raias: quatro estrias, com torção para a direita.

Sistema de mira telescópica: mira telescópica PSO-1. O visor da mira óptica dá ao Sniper seis graus de visada e resolução 4x.

Alcance efetivo: 1.300. 

 

Odstøelovaèská puška Dragunov s pøíslušenstvím

 

 


 

Barrett M82A1 heavy sniper

 

Marines usando rifles Barrett no Iraque - 2003.O rifle de alta precisão Barrett calibre 0.50 é considerado uma das armas mais confiáveis disponíveis para o atirador de elite. Este rifle foi projetado por  Ronnie Barrett na década de 1980.

 

Com um Barrett, um atirador experiente é capaz de atingir um alvo localizado a uma distância de até 1,8 km - o que permite que ele atinja um oponente sem revelar sua posição. Apesar do peso de 14 kg, a arma foi projetada para ser transportada com rapidez.

 

O Barrett .é uma efetiva arma de  interdição a longa distância. Ela é uma arma antimaterial também, podendo ser usada contra edificações, veículos, aviões e helicópteros. 

 

A arma opera em principio de recuos curtos, onde o cano possui um "breque" em forma de focinho na ponta, o que ajuda a reduzir o recuo. Um bipé auto-nivelável ajuda o  franco-atirador em mirar esse rifle   altamente poderoso. Ele foi o primeiro rifle .50 a alcançar uso difundido. Seu comprimento volumoso (1.55m) e peso (13.4kg) faz dele um rifle vultoso e poderoso. Entre os usuários deste rifle estão os EUA, Austrália, Israel, Noruega, Reino Unido e Suécia. Um fato interessante a destacar é que todos os instrutores deste .50 em Israel são mulheres.  

 

Instrutora israelense de .50


Calibre: .50 BMG (12.7x99mm)

Modo de operação: apenas semi-automático. 
Carregador: 10 balas.

Alcançe Efetivo: 1.800 metros  


 

 


L96A1 Sniper Rifle

 


Fabricado por Accuracy International em Portsmouth, é o rifle padrão dos atiradores de elite das forças armadas britânicas. Ele foi o escolhido na década de 1980 para substituir o rifle sniper L42. Uma versão para os rigores do ambiente ártico (-40C) foi fabricada com a designação "Arctic Warfare  Serie" a pedido do Exército sueco. Na Suécia este rifle recebeu a designação de PSG-90. O Exército alemão (Bundeswehr) adotou a versão AW Super Magnum.

 

 

Calibre: 7.62mm - OTAN (.308 Win) para L96, AW, AE, AW Police e AW Folding; Super Magnum: .338 Lapua (8.60x70mm), .300 Win Mag, 7mm Rem Mag 

Peso: 6.5kg. (sem a mira).

Comprimento: 1.15m.

Cano: 610mm para maximizar exatidão nos disparos.

Carregador: 10 ou 12 balas.

Mira telescópica: 6x42, 10x42, e 3-12x50. Dotadas de um sistema especial de visão produzido inteiramente pela Accuracy International.

Velocidade: 840m/sec.

Alcance: mais de 800 para 7.62mm e 1.100m para variantes Magnum.

 

Modelos

 

Série AW

Série Super Magnum

AW

AW

AWM50)

AWM50

AWP

AWP

AWM

AWM

Accuracy International Série AE

Accuracy International AE sniper rifle


Remington M40 & M40A1 

 

 

Baseado no Remington modelo 700, este rifle de 7.62mm é aperfeiçoado para  precisão definida. Feito a mão por especialistas em Quantico, o M40A1 é renomado por seu cano de aço inoxidável, coronha de fibra de vidro reforçada e mira telescópica Unertl. O M40A1 é o sniper rifle preferido entre os fuzileiros navais norte-americanos.

 

Calibre:: 7.62x51mm NATO (.308 Win)

Funcionamento: ação por ferrolho
Cumprimento: 1117mm (M40A1)

Cano da arma: 660mm (M40); 610mm (M40A1)
Peso: 4.08 kg vazio sem a mira; 6.57 kg carregado com mira.

Pente: 5 balas.

Alcance efetivo: 800m
Magazine Capacity: 5 rounds in detachable box magazine


Remington M24 Sniper Rifle

Tem sido a arma padrão das equipes de atiradores de elite das US Special Forces, veio para substituir o sistema M21 no US Army em 1988. Diferentemente do seu antecessor o M24 foi especialmente projetado para resistir as duras provas do campo de batalha. É usado também Exército israelense. O M24 entrou em serviço em Israel em 1997 também substituindo M21. O sistema de funcionamento do M24 está baseado no Remington modelo 700. Ele também é usado por forças policiais.

 

Calibre:: 7.62x51mm NATO (.308 Win)

Funcionamento: ação por ferrolho
Cumprimento: 1117mm (M40A1)

Cano da arma: 610mm 

Peso: 5.49kg vazio sem a mira

Pente: 5 balas.

Alcance efetivo: 800m


 

Galil Sniper(Galat'z)  

 

Este é um rifle de snipers baseado no fuzil de assalto Galil que por sua vez é baseado no AK-47 Kalashnikov. É uma arma semi-automática que tem em seu pente de 20 a 25 cartuchos. Tem uma alta potencia de fogo e é ideal para fogo de apoio táticos como o Dragunov SVD russo ou o  G3-SG1 alemão. Apesar de ter adotado o M24 como arma padrão dos seus atiradores de elite, os israelenses sempre tem um especialista em GALAT'Z em suas unidades contraterroristas com a YAMAM. Sua confiabilidade é comparada com o fuzil de AK-47. Possui partes intercambiáveis com o Galil.

Hoje o Galil 7.62 mm ainda é produzido pela IMI Israeli Military Industries (tanto na versão regular, quanto na de snipers) e é principalmente exportado para países do terceiro mundo.

Calibres:: 7.62 x 51 mm (.308) e 5.45 x 45 mm (.223)

Funcionamento: semi-automático.

Cumprimento: 1115mm

Cano da arma: 508mm

Peso: 6,5kg vazio. 8kg com pente de 20 cartuchos e mira.

Pente: 20 ou 25 cartuchos.

 


 

Munição
A escolha do calibre à ser utilizado depende das missões que vai cumprir o atirador, e não da “padronização de calibres ou outros fatores administrativos. Se os calibres pequenos são eficientes à médias distâncias, pode ser necessário a precisão à longa distância para missões rurais. 

 

Os fabricantes produzem tipos especiais de cartuchos que são famosos por serem extremamente regulares e precisos, dando-lhe os nomes de “Match”, “Varmint”, “Competition”, etc

 

Como regra, estima-se que um calibre seja adequado quando desenvolve alta velocidade inicial e conduz grande energia, podendo transmiti-la eficazmente. A preocupação com trajetórias, alcance “Stoping Power” penetração, etc. deve ser alvo de intenso e qualificado treinamento para os atiradores, pois não se pode errar em operações. Deve se dar preferência à calibres que possuam trajetória tensa e agrupamentos consistentes, como o 5,56 X 45 mm, 243 W, 270 W, 7,62 X 51 mm, 30.06, entre outros. 

 

Mira óptica
Armas e cartuchos úteis à mais de 500m seriam inúteis se a visualização do alvo não fosse possível, sob as mais diversas situações. Uma boa luneta deve ser clara, adequada para o calibre, alcance e tipo de operação, se diurna, noturna, ambientes úmidos, selvas densas, desertos, etc. Vejamos alguns tipos mais comuns de retículos para estas lunetas e breves comentários: Como regra deve-se ter em mente que uma luneta muito adequada para determinadas condições pode não sê-lo para outra, portanto, escolha vários tipos conforme a missão à ser cumprida. O aumento mínimo requerido é de 6 vezes, podendo ser muito maior conforme a distância de tiro. Também é obrigatório ter-se algum equipamento que possibilite a visão sob baixas condições de luminosidade, pois tiros desta natureza são bastante comuns nas tarefas do “SNIPER”.Um retículo adequado para uso diurno pode ser totalmente inútil à noite, bem como sob alvos parcialmente ocultos por vegetação, etc.


O que você achou desta página? Dê a sua opinião, ela é importante para nós.

Assunto: Atiradores de Elite