Perfil da Unidade

Luftwaffe Fallschirmjäger


História - Armas e Equipamentos - Operações

O termo Fallschirmjäger vem do alemão, Fallschirm - “pára-quedas” e de Jäger, um termo para infantaria leve; literalmente “caçador; ranger” traduzido livremente como pára-quedista-caçador). Os Fallschirmjäger tratados nesta página serão aqueles do período da Segunda Guerra Mundial, que lutaram pela Alemanha nazista. Durante toda a guerra os Fallschirmjäger da Luftwaffe tiveram em Kurt Student o seu comandante.

História

Em meados da década de 1930, a Força Aérea e o Exército alemães começaram a formar seu grupo de assalto de pára-quedistas.  A idéia de jogar um soldado em batalha atrás das linhas inimigas não era nova. Era, entretanto, a Wehrmacht que levaria esta idéia a um novo nível. No dia 11 de maio de 1936, o Major Bruno Oswald Brauer fez o primeiro salto de pára-quedas da asa de uma aeronave esportiva Klemm KL25 e se tornou o primeiro Fallschirmjäger alemão a ser dado um Fallschirmschutzenschein (Licença de Pára-quedismo). No dia 5 de novembro de 1936, o Fallschirmjäger seria premiado com o Fallschirmschutzenabzeichen (insígnia de pára-quedista que caracteriza uma águia de ouro que agarra as letras FJ).

No dia 1° de outubro de 1938, a guarda pessoal de Hermann Goering foi transferida para a Luftwaffe, sob o nome de Regimento General Goering. Voluntários desse grupo partiram então para Altengrabow, onde se formava o primeiro regimento de pára-quedistas armados com fuzis. Na primavera de 1936, o Exército alemão iniciou treinos com a nova unidade de pára-quedistas, Dois anos depois, usou-a na ocupação dos Sudetos. Em 1° de janeiro de 1939 ela foi transferida para a Luftwaffe. Em julho de 1939, o general Kurt Student passou a comandar na Força Aérea a recém-formada 7ª Divisão Aerotransportada, que não ficou pronta a tempo de participar dos combates iniciais da guerra da Segunda Guerra Mundial. Em abril de 1940, seus pára-quedistas lutaram na Noruega, em especial no socorro a Narvik. O assalto à fortaleza belga de Eben Emael e a captura das pontes no canal Albert em maio suplantaram as façanhas na Noruega e abriram caminho para outros triunfos alemães na Europa, no Mediterrâneo é no norte da África.

As unidades Fallschirmjäger realizaram a primeira invasão aerotransportada da história quando invadiram Creta em 22 maio de 1941. Mais tarde na guerra, a 7ª Divisão foi reorganizada e a usaram como núcleo para a formação de uma série de novas divisões de infantaria de elite da Luftwaffe do elite, numerada em uma série que começou com a 1ª Divisão Fallschirmjäger.

Estas formações foram organizadas e equipadas como divisões de infantaria motorizada. Suas unidades foram encontradas freqüentemente no campo de batalha como os grupos de batalha ad hoc (Kampfgruppen) destacados de uma divisão ou organizados com recursos disponíveis variados. De acordo com a prática padrão alemã, estas unidades recebiam o nome do seu comandante, tal como o grupo Erdmann na França e a Brigada de Pára-quedistas Ramcke na África Norte.

Pára-quedista alemão do 3º Regimento na Holanda em 1940. Ele está armado com a famosa submetralhadora alemã MP 38/40. Por baixo de seu uniforme verde, ele usa o uniforme azul da Luftwaffe.

Após meados de 1944, os Fallschirmjäger eram treinados não mais como pára-quedistas devido à duas realidade da situação estratégica, mas retinham o status de Fallschirmjägers. Na época dos desembarques Aliados na Normandia em junho de 1944, existiam cerca de 160.000 pára-quedistas alemães. Perto do fim da guerra, uma série de novas divisões Fallschirmjäger chegou a uma dúzia, com uma redução considerável  na qualidade das novas unidades. Entre estas divisões a 9ª Divisão Fallschirmjäger, foi a última divisão de pára-quedistas formada pela Alemanha nazista durante a Segunda Guerra Mundial. A divisão foi destruída durante a batalha de Berlim em abril de 1945. Estas divisões não devem ser confundidas com as divisões de campo da Luftwaffe, uma série mal organizada e comandada de divisões de infantaria formada por pessoal de campo e ex-tripulações sem aeronaves, que surgiram perto no final da guerra. Cerca de 54.449 pára-quedistas foram mortos em ação e 8.000 são alistados como desaparecidos em ação.

Organização Militar das forças aerotransportadas

Divisões Pára-Quedistas: As unidades aeroterrestres
na Alemanha pertenciam à Luftwaffe (Força
Aérea alemã) e não ao Heer (Exército).

Contudo, sua organização não era em nada diferente
de uma divisão de infantaria comum. Consistia
normalmente de:

3 regimentos a 3 batalhões;

1 batalhão de artilharia;

1 batalhão anti-tanque e;

1 batalhão de pioneiros.

A Alemanha chegou a criar, "no papel", 11 divisões PQD, embora as divisões 10ª e 11ª fossem amontoados de remanescentes e apenas a 1ª (ex-7ª Aérea) tenha chegado a saltar em combate (na Bélgica, Holanda, Grécia e Creta). A partir de 1944, nem sequer tinham treinamento de salto. 

Divisão Aerotransportada: Com o intuito de apoiar as unidades pára-quedistas da Luftwaffe, o
Exército alemão efetivou a 22ª Divisão Aerotransportada, organizada com 3 regimentos a 3 batalhões,
1 regimento de artilharia a 3 batalhões, 1 batalhão anti-tanque, 1 batalhão de pioneiros e 1 batalhão de reconhecimento. Sua tarefa era ser transportada por aviões para a área já controlada pelos pára-quedistas e apoiá-los. Participou, nessa tarefa, da invasão da Holanda.

Unidades de pára-quedas de Luftwaffe

Erste Fallschirmjägerarmee

Fallschirmjägerkorps

  • I. Fallschirmjägerkorps

  • II. Fallschirmjägerkorps

Fallschirmjägerdivisionen

  • 1ª Divisão de Pára-quedistas alemães

  • 2ª Divisão de Pára-quedistas alemães

  • 3ª Divisão de Pára-quedistas alemães

  • 4ª Divisão de Pára-quedistas alemães

  • 5ª Divisão de Pára-quedistas alemães

  • 6ª Divisão de Pára-quedistas alemães

  • 7ª Divisão de Pára-quedistas alemães

  • 8ª Divisão de Pára-quedistas alemães

  • 9ª Divisão de Pára-quedistas alemães

  • 10ª Divisão de Pára-quedistas alemães

  • 11ª Divisão de Pára-quedistas alemães

  • Divisão de Treinamento de Pára-quedistas alemães

Outras unidades de pára-quedas de Luftwaffe

Brigada Pára-quedistas

Luftlande-Sturm-Regiment, formado pelo Feldjager-Sturmregiment, com os batalhões I, II, III, e IV

Regimento Barenthin formado de efetivos de outras unidades

Fallschirmjäger-Sturmgeschütz-Brigaden

  • Fallschirmjäger-Sturmgeschütz-Brigade XI

  • Fallschirmjäger-Sturmgeschütz-Brigade XII

Outras unidades do pára-quedas

Waffen SS

  • 500° Batalhão das Waffen SS

  • 600° Batalhão das Waffen SS

Exército

  • Batalhão Schweres-Fallschirm-Infanterie

  • Regimento Brandenburger

  • 22ª Divisão Aerotransportada

  • 91ª Divisão Aerotransportada

Histórico das outras unidades pára-quedistas

Além dos pára-quedistas da Luftwaffe, também lutaram na Segunda Guerra Mundial, unidades de pára-quedistas do Exército (Herr) e das Waffen-SS.

HERR

O Exército contou com um número reduzido de pára-quedistas, treinados e equipados pela Luftwaffe. O primeiro pelotão nasceu entre as unidades especiais "BRANDENBURGER". O Pelotão (Zug) se ampliou para uma Companhia em 1941 e uma Batalhão em 11 de março de 1944. As atuações desta unidade, devido as particularidades características das unidades "BRANDENBURGER", se realizarem atrás das linhas inimigas e em operações atípicas. É difícil seguir a pista de suas ações pois quase não existem documentos fotográficos devido as operações serem secretas. A operação para resgate Mussolini, executada por unidades SS foi uma exceção.

WAFFEN-SS

As primeiras tentativas de se criar uma unidade Fallschirmjäger das SS foram tentadas em 1937, mas a criação de uma unidade de pára-quedistas SS só foi possível em 1943. Tal unidade foi formada em Chlum, Checoslováquia, no outubro de 1943 a unidade era composta de voluntários de unidades regulares das Waffen-SS regulares e das unidades penitenciarias militares (incluindo a unidade SS-Bewährungs Abteilung de reabilitação), a estes últimos foi dada a possibilidade de se redimirem em combate.

O primeiro batalhão de pára-quedistas das Waffen-SS, ficou conhecido como SS Fallschirmjäger Bataillon 500, e era destinado a "operações especiais". Os voluntário desta foram enviados a Luftwaffe Fallschirm-Schule (Escola de Salto) Nr.3 em Madanrushka-Banja, Iugoslávia, para o treinamento de salto em novembro 1943 e mais tarde para Papa, Hungria, onde terminaram seu treinamento.

Após o treinamento foram enviados para a Iugoslávia onde tomaram parte da de operações anti-partisan até abril 1944 enquanto se preparavam para a operação Rösselsprung. Essa operação consistia em um assalto com pára-quedistas e Planadores sobre o quartel do General Tito em Dvar (Iugoslávia) em 25 de maio de 1944. Várias unidades alemães participaram da operação. Foi alto o custo desta operação em baixas, que não logrou capturar Tito. As baixas alemãs foram de 213 mortos, 881 feridos, e 51 desaparecidos. Os partisans tiveram 6.000 baixas.

Logo depois a unidade foi substituída pela SS Freiwilligen-Gebirgs Division Prinz Eugen. A unidade devido as baixas foi reorganizada e depois enviada para Petrovac onde combateu outra vez os partisans antes de ser ser enviada para Ljubljana para descanso em junho. Depois o batalhão foi para a zona de Kurland em agosto de 1944 e mais tarde para Baden, perto de Viena. Depois foram enviado para Gotenhafen, Prússia, para participaram da ocupação das ilhas de Aaland no mar de Báltico, mas a operação tinha sido cancelada quando chegaram. Foram transferidos para Riga e mais tarde a Vilnius onde participaram de forte combates antes de ser enviados a Memel em outubro 1944.

Desde de 14 de outubro de 1944 se preparava um assalto contra as defesas de Budapeste, que nunca veio a acontecer. A unidade foi desbaratada em outubro de 1944 e os soldados restantes foram enviados a Áustria para formar o SS-Fallshirmjäger-Bataillon 600. Após sua organização, o 600 participou, sob às ordens de Otto Skorzeny, da ofensiva das Ardenas, como parte da 150th Panzerbrigade. Nesta ofensiva as tropas de Skorzeny usaram armas e uniformes americanos. Os alemães capturados, usando uniformes americanos, foram fuzilados como espiões.

No início de 1945 esta unidade se encontrava reorganizada em Neu-Strelitz, de onde foi enviada para a Frente Leste, para reforçar a resistência contra a formação de uma cabeça-de-ponte russa em Schwedt-Oder. Permaneceram nesta frente até março de 1945 quando foram transferidos para a retaguarda, reorganizados e enviados para a frente de novo para a frente no Oder, perto de Berlim. Finalmente, depois de uma luta constante durante sua retirada para Hagonow, os 180 sobreviventes se renderam ao 9º Exército americano no fim de abril de 1945.

Pós-Guerra

Em 1955 a OTAN (Organização do Tratado de Atlântico Norte) e as três nações que ocupavam a Alemanha Ocidental, decidiram criar as Forças Armadas da Alemanha Ocidental (Bundeswehr), compreendidas da MArinha, Força Aérea e Exército (Bundesheer). Também se decidiu criar uma brigada aerotansportada (a 106ª Luftlandebrigade) e uma escola de salto como parte do Bundesheer.

Pára-quedista alemão dos anos 2000, com seu uniforme camuflado caraterístico.

Em 1956 os primeiros elementos da nova brigada aerotransportada foram recrutados ente os oficiais, NCOs e homens vindos da antiga 7ª Divisão Aerotransportada da Segunda Guerra Mundial. Também foram abertos 4 centros de recrutamento. Os novos recrutas eram formados por jovens alemães e veteranos da ultima grande guerra. Todos foram enviados para Augsburg onde foram ser treinados com a 11ª Airborne Divison dos EUA, que estava baseada na Alemanha Ocidental nesta época. Em janeiro de 1957 a 106ª Luftlandebrigade se torna a 1ª Luftlandedivisions com seu QG em Esslingen, sob o comando do Obest von Baer, antigo-comandante do Airborne Panzer Corps.

Em 1958 a divisão foi declarada em condições de combate e incorporada a Ordem de Batalha da OTAN. Em 1959 a divisão foi expandida para duas brigadas completas a 25ª e a 26ª Fallschimjagerbrigaden. Enquanto a tradição alemão de eficiência em combate era mantida na nova unidade, a doutrina pós-guerra rejeitava toda influencia advinda da era do Terceiro Reich.

Em 1962 a a 1ª Divisão aerotransportada tinha 11.600 homens entre a 25ª e a 26ª Brigada aerotransportada, e as unidades de serviços e apoio, com uma brigada de reserva. Um batalhão independente de pára-quedistas foi anexado a 5ª Panzerdivision. Este batalhão foi o núcleo da 27ª Brigada aerotransportada que se uniu a 1ª Divisão aerotransportada em 1971, sendo esta a formação definitiva da divisão durante toda a Guerra Fria. Os novos Fallschirmjäger também foram treinados como soldados helitansportados, pois no cenário de uma invasão soviética, uma operação pára-quedista classifica por parte da Alemanha Ocidental seria muito provável, e os Fallschirmjäger ao lado de unidades Panzer e Panzergrenadier, deveriam barrar o avanço comunista sobre o ocidente, em pleno solo alemão, ao lado de seus aliados da OTAN.

A divisão nos anos 1960 participou de vários exercícios com a OTAN inclusive na França. Durante a sua história, nos primeiros anos de formação, vários antigos comandes de divisões pára-quedistas alemães da Segunda Guerra comandaram a nova divisão de pára-quedistas. No início os novos pára-quedistas usaram os antigos JU-52, depois passaram para os C-160 Transall franco-germanico e também passaram a usar helicópteros H-34, CH-53 e UH-1.

Com a queda do muro de Berlim e o fim do Pacto de Varsóvia, as ameaças imediatas sobre a Alemanha unificada desapareceram e as forças armadas alemãs (Bundeswehr) passaram por uma redução e reestruturação, e em 1994 a 1ª Luftlandedivisions é dissolvido e criada em 1995 a Kommando Luftbeweglichekrafte/4 Division (KLK/4 Division), para coordenar todas as atividades das unidades aerotansportadas alemãs. Essa é a principal unidade de pronta reação do Bundeswehr. Em tempos de paz o KSK (Kommando Spezialkräfte) fica sob as ordens da Divisão KLK/4.

As unidades que fazem parte da Divisão KLK/4, são:

  • 26ª Luftlandebrigades;

  • 31ª Luftlandebrigades;

  • 373° Batalhão independente;

  • KSK (forças especiais).

A Divisão KLK/4 pode ter ainda unidades Gebirgsjäger ou Aufklarungstruppen. Ela ainda possue um regimento de transmissões (Apunhala und Fernmelderegiment 4) junto com uma banda musical.


Luftwaffe Fallschirmjäger

Operações

Armas e equipamentos


Kurt Arthur Benno Student

 

 

Kurt Student (12 de maio de 1890 em Birkholz - 1 de julho de 1978 em Lemgo - Alemanha Ocidental). Foi comissionado como oficial do Exército alemão em 1912 e em 1913 se tornou piloto da Força Aérea do Exército alemão. Entre 1916 e 1917 alcançou seis vitórias contra pilotos franceses. Durante a Segunda Guerra Mundial foi designado comandante das tropas Luftwaffe Fallschirmjäger.

 

Em 1940 comandou as topas aerotransportadas que atacaram os Países Baixos e a Noruega durante a famosa Blitzkrieg alemã. Em 1941 esteve a frente dos pára-quedistas que tomaram Creta. Em 1943 é transferido para a Itália, e entre outras missões, seus homens ao lado do legendário SS Otto Skorzeny, resgataram Mussolini. Ainda em 1943 é transferido para a França, onde participou da Batalha da Normandia em 1944. Também participou do revide germânico a Operação Market Garden, no cerco a Arnhem. Lutou brevemente na frente oriental em Mecklemburgo, até que foi capturado na frente ocidental pelos britânicos em abril de 1945 perto de Schleswig-Holstein. Não sendo acusado de crimes de guerra, ficou preso pelos ingleses até ser libertado em 1948.


A Brigada Ramcke

Depois de Creta foi formada uma brigada Fallschirmjäger ad hoc sob o comando do veterano comandante Oberst Hermann-Bernhard Ramcke. Essa Brigada Ramcke faria parte da Operação Hercules, a invasão de Malta, que não foi realizada. Esta operação seria uma invasão ítalo-germânica que utilizaria a Divisão Pára-quedistas Folgore que Ramcke tinha ajudado a treinar.

Pára-quedista da Brigada Ramcke armado com uma MP 38/40 e usando o uniforme tropical dos Fallschirmjäger.

Com o cancelamento da operação a brigada foi renomeado Fallschirmjäger-Brigade Afrika e enviada para a África do Norte para se juntar ao Deutsches Afrika Korps de Rommel. Em abril 1942, a brigada foi rebatizada de Fallschirmjäger-Brigade Ramcke.

Ordem de Batalha - Fallschirmjäger-Brigade Ramcke -julho 1942:

Comandante: Hermann-Bernhard Ramcke

I./Fallschirmjäger-Regiment 2 - Major Kroh - Formado do 1º Batalhão do 2º Regimento Fallschirmjaeger, recém chegado da Rússia.

I./Fallschirmjäger-Regiment 3 - Major von der Heydte - Uma unidade recentemente formada.

II./Fallschirmjäger-Battalion 5 - Major Hubner -  Formado do 2º Batalhão do 2º Regimento do recentemente formado 5º Regimento Fallschirmjaeger.

Fallschirmjäger-Lehr-Battalion/ XI.Flieger-Korps - Major Burckhardt - Formado pelo Batalhão de Demonstração e Treinamento (Lehr).

II./Fallschirm-Artillerie-Regiment - Formado pelo 2º Batalhão do Regimento de Artilharia Fallschirmjaeger da 7ª Divisão Flieger - Comandante Major Fenski

Pionier-Kompanie - Oblt. Tietjen

Panzerjäger-Kompanie - Comandante Oblt. Hasender (12x 3.7cm PaK 35/36)

Após sua chegada em julho 1942, a brigada executou excelente trabalho agindo como força anti-SAS (Special Air Service). A unidade de Ramcke em seguida tomou parte da ponta-de-lança do assalto do DAK em direção ao canal de Suez, lutando ao lado da 25ª Divisão italiana Bologne antes que a oposição britânica se solidificasse perto da cidade de El Alamein.

A brigada foi pesadamente engajada na segunda batalha de El Alamein, se tornando depois parte da linha defensiva alemã e italiana. A brigada foi espalhada entre X e XX Corpo italiano, com os batalhões Hübner e Burkhardt posicionados com a Divisão italiana Bresscia e o resto da brigada adicionado a Divisão italiana  Bolonha. À direita do batalhão Hübner estavam os pára-quedistas da Divisão italiana Folgore.

Rommel lutou ferozmente, mas foi forçado a se retirar da linha Fuka no dia 3 de novembro, desobedecendo as ordens de Hitler de lutar até a morte. Durante a retirada do Afrika Korps, a Brigada Ramcke foi abandonada pelo Alto Comando porque não tinha nenhum transporte orgânico, como muitos dos camaradas italianos. Em lugar da rendição, Ramcke conduziu as tropas dele para fora da armadilha britânica. O Batalhão Burkhardt foi capturado perto de Fuka quando tentava chegar a estrada oeste, entretanto o resto da brigada conseguiu escapar continuando a pé sua marcha pelo deserto na direção.

Alguns dias depois, durante uma marcha noturna do dia 5/6 de novembro, a brigada se encontrou com uma coluna de provisão britânica de caminhões estacionada, e pôde render a coluna sem disparar um só tiro. A coluna de provisão não só proveu caminhões, mas também comida, tabaco e outros luxos.

Aproximadamente 600 dos Pára-quedistas de Ramcke chegaram as linhas alemãs no dia 6 de novembro, depois de uma marcha de 200 milhas pelo deserto. Cerca de 450 homens se perderam n processo. Após este grande feito a brigada foi enviada para a Tunísia para descanso.

Ramcke e o Oberstleutnant Hans Kroh reorganizaram as sobras da Brigada Ramcke em batalhões de combate.Ramcke voltou à Alemanha e no dia 13 novembro se tornou o 145º condecorado com o ramo de oliveira da Cruz de Ferro (a qual ele tinha recebido depois de Creta) e foi promovido a Generalleutnant. Kroh então passou a comandar do resto da Brigada que foi renomeada Luftwaffenjäger Brigada 1.

Pára-quedistas do Batalhao Hübner, da Brigada Ramcke, em ação na África do Norte.

Luftwaffenjäger Brigada 1:

Comandante: Oberstleutnant Hans Kroh
Batalhão Schwaiger (Kompanies 1-3)
Batalhão von der Heydte (Kompanies 4-6)

Após um breve período de descanso foi enviada para combater o avanço Aliado em direção a Tunísia. A brigada se envolveu em pesados combates contra os britânicos no terreno montanhoso do sul da Tunísia e continuo lutando até a capitulação do Panzer-Armee Afrika em maio 1943, quando os sobreviventes se renderam aos aliados. Algum Fallschirmjäger conseguiram escapar.

Ramcke, se tornou o comandante da 2ª Divisão Fallschirmjäger, e foi com sua unidade para a França da França para a Itália quando os Aliados invadiram Sicília onde a divisão ficou na reserva. Quando os italianos se renderam aos Aliados em setembro de 1943, a divisão de Ramcke recebeu a missão de tomar Roma e  restabelecer a ordem. A divisão foi enviada então para a Rússia em novembro 1943 de novembro. Eles lutaram na Rússia até maio de 1944, sofrendo grandes baixas, mas esta seria a última vez que a 2ª Divisão Fallschirmjager lutaria na Rússia.

Ramcke e a divisão dele foram movidos para Colônia e depois para a Bretanha, França. para defende esta  península no dia 13 junho. Ramcke e sua a divisão lutariam na Bretanha e finalmente na fortaleza de Brest, contra tropas americanas que finalmente forçaram os alemães a se renderem no dia 19 de setembro de 1944.

Ramcke foi levado prisioneiro para um campo de prisioneiros de guerra nos EUA. Por sua brava defesa de Brest, foi mais uma vez condecorado, recebendo a Espada & Diamantes para a sua Cruz de Cavaleiro. Ramcke morreu na Alemanha em 1968.

O oficial von der Heydte, veterano da Brigada Ramcke, comandou 6º Regimento Fallschirmjäger perto de Carentan em 1944 na Campanha da Normandia e depois comandou um Kampfgruppe na ofensivas alemã das Ardenas.


Fontes:

http://www.battlefront.co.nz/

http://adluna.sites.uol.com.br

http://www.somnium.eti.br

http://www.grandesguerras.com.br

http://www.geocities.com/fallschirmjager1936/

http://www.1939-45.org/bios/ramcke.htm

http://www.geocities.com/fallschirmjager1936/operac.htm

http://www.europa1939.com/ww2/1944/arnhem.html

http://miarroba.com/foros/ver.php?foroid=681974&temaid=5086061

http://www.germanwarmachine.com/fallschirmjager/organisation.htm


O que você achou desta página? Dê a sua opinião, ela é importante para nós.

Assunto: Fallschirmjager WW2